Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Renault anuncia construçao da 3ª fábrica no PR


Do Diário do Grande ABC

22/01/2000 | 13:47


A Renault do Brasil vai lançar a pedra fundamental de sua terceira unidade produtiva no Paraná na primeira semana de fevereiro. Na quarta-feira, o governador Jaime Lerner assinará, em Paris, o protocolo de intençoes com o presidente mundial da companhia, Louis Schweitzer. A nova unidade, que produzirá os furgoes Master, vai ser construída em Sao José dos Pinhais, ao lado das instalaçoes da linha de montagem dos modelos Scénic e Clio a da recém-inaugurada fábrica de motores. O valor do investimento será anunciado na França.

O Master, já produzido pela montadora na Europa, tem capacidade para transportar até 17 passageiros. O mercado de furgoes no Brasil atualmente é dominado pelos importados Besta, da coreana Kia, e Sprinter, da alema Mercedes-Benz. Em julho ganhará o primeiro concorrente nacional, o Ducato, atualmente também importado pela Fiat.

A Fiat deve inaugurar sua fábrica conjunta com a Iveco na metade do ano, após vários meses de adiamento. A nova unidade em Sete Lagoas (MG) estava prevista para entrar em operaçao no segundo semestre do ano passado. Com a mudança cambial, que encareceu a importaçao de peças, a empresa decidiu aguardar mais um pouco.

Vendas - A Renault inaugurou sua primeira fábrica no Paraná em dezembro de 98 com a produçao do Scénic, modelo que vendeu 15.142 unidades no ano passado. Em novembro começou a produçao do Clio, com versoes de motor 1.0 e 1.6 que vendeu 2.916 unidades em dois meses. Em dezembro, foi a vez da inauguraçao da fábrica de motores. Somando os modelos trazidos do Mercosul e da França, a Renault vendeu no ano passado 32.540 veículos, 70% a mais que no ano anterior. O resultado representou 2,7% do mercado nacional de veículos e garantiu à montadora a quinta posiçao no ranking das empresas, ficando atrás das quatro grandes do país (Volkswagen, Fiat, GM e Ford).

Para este ano, a previsao é de vender entre 75 mil e 80 mil veículos, o que representará uma fatia de 5% do mercado. Até 2005, a empresa pretende elevar essa participaçao para 10% das vendas de automóveis no Brasil e 11% no Mercosul. Ao final deste período, segundo cálculos da montadora, o mercado no Brasil será de 2,2 milhoes de unidades por ano, enquanto o dos países do Mercosul vai alcançar 3 milhoes de veículos.

Atualmente a indústria automobilística brasileira opera com cerca de 50% de ociosidade. As fábricas já instaladas e as recentemente inauguradas têm capacidade para produzir perto de 2 8 milhoes de veículos, mas no ano passado só foram fabricados 1 34 milhao.

Investimentos - Os investimentos das montadoras no Paraná nos últimos dois anos totalizam R$ 2,46 bilhoes. Além da Renault, iniciaram a produçao no Estado nesse período a Chrysler e a Volkswagen/Audi. A Volvo, que está na Cidade Industrial de Curitiba desde a década de 70, também ampliou instalaçoes.

Segundo o governo do Paraná, essas empresas sao responsáveis pela criaçao de 5.550 empregos diretos.

No rastro das montadoras, quatro fábricas de motores foram instaladas em Curitiba e na Regiao Metropolitana - Detroit Tritec e as filiais da Renault e da Volvo. Elas aplicaram pouco mais de R$ 1 milhao em seus projetos, criando 1.645 postos de trabalho. A segunda unidade da Renault, a Mecânica Mercosul, foi inaugurada no início de dezembro para produzir motores de 1.0 e 1.6 cilindradas que equipam o Scénic e o novo Clio. Os motores também serao exportados para as fábricas do grupo na Argentina, Uruguai e Colômbia. A unidade tem capacidade para montar 280 mil motores por ano e gerou 400 empregos diretos.

