Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Montadoras possuem 1.905 trabalhadores em lay-off


Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

22/01/2017 | 07:00


As montadoras do Grande ABC iniciaram 2017 com 1.905 trabalhadores em lay-off (suspensão do contrato de trabalho). O montante representa 6% do total de funcionários da Volks, Mercedes-Benz, General Motors e Ford, de 31.163 profissionais.

A maior parte desses operários é da GM, em São Caetano, e são eles que estão em casa por mais tempo. Cerca de 780 estão em lay-off desde novembro de 2014. A montadora norte-americana optou por não fazer rodízio do grupo de profissionais. A suspensão termina em 9 de fevereiro.

O vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, Francisco Nunes, afirma que a GM ainda não decidiu o que vai fazer com os trabalhadores quando o período de lay-off acabar. “Estamos preocupados, tem gente que não trabalha desde novembro de 2014, a empresa não sinalizou nenhuma intenção. Vamos nos reunir em breve”. Procurada, a GM disse que não comenta essas informações.

Na planta de São Caetano são produzidos Ônix Joy, Cobalt, Spin, Montana e Cruze Sedã e Hatch. Ao longo de 2016, a GM demitiu pelo menos 160 operários que estavam em lay-off e não tiveram seus contratos renovados. Além disso, abriu PDV (Programa de Demissão Voluntária) e recrutou 30 pessoas. Hoje conta com 9.000 funcionários.

A segunda companhia que mais possui funcionários suspensos é a Ford, com 710 trabalhadores. Do total, 450 estão afastados desde outubro e 260 desde janeiro do ano passado. Ocorre que a montadora norte-americana possui 4.000 empregados em São Bernardo, e 18% deles estão em casa. Em 2016, foi aberto PDV, e 254 aderiram, porém, como alguns aguardam aposentadoria, nem todos se desligaram.

“A Ford é a que mais preocupa. Ela passa por crise na planta de automóveis. Tanto que implementou modelo em que dois dias são para produzir caminhões e um para carros”, assinala Rafael Marques, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. “O problema é que é produzido apenas um modelo aqui, o New Fiesta, e o preço dele é muito elevado. Nossa briga é para diminuir o valor e trazer lançamento para cá o New Fiesta Sedan.”

Enquanto isso, em Camaçari (Bahia) o terceiro turno foi retomado devido às vendas crescentes do Ka. Tanto que surgiram rumores de que a planta da região poderia fechar, o que foi negado pela Ford e pelo sindicato. “Isso não procede. A produção de caminhões está em recuperação e retomou o terceiro lugar”, justifica Marques.(Colaborou Gabriel Russini



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Montadoras possuem 1.905 trabalhadores em lay-off

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

22/01/2017 | 07:00


As montadoras do Grande ABC iniciaram 2017 com 1.905 trabalhadores em lay-off (suspensão do contrato de trabalho). O montante representa 6% do total de funcionários da Volks, Mercedes-Benz, General Motors e Ford, de 31.163 profissionais.

A maior parte desses operários é da GM, em São Caetano, e são eles que estão em casa por mais tempo. Cerca de 780 estão em lay-off desde novembro de 2014. A montadora norte-americana optou por não fazer rodízio do grupo de profissionais. A suspensão termina em 9 de fevereiro.

O vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, Francisco Nunes, afirma que a GM ainda não decidiu o que vai fazer com os trabalhadores quando o período de lay-off acabar. “Estamos preocupados, tem gente que não trabalha desde novembro de 2014, a empresa não sinalizou nenhuma intenção. Vamos nos reunir em breve”. Procurada, a GM disse que não comenta essas informações.

Na planta de São Caetano são produzidos Ônix Joy, Cobalt, Spin, Montana e Cruze Sedã e Hatch. Ao longo de 2016, a GM demitiu pelo menos 160 operários que estavam em lay-off e não tiveram seus contratos renovados. Além disso, abriu PDV (Programa de Demissão Voluntária) e recrutou 30 pessoas. Hoje conta com 9.000 funcionários.

A segunda companhia que mais possui funcionários suspensos é a Ford, com 710 trabalhadores. Do total, 450 estão afastados desde outubro e 260 desde janeiro do ano passado. Ocorre que a montadora norte-americana possui 4.000 empregados em São Bernardo, e 18% deles estão em casa. Em 2016, foi aberto PDV, e 254 aderiram, porém, como alguns aguardam aposentadoria, nem todos se desligaram.

“A Ford é a que mais preocupa. Ela passa por crise na planta de automóveis. Tanto que implementou modelo em que dois dias são para produzir caminhões e um para carros”, assinala Rafael Marques, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. “O problema é que é produzido apenas um modelo aqui, o New Fiesta, e o preço dele é muito elevado. Nossa briga é para diminuir o valor e trazer lançamento para cá o New Fiesta Sedan.”

Enquanto isso, em Camaçari (Bahia) o terceiro turno foi retomado devido às vendas crescentes do Ka. Tanto que surgiram rumores de que a planta da região poderia fechar, o que foi negado pela Ford e pelo sindicato. “Isso não procede. A produção de caminhões está em recuperação e retomou o terceiro lugar”, justifica Marques.(Colaborou Gabriel Russini

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;