Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Ex-presidente Figueiredo disse que militares se corrompem


Do Diário do Grande ABC

03/01/2000 | 09:28


O ex-presidente Joao Figueiredo nao poupou críticas e acusaçoes contra vários políticos do país na fita que foi divulgada pela revista Istoé e pela Rede Globo. Durante um churrasco, ele desabafou e atirou para todos os lados, inclusive para o militar, reconhecendo que há corrupçao no meio.

Joao Figueiredo era chefe do extinto SNI (Serviço Nacional de Informaçoes), no governo Geisel, quando explodiram as denúncias de tráfico de influência contra o entao embaixador do Brasil na França, Delfim Netto. Pelas acusaçoes, em um dos negócios Delfim teria se beneficiado de negociata de US$ 6 milhoes, depositados na Suíça. Nada foi provado.

``O coronel Saraiva mandou para a 2ªseçao do Estado-Maior do Exército um informe dizendo que o Delfim estaria em ligaçoes com o irmao (empresário) do primeiro-ministro Giscard D'Estaing. E que (Delfim) receberia 10% dos negócios. Mandei dois agentes a Paris para verificar o caso. Nao havia nenhuma prova. Cheguei para o presidente Geisel e disse: `O negócio aqui é consta, pode ser verdade ou mentira. E depois o Delfim nao é tao burro assim para se expor abertamente.' O Geisel entao disse: `Está bem.' Mas ficou no ar o tal do relatório Saraiva. Até que um dia cheguei para o Geisel e disse que nao existia relatório e sim informe. `O senhor quer que eu ponha a público esse informe?' E o Geisel disse que o informe era secreto e só ele podia tornar o documento público. Mas o Geisel me falou que o que estavam fazendo com o Delfim era uma barbaridade. Entao chamei o Saraiva e ele me disse que nao gostava do Delfim. `Mas o fato de você nao gostar nao quer dizer nada', respondi. `Você nao podia ter feito isso! Você é um adido militar e tinha que ter mandado informaçao e nao fofoca.' Aí ele (Saraiva) disse: `Mas eu arrebento com esse sujeito!'. Resultado: O Saraiva nao foi a general porque nao provou o que disse. E o Delfim esta aí.''

Bomba no RioCentro - 1981 - Nas comemoraçoes do Dia do Trabalho, o show marcado por partidos e sindicatos no Riocentro sofreu um atentado até hoje sem esclarecimentos nem puniçao. Dois militares - o capitao Wilson Machado e o sargento Guilherme do Rosário (morto no episódio) - estavam no Riocentro com duas bombas, para cometer atentado que poderia provocar um retrocesso no processo de abertura política. Acidentalmente, uma das bombas explodiu no Puma do militares, denunciando a trama.

``Nao foi provado nada até hoje. Eu estava na Granja do Torto num sábado de manha quando recebi telefonema do Heitor de Aquino comunicando o fato. Disse para ele: até que enfim os comunistas fizeram um bobagem, eu crente que os comunistas tinham posto a bomba no carro. Meia hora depois telefonaram. Nao era o Heitor: `Presidente, há indícios de que foi gente do nosso lado!' Aí chamei o Walter Pires (ex-ministro do Exército) e mandei abrir o inquérito. O primeiro general que chamamos nao quis ter a responsabilidade do inquérito. Se acovardou. Aí chamamos o coronel Job Lorena. Disse-lhe: o que você apurar traga para mim. Até hoje nao sei qual é a verdade. O fato é o seguinte: quem é que foi mais penalizado? O sargento morreu e o agora major está todo arrebentado. Houve plena liberdade para apurar os fatos e nao apuraram. Queriam que eu inventasse um réu para acusar, para botar na cadeia. Aí começaram a me acusar de ter acobertado. Nao acobertei. Qual o interesse que tinha em acobertar? O que queriam era mostrar que o general Medeiros e Newton Cruz (ex-chefe do extinto SNI) tinham mandado colocar a bomba no Riocentro.''

Diálogo com Geisel - Figueiredo conta do diálogo que teve com Geisel, quando se encontraram na missa dos 50 anos de casamento do general Emílio Garrastazu Médici.

``Ele sentou ao meu lado e disse:
- Figueiredo, tem que apurar o negócio do Riocentro!
- Nao tem nao! Primeiro que nao sou a Justiça. Eu sou Executivo. Quem vai apurar é a Justiça!
- Mas tem que punir!
- Quem vai punir é a Justiça também. Eu nao tenho nada a fazer que nao seja dar força à Justiça para ter a liberdade de apurar e punir os responsáveis. - Mas tem que haver um responsável!
- Mas eu nao vou inventar um responsável como o senhor fez com o general D'Avila Mello!

D'Avila Mello estava comandando o II Exército em Sao Paulo, mataram ou morreu um camarada (jornalista Wladimir Herzog, morto em outubro de 1975), sei lá, nas dependências do Dops e demitiram o general. Achei uma barbaridade. Porque duvido que o D'Avila Mello estivesse metido naquela história. E eu disse (para o Geisel): `Essa injustiça nao vou fazer. Nao vou procurar um inocente para acusar. Ou provo que o sujeito é culpado e puno, ou entao nao é'.''



