Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 13 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Escambo aquece o comércio de veículos usados


Do Diário do Grande ABC

22/01/2000 | 13:24


Enquanto as vendas de veículos novos despencam em parte por causa do alto juro do financiamento o mercado de carros velhos sobrevive do escambo na periferia de Sao Paulo. Na quinta-feira, uma banca de pastel, avaliada em R$ 300,00, serviu como entrada para um Gol 81, vendido por R$ 2,8 mil na Fênix World Car, no bairro de Itaim Paulista, Zona Leste.

O proprietário da loja, Fernando Albacete Amorim, diz que "aceita qualquer negócio". Aparelhos eletroeletrônicos, computadores, instrumentos musicais e até um cachorro Dobermann já entraram como pagamento de automóveis, a maioria fabricada antes de 1986. Ele afirma que só exige nota fiscal ou certificado de procedência do produto, que pode ter até dois anos de uso.

Alguns dos equipamentos sao usados no próprio escritório da loja ou entao revendidos. Em dezembro Amorim bateu recorde, com a venda de 30 veículos. Neste mês ele já vendeu 13. Entre as ofertas da loja estao um Landau 81, que teve apenas dois donos e um Del Rey 83, por R$ 800,00 de entrada e 24 parcelas de R$ 99 00.

No bairro de Sao Miguel Paulista, a Fênix Leste Car oferece financiamento próprio em até dois anos. "Preparo as promissórias e o cliente assina", diz o proprietário Luis Carlos Albacete, que também aceita aparelhos de som, telefone celular e outros produtos na troca pelos modelos ano 80 a 86 disponíveis na loja.

Albacete vende em média oito automóveis por mês e só financia para quem tem nome limpo na praça, com juros de 4% ao mês. Recentemente, dois cheques de R$ 225,00 pagos por um serralheiro voltaram sem fundos. Diante da impossibilidade de saldar a dívida, o cliente aceitou construir um portao na casa de Albacete. Ele e Fernando sao irmaos e iniciaram o negócio há seis anos. Atualmente cada um tem sua loja, casa própria e carro novo. Na Leste Car o modelo mais barato à venda na semana passada era um Fiat 147 ano 86, oferecido por R$ 1 mil.

Desvalorizaçao - De acordo com a Associaçao dos Revendedores de Veículos Usados no Estado de Sao Paulo (Assovesp), os modelos fabricados até 90 tiveram desvalorizaçao de 3,52% no ano passado. Para os carros ano 91 a 95 a queda foi de 2,48% e para os seminovos (de 96 a 99), de 1,34%. Já os comerciantes que nao trabalham com escambo reclamam da queda nos negócios. "O mercado está parado desde novembro", diz Marcelo Santana Sacramento, sócio da loja Detroit. "Vendo mais coco verde que automóvel", afirma ele, que iniciou o novo negócio recentemente. Ele trabalha com carros velhos há oito anos e afirma ser este o pior momento do setor.

Sacramento tem um Fusca 76 por R$ 1 mil, mas, se pechinchar, o cliente leva por R$ 800,00. "Aceito até R$ 500,00 de entrada e R$ 300,00 para 30 dias", afirma, acrescentando que o carro está com a lataria "cheia de remendos, mas é bom". Um Chevette 80 sai por R$ 1,2 mil e um Opala 89 por R$ 4 mil.

Frota - Na avaliaçao dos lojistas, o projeto em discussao entre governo, montadoras e sindicatos para a renovaçao da frota nao deve prejudicar as vendas. "Sempre tem alguém que nao pode comprar um carro mais novo e vai querer o velhinho mesmo", diz Albacete.

A proposta prevê o pagamento de um bônus de R$ 1,8 mil para quem entregar para o sucateamento um carro com mais de 10 ou 15 anos. Já o início da inspeçao veicular, prevista para 2001 pode atrapalhar os negócios. A intençao do governo é retirar de circulaçao carros que nao forem aprovados em testes de emissao de poluentes e segurança.

