Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

China promete cortar impostos e aumentar gastos para estimular a economia



15/01/2019 | 03:31


Autoridades econômicas da China informaram, nesta terça-feira, 15, que vão reduzir impostos, intensificar gastos em infraestrutura e melhorar condições de crédito para pequenas empresas com o objetivo de ajudar a combater a maior desaceleração econômica do país desde a crise financeira de 2008. Economistas creem que Pequim vai estabelecer uma meta de crescimento de 6% a 6,50% para este ano.

As autoridades afirmaram que a China manterá uma política monetária estável, mas flexível. Zhu Hexin, um vice-presidente do Banco da China, disse que instituição crê que poderá manter o valor do yuan estável.

No ano passado, a China expandiu a disponibilidade de crédito em um esforço para conter a desaceleração econômica, com um montante de novos empréstimos em moeda local que chegou a 16,17 trilhões de yuans (US$ 2,39 trilhões), segundo Zhu. Isso significa um aumento na comparação anual de quase 20%.

"Em seguida, vamos resolver o problema dos bancos comerciais, que não relutarão em emprestar para as pequenas empresas", afirmou o vice-presidente do Banco da China.

Zhu argumentou que as recentes medidas de afrouxamento monetário, incluindo reduções nas taxas de reservas compulsórias do bancos, estimularão empréstimos para o setor privado.

Questionado sobre quando a instituição vai cortar taxas de juros para estimular o crescimento econômico, Zhu respondeu que as políticas atuais já estão contribuindo para a estabilizar a atividade econômica.

Em relação ao investimento em infraestrutura, Lian Weiliang, vice-chefe da principal agência de planejamento econômico da China, disse que as autoridades estão estudando a aceleração de grandes projetos no orçamento do governo central no primeiro trimestre do ano.

O ministro assistente da Fazenda, Xu Hongcai, disse que a pasta vai pedir aos governos locais que acelerem a emissão de títulos para facilitar a construção de projetos públicos.

Lian ponderou, no entanto, que o governo não recorrerá a fortes estímulos. Os esforços do governo para aumentar o investimento em ferrovias e outros projetos públicos reacenderam preocupações sobre o aumento dos níveis de endividamento da economia. As autoridades disseram repetidamente que não voltariam aos métodos anteriores de estimular o crescimento acumulando dívidas.

Para estabilizar o emprego e estimular o consumo, Xu ainda prometeu reduzir a carga tributária de pequenas empresas e famílias.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

China promete cortar impostos e aumentar gastos para estimular a economia


15/01/2019 | 03:31


Autoridades econômicas da China informaram, nesta terça-feira, 15, que vão reduzir impostos, intensificar gastos em infraestrutura e melhorar condições de crédito para pequenas empresas com o objetivo de ajudar a combater a maior desaceleração econômica do país desde a crise financeira de 2008. Economistas creem que Pequim vai estabelecer uma meta de crescimento de 6% a 6,50% para este ano.

As autoridades afirmaram que a China manterá uma política monetária estável, mas flexível. Zhu Hexin, um vice-presidente do Banco da China, disse que instituição crê que poderá manter o valor do yuan estável.

No ano passado, a China expandiu a disponibilidade de crédito em um esforço para conter a desaceleração econômica, com um montante de novos empréstimos em moeda local que chegou a 16,17 trilhões de yuans (US$ 2,39 trilhões), segundo Zhu. Isso significa um aumento na comparação anual de quase 20%.

"Em seguida, vamos resolver o problema dos bancos comerciais, que não relutarão em emprestar para as pequenas empresas", afirmou o vice-presidente do Banco da China.

Zhu argumentou que as recentes medidas de afrouxamento monetário, incluindo reduções nas taxas de reservas compulsórias do bancos, estimularão empréstimos para o setor privado.

Questionado sobre quando a instituição vai cortar taxas de juros para estimular o crescimento econômico, Zhu respondeu que as políticas atuais já estão contribuindo para a estabilizar a atividade econômica.

Em relação ao investimento em infraestrutura, Lian Weiliang, vice-chefe da principal agência de planejamento econômico da China, disse que as autoridades estão estudando a aceleração de grandes projetos no orçamento do governo central no primeiro trimestre do ano.

O ministro assistente da Fazenda, Xu Hongcai, disse que a pasta vai pedir aos governos locais que acelerem a emissão de títulos para facilitar a construção de projetos públicos.

Lian ponderou, no entanto, que o governo não recorrerá a fortes estímulos. Os esforços do governo para aumentar o investimento em ferrovias e outros projetos públicos reacenderam preocupações sobre o aumento dos níveis de endividamento da economia. As autoridades disseram repetidamente que não voltariam aos métodos anteriores de estimular o crescimento acumulando dívidas.

Para estabilizar o emprego e estimular o consumo, Xu ainda prometeu reduzir a carga tributária de pequenas empresas e famílias.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;