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ex-presidente Figueiredo disse que militares se corrompem

Do Diário do Grande ABC

03/01/2000 | 09:28


O ex-presidente Joao Figueiredo nao poupou críticas e acusaçoes contra vários políticos do país na fita que foi divulgada pela revista Istoé e pela Rede Globo. Durante um churrasco, ele desabafou e atirou para todos os lados, inclusive para o militar, reconhecendo que há corrupçao no meio.

Joao Figueiredo era chefe do extinto SNI (Serviço Nacional de Informaçoes), no governo Geisel, quando explodiram as denúncias de tráfico de influência contra o entao embaixador do Brasil na França, Delfim Netto. Pelas acusaçoes, em um dos negócios Delfim teria se beneficiado de negociata de US$ 6 milhoes, depositados na Suíça. Nada foi provado.

``O coronel Saraiva mandou para a 2ªseçao do Estado-Maior do Exército um informe dizendo que o Delfim estaria em ligaçoes com o irmao (empresário) do primeiro-ministro Giscard D'Estaing. E que (Delfim) receberia 10% dos negócios. Mandei dois agentes a Paris para verificar o caso. Nao havia nenhuma prova. Cheguei para o presidente Geisel e disse: `O negócio aqui é consta, pode ser verdade ou mentira. E depois o Delfim nao é tao burro assim para se expor abertamente.' O Geisel entao disse: `Está bem.' Mas ficou no ar o tal do relatório Saraiva. Até que um dia cheguei para o Geisel e disse que nao existia relatório e sim informe. `O senhor quer que eu ponha a público esse informe?' E o Geisel disse que o informe era secreto e só ele podia tornar o documento público. Mas o Geisel me falou que o que estavam fazendo com o Delfim era uma barbaridade. Entao chamei o Saraiva e ele me disse que nao gostava do Delfim. `Mas o fato de você nao gostar nao quer dizer nada', respondi. `Você nao podia ter feito isso! Você é um adido militar e tinha que ter mandado informaçao e nao fofoca.' Aí ele (Saraiva) disse: `Mas eu arrebento com esse sujeito!'. Resultado: O Saraiva nao foi a general porque nao provou o que disse. E o Delfim esta aí.''

Bomba no RioCentro - 1981 - Nas comemoraçoes do Dia do Trabalho, o show marcado por partidos e sindicatos no Riocentro sofreu um atentado até hoje sem esclarecimentos nem puniçao. Dois militares - o capitao Wilson Machado e o sargento Guilherme do Rosário (morto no episódio) - estavam no Riocentro com duas bombas, para cometer atentado que poderia provocar um retrocesso no processo de abertura política. Acidentalmente, uma das bombas explodiu no Puma do militares, denunciando a trama.

``Nao foi provado nada até hoje. Eu estava na Granja do Torto num sábado de manha quando recebi telefonema do Heitor de Aquino comunicando o fato. Disse para ele: até que enfim os comunistas fizeram um bobagem, eu crente que os comunistas tinham posto a bomba no carro. Meia hora depois telefonaram. Nao era o Heitor: `Presidente, há indícios de que foi gente do nosso lado!' Aí chamei o Walter Pires (ex-ministro do Exército) e mandei abrir o inquérito. O primeiro general que chamamos nao quis ter a responsabilidade do inquérito. Se acovardou. Aí chamamos o coronel Job Lorena. Disse-lhe: o que você apurar traga para mim. Até hoje nao sei qual é a verdade. O fato é o seguinte: quem é que foi mais penalizado? O sargento morreu e o agora major está todo arrebentado. Houve plena liberdade para apurar os fatos e nao apuraram. Queriam que eu inventasse um réu para acusar, para botar na cadeia. Aí começaram a me acusar de ter acobertado. Nao acobertei. Qual o interesse que tinha em acobertar? O que queriam era mostrar que o general Medeiros e Newton Cruz (ex-chefe do extinto SNI) tinham mandado colocar a bomba no Riocentro.''

Diálogo com Geisel - Figueiredo conta do diálogo que teve com Geisel, quando se encontraram na missa dos 50 anos de casamento do general Emílio Garrastazu Médici.

``Ele sentou ao meu lado e disse:
- Figueiredo, tem que apurar o negócio do Riocentro!
- Nao tem nao! Primeiro que nao sou a Justiça. Eu sou Executivo. Quem vai apurar é a Justiça!
- Mas tem que punir!
- Quem vai punir é a Justiça também. Eu nao tenho nada a fazer que nao seja dar força à Justiça para ter a liberdade de apurar e punir os responsáveis. - Mas tem que haver um responsável!
- Mas eu nao vou inventar um responsável como o senhor fez com o general D'Avila Mello!

D'Avila Mello estava comandando o II Exército em Sao Paulo, mataram ou morreu um camarada (jornalista Wladimir Herzog, morto em outubro de 1975), sei lá, nas dependências do Dops e demitiram o general. Achei uma barbaridade. Porque duvido que o D'Avila Mello estivesse metido naquela história. E eu disse (para o Geisel): `Essa injustiça nao vou fazer. Nao vou procurar um inocente para acusar. Ou provo que o sujeito é culpado e puno, ou entao nao é'.''

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;