Na opiniao de Amorim, o governo tem de ser responsável. "Comprei carros velhos e paguei; alguém tem de se responsabilizar por isso", diz. Segundo a Associaçao Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), dos cerca de 20 milhoes de veículos em circulaçao no país, pelo menos 9,5 milhoes foram fabricados há mais de 10 anos. Essa frota antiga, segundo a entidade, é responsável por 60% dos acidentes com vítimas fatais e por 80% da emissao de poluentes.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Escambo aquece o comércio de veículos usados

Do Diário do Grande ABC

22/01/2000 | 13:24


Enquanto as vendas de veículos novos despencam em parte por causa do alto juro do financiamento o mercado de carros velhos sobrevive do escambo na periferia de Sao Paulo. Na quinta-feira, uma banca de pastel, avaliada em R$ 300,00, serviu como entrada para um Gol 81, vendido por R$ 2,8 mil na Fênix World Car, no bairro de Itaim Paulista, Zona Leste.

O proprietário da loja, Fernando Albacete Amorim, diz que "aceita qualquer negócio". Aparelhos eletroeletrônicos, computadores, instrumentos musicais e até um cachorro Dobermann já entraram como pagamento de automóveis, a maioria fabricada antes de 1986. Ele afirma que só exige nota fiscal ou certificado de procedência do produto, que pode ter até dois anos de uso.

Alguns dos equipamentos sao usados no próprio escritório da loja ou entao revendidos. Em dezembro Amorim bateu recorde, com a venda de 30 veículos. Neste mês ele já vendeu 13. Entre as ofertas da loja estao um Landau 81, que teve apenas dois donos e um Del Rey 83, por R$ 800,00 de entrada e 24 parcelas de R$ 99 00.

No bairro de Sao Miguel Paulista, a Fênix Leste Car oferece financiamento próprio em até dois anos. "Preparo as promissórias e o cliente assina", diz o proprietário Luis Carlos Albacete, que também aceita aparelhos de som, telefone celular e outros produtos na troca pelos modelos ano 80 a 86 disponíveis na loja.

Albacete vende em média oito automóveis por mês e só financia para quem tem nome limpo na praça, com juros de 4% ao mês. Recentemente, dois cheques de R$ 225,00 pagos por um serralheiro voltaram sem fundos. Diante da impossibilidade de saldar a dívida, o cliente aceitou construir um portao na casa de Albacete. Ele e Fernando sao irmaos e iniciaram o negócio há seis anos. Atualmente cada um tem sua loja, casa própria e carro novo. Na Leste Car o modelo mais barato à venda na semana passada era um Fiat 147 ano 86, oferecido por R$ 1 mil.

Desvalorizaçao - De acordo com a Associaçao dos Revendedores de Veículos Usados no Estado de Sao Paulo (Assovesp), os modelos fabricados até 90 tiveram desvalorizaçao de 3,52% no ano passado. Para os carros ano 91 a 95 a queda foi de 2,48% e para os seminovos (de 96 a 99), de 1,34%. Já os comerciantes que nao trabalham com escambo reclamam da queda nos negócios. "O mercado está parado desde novembro", diz Marcelo Santana Sacramento, sócio da loja Detroit. "Vendo mais coco verde que automóvel", afirma ele, que iniciou o novo negócio recentemente. Ele trabalha com carros velhos há oito anos e afirma ser este o pior momento do setor.

Sacramento tem um Fusca 76 por R$ 1 mil, mas, se pechinchar, o cliente leva por R$ 800,00. "Aceito até R$ 500,00 de entrada e R$ 300,00 para 30 dias", afirma, acrescentando que o carro está com a lataria "cheia de remendos, mas é bom". Um Chevette 80 sai por R$ 1,2 mil e um Opala 89 por R$ 4 mil.

Frota - Na avaliaçao dos lojistas, o projeto em discussao entre governo, montadoras e sindicatos para a renovaçao da frota nao deve prejudicar as vendas. "Sempre tem alguém que nao pode comprar um carro mais novo e vai querer o velhinho mesmo", diz Albacete.

A proposta prevê o pagamento de um bônus de R$ 1,8 mil para quem entregar para o sucateamento um carro com mais de 10 ou 15 anos. Já o início da inspeçao veicular, prevista para 2001 pode atrapalhar os negócios. A intençao do governo é retirar de circulaçao carros que nao forem aprovados em testes de emissao de poluentes e segurança.

Na opiniao de Amorim, o governo tem de ser responsável. "Comprei carros velhos e paguei; alguém tem de se responsabilizar por isso", diz. Segundo a Associaçao Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), dos cerca de 20 milhoes de veículos em circulaçao no país, pelo menos 9,5 milhoes foram fabricados há mais de 10 anos. Essa frota antiga, segundo a entidade, é responsável por 60% dos acidentes com vítimas fatais e por 80% da emissao de poluentes.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;