Ainda na inauguraçao, a empresa francesa anunciou projeto de expansao, no valor de US$ 100 milhoes, para a fabricaçao de blocos, cabeçotes e virabrequins. A concretizaçao do projeto vai significar aumento de nacionalizaçao dos componentes dos motores, que atualmente chega a 47%. Com a expansao, a idéia é atingir 60% ainda neste ano e alcançar 80% no fim de 2001.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Renault anuncia construçao da 3ª fábrica no PR

Do Diário do Grande ABC

22/01/2000 | 13:47


A Renault do Brasil vai lançar a pedra fundamental de sua terceira unidade produtiva no Paraná na primeira semana de fevereiro. Na quarta-feira, o governador Jaime Lerner assinará, em Paris, o protocolo de intençoes com o presidente mundial da companhia, Louis Schweitzer. A nova unidade, que produzirá os furgoes Master, vai ser construída em Sao José dos Pinhais, ao lado das instalaçoes da linha de montagem dos modelos Scénic e Clio a da recém-inaugurada fábrica de motores. O valor do investimento será anunciado na França.

O Master, já produzido pela montadora na Europa, tem capacidade para transportar até 17 passageiros. O mercado de furgoes no Brasil atualmente é dominado pelos importados Besta, da coreana Kia, e Sprinter, da alema Mercedes-Benz. Em julho ganhará o primeiro concorrente nacional, o Ducato, atualmente também importado pela Fiat.

A Fiat deve inaugurar sua fábrica conjunta com a Iveco na metade do ano, após vários meses de adiamento. A nova unidade em Sete Lagoas (MG) estava prevista para entrar em operaçao no segundo semestre do ano passado. Com a mudança cambial, que encareceu a importaçao de peças, a empresa decidiu aguardar mais um pouco.

Vendas - A Renault inaugurou sua primeira fábrica no Paraná em dezembro de 98 com a produçao do Scénic, modelo que vendeu 15.142 unidades no ano passado. Em novembro começou a produçao do Clio, com versoes de motor 1.0 e 1.6 que vendeu 2.916 unidades em dois meses. Em dezembro, foi a vez da inauguraçao da fábrica de motores. Somando os modelos trazidos do Mercosul e da França, a Renault vendeu no ano passado 32.540 veículos, 70% a mais que no ano anterior. O resultado representou 2,7% do mercado nacional de veículos e garantiu à montadora a quinta posiçao no ranking das empresas, ficando atrás das quatro grandes do país (Volkswagen, Fiat, GM e Ford).

Para este ano, a previsao é de vender entre 75 mil e 80 mil veículos, o que representará uma fatia de 5% do mercado. Até 2005, a empresa pretende elevar essa participaçao para 10% das vendas de automóveis no Brasil e 11% no Mercosul. Ao final deste período, segundo cálculos da montadora, o mercado no Brasil será de 2,2 milhoes de unidades por ano, enquanto o dos países do Mercosul vai alcançar 3 milhoes de veículos.

Atualmente a indústria automobilística brasileira opera com cerca de 50% de ociosidade. As fábricas já instaladas e as recentemente inauguradas têm capacidade para produzir perto de 2 8 milhoes de veículos, mas no ano passado só foram fabricados 1 34 milhao.

Investimentos - Os investimentos das montadoras no Paraná nos últimos dois anos totalizam R$ 2,46 bilhoes. Além da Renault, iniciaram a produçao no Estado nesse período a Chrysler e a Volkswagen/Audi. A Volvo, que está na Cidade Industrial de Curitiba desde a década de 70, também ampliou instalaçoes.

Segundo o governo do Paraná, essas empresas sao responsáveis pela criaçao de 5.550 empregos diretos.

No rastro das montadoras, quatro fábricas de motores foram instaladas em Curitiba e na Regiao Metropolitana - Detroit Tritec e as filiais da Renault e da Volvo. Elas aplicaram pouco mais de R$ 1 milhao em seus projetos, criando 1.645 postos de trabalho. A segunda unidade da Renault, a Mecânica Mercosul, foi inaugurada no início de dezembro para produzir motores de 1.0 e 1.6 cilindradas que equipam o Scénic e o novo Clio. Os motores também serao exportados para as fábricas do grupo na Argentina, Uruguai e Colômbia. A unidade tem capacidade para montar 280 mil motores por ano e gerou 400 empregos diretos.

Ainda na inauguraçao, a empresa francesa anunciou projeto de expansao, no valor de US$ 100 milhoes, para a fabricaçao de blocos, cabeçotes e virabrequins. A concretizaçao do projeto vai significar aumento de nacionalizaçao dos componentes dos motores, que atualmente chega a 47%. Com a expansao, a idéia é atingir 60% ainda neste ano e alcançar 80% no fim de 2001.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;