Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Grande ABC sedia terceira
edição da Virada Inclusiva

Mais de 80 cidades no Estado terão atividades de Cultura,
lazer e Esportes em ruas, praças, parques, museus e teatros


Maíra Sanches
Do Diário do Grande ABC

01/12/2012 | 07:00


De hoje até segunda-feira acontece a 3ª edição da Virada Inclusiva, evento coordenado pelo governo estadual para celebrar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, comemorado no dia 3. Ao todo, mais de 80 cidades terão atividades de Cultura, lazer e Esportes em ruas, praças, parques, museus e teatros de todo o Estado.

No Grande ABC, quatro cidades terão programação especial para a data: Santo André, São Bernardo, São Caetano e Mauá. O encerramento do evento será na sede da Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência e contará com o Ballet Fernanda Bianchini, que reúne dançarinos com e sem deficiência visual que apresentarão, entre outros temas, a coreografia exibida na cerimônia de abertura das Paraolimpíadas de Londres.

A CAUSA

Para o representante da sociedade civil no Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Santo André, Ricardo Roberto Cecilio, qualquer evento que busque a divulgação de atividades e questões referentes aos direitos da pessoa com deficiência é importante para provocar discussões e quebrar o preconceito. "A iniciativa é válida porque o deficiente tem a característica de se excluir, às vezes até por estímulo da própria família. Eventos como esse mostram ao portador de necessidades especiais que ele pode conviver naquele meio. Para as outras pessoas, a lição é que a mistura tem de ser homogênea. Todos podem conviver. A deficiência está na mente de quem tem preconceito."

Segundo Cecilio, que é protético dentário, falta divulgação do trabalho realizado pelos Conselhos Municipais da Pessoa com Deficiência. Informações e reclamações sobre acessibilidade, empregabilidade e lei de cotas estão entre os principais assuntos levados por moradores até os órgãos. Quanto maior a divulgação dessas ações, maior será a procura. Assim como já existe em São Caetano, Cecilio acredita que Santo André poderá ter secretaria específica para cuidar dos assuntos referentes às pessoas com deficiência. "Para isso, todos precisam ter o mesmo ideal: sociedade civil, governantes e executivos. No trabalho feito no conselho procuramos levar o máximo de qualidade de vida às pessoas com necessidade especial."

O mercado de trabalho para deficientes é um dos que mais evoluíram nos últimos anos, segundo o integrante do conselho. "Algumas empresas ultrapassam a lei de cotas. O que antes era obrigação para empresários, hoje tornou-se algo espontâneo. Perceberam a boa vontade e o potencial intelectual dos deficientes."

Reeleito ontem para o cargo voluntário no conselho, em eleição que ocorreu na Câmara de Vereadores, Cecilio teve poliomielite aos 7 meses. Desde os 3 anos anda com aparelho ortopédico em uma das pernas e necessita de uma bengala para se apoiar.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Grande ABC sedia terceira
edição da Virada Inclusiva

Mais de 80 cidades no Estado terão atividades de Cultura,
lazer e Esportes em ruas, praças, parques, museus e teatros

Maíra Sanches
Do Diário do Grande ABC

01/12/2012 | 07:00


De hoje até segunda-feira acontece a 3ª edição da Virada Inclusiva, evento coordenado pelo governo estadual para celebrar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, comemorado no dia 3. Ao todo, mais de 80 cidades terão atividades de Cultura, lazer e Esportes em ruas, praças, parques, museus e teatros de todo o Estado.

No Grande ABC, quatro cidades terão programação especial para a data: Santo André, São Bernardo, São Caetano e Mauá. O encerramento do evento será na sede da Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência e contará com o Ballet Fernanda Bianchini, que reúne dançarinos com e sem deficiência visual que apresentarão, entre outros temas, a coreografia exibida na cerimônia de abertura das Paraolimpíadas de Londres.

A CAUSA

Para o representante da sociedade civil no Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Santo André, Ricardo Roberto Cecilio, qualquer evento que busque a divulgação de atividades e questões referentes aos direitos da pessoa com deficiência é importante para provocar discussões e quebrar o preconceito. "A iniciativa é válida porque o deficiente tem a característica de se excluir, às vezes até por estímulo da própria família. Eventos como esse mostram ao portador de necessidades especiais que ele pode conviver naquele meio. Para as outras pessoas, a lição é que a mistura tem de ser homogênea. Todos podem conviver. A deficiência está na mente de quem tem preconceito."

Segundo Cecilio, que é protético dentário, falta divulgação do trabalho realizado pelos Conselhos Municipais da Pessoa com Deficiência. Informações e reclamações sobre acessibilidade, empregabilidade e lei de cotas estão entre os principais assuntos levados por moradores até os órgãos. Quanto maior a divulgação dessas ações, maior será a procura. Assim como já existe em São Caetano, Cecilio acredita que Santo André poderá ter secretaria específica para cuidar dos assuntos referentes às pessoas com deficiência. "Para isso, todos precisam ter o mesmo ideal: sociedade civil, governantes e executivos. No trabalho feito no conselho procuramos levar o máximo de qualidade de vida às pessoas com necessidade especial."

O mercado de trabalho para deficientes é um dos que mais evoluíram nos últimos anos, segundo o integrante do conselho. "Algumas empresas ultrapassam a lei de cotas. O que antes era obrigação para empresários, hoje tornou-se algo espontâneo. Perceberam a boa vontade e o potencial intelectual dos deficientes."

Reeleito ontem para o cargo voluntário no conselho, em eleição que ocorreu na Câmara de Vereadores, Cecilio teve poliomielite aos 7 meses. Desde os 3 anos anda com aparelho ortopédico em uma das pernas e necessita de uma bengala para se apoiar.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;