Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

1ª testemunha da CPI do Narcotráfico está foragida


Do Diário do Grande ABC

22/01/2000 | 13:03


Uma das primeiras testemunhas da CPI do Narcotráfico em Campinas, o caminhoneiro Adilson Frederico Dias Luz está foragido. Seu depoimento, revelando como atuava uma quadrilha de roubo de cargas na cidade, resultou na prisao, em novembro passado, do advogado Arthur Eugênio Mathias, apontado pela comissao como o braço jurídico de uma organizaçao de traficantes e ladroes de carga no município paulista. Mathias era advogado de Adilson antes de ser denunciado.

O caminhoneiro chegou à CPI por intermédio da promotoria de Igarapava (SP), cidade onde estava preso desde maio, sob a acusaçao de integrar a quadrilha. Em troca das informaçoes, Adilson foi solto. Semanas depois, voltou atrás no que havia dito à Justiça e à CPI e denunciou manobra envolvendo delegado, promotores e deputados para que inventasse casos que pudessem incriminar Mathias.

Adilson contou que foi preso num bar em Aramina (SP), quando estava a caminho de Goiás, em busca de trabalho. Procurado pelo delegado da cidade, Wilson dos Santos Pio, na Cadeia Pública de Igarapava, onde estava preso, foi levado para o Fórum. Lá, de acordo com o caminhoneiro uma reuniao com o promotor de Igarapava, Rogério Sanches, selou o acordo pelo qual acusaria Mathias.

"Adilson, eu nao tenho nada com você, nao quero você, você nao me interessa; é com o dr. Arthur, ele é seu advogado. A gente tem muito indício de que ele tem culpa", teria afirmado Sanches. O caminhoneiro diz que aceitou participar da farsa para ser libertado. Sanches e Pio teriam proposto a Adilson que "fantasiasse" uma história. "Eles queriam envolver o dr. Arthur com o crime organizado até do Maranhao", disse. Adilson conta que, para persuadí-lo, disseram que o advogado era alvo de mais de 400 denúncias, entre elas assassinatos. Para conseguir sua liberdade, concordou.

O caminhoneiro contou que, na semana seguinte, já solto, teve um contato com a CPI, por meio do promotor Sanches. Os deputados Celso Russomano (PPB-SP) e Robson Tuma (PFL-SP) teriam proposto que ele depusesse à comissao e, em troca, ganharia proteçao. Já de posse de uma passagem aérea para Brasília, onde tinha promessa de emprego, Adilson decidiu mudar sua história, convencido, segundo ele, por um primo, que o alertara das conseqüências de prosseguir com a mentira. "Eu já estava desgastado, confuso, eu nao agüentava mais essa coisa".

O caminhoneiro registrou um termo de retrataçao no 17.º Tabeliao de Notas de Sao Paulo, no qual denunciou os promotores, o delegado e a CPI. Faria o mesmo perante a Justiça de Igarapava mas a revogaçao de sua prisao quatro dias antes da audiência, levou-o a desistir e a assumir a condiçao de foragido.

Acusaçoes - O promotor de Igarapava nega todas as acusaçoes. Sanches sustenta que Adilson foi preso em flagrante, com carga roubada, e que nao o procurou. Afirmou que soube, por meio do delegado Pio, que o caminhoneiro queria falar com ele porque tinha medo de morrer. Teria, entao, sugerido ao delegado que levasse o preso até o fórum. Lá, Adilson teria denunciado a quadrilha espontaneamente e contado detalhes da participaçao do advogado.

Na opiniao de Sanches, Adilson recuou porque foi ameaçado pela quadrilha. "Tanto é que foi aberto um inquérito policial em Campinas para apurar crime de coaçao", informa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

1ª testemunha da CPI do Narcotráfico está foragida

Do Diário do Grande ABC

22/01/2000 | 13:03


Uma das primeiras testemunhas da CPI do Narcotráfico em Campinas, o caminhoneiro Adilson Frederico Dias Luz está foragido. Seu depoimento, revelando como atuava uma quadrilha de roubo de cargas na cidade, resultou na prisao, em novembro passado, do advogado Arthur Eugênio Mathias, apontado pela comissao como o braço jurídico de uma organizaçao de traficantes e ladroes de carga no município paulista. Mathias era advogado de Adilson antes de ser denunciado.

O caminhoneiro chegou à CPI por intermédio da promotoria de Igarapava (SP), cidade onde estava preso desde maio, sob a acusaçao de integrar a quadrilha. Em troca das informaçoes, Adilson foi solto. Semanas depois, voltou atrás no que havia dito à Justiça e à CPI e denunciou manobra envolvendo delegado, promotores e deputados para que inventasse casos que pudessem incriminar Mathias.

Adilson contou que foi preso num bar em Aramina (SP), quando estava a caminho de Goiás, em busca de trabalho. Procurado pelo delegado da cidade, Wilson dos Santos Pio, na Cadeia Pública de Igarapava, onde estava preso, foi levado para o Fórum. Lá, de acordo com o caminhoneiro uma reuniao com o promotor de Igarapava, Rogério Sanches, selou o acordo pelo qual acusaria Mathias.

"Adilson, eu nao tenho nada com você, nao quero você, você nao me interessa; é com o dr. Arthur, ele é seu advogado. A gente tem muito indício de que ele tem culpa", teria afirmado Sanches. O caminhoneiro diz que aceitou participar da farsa para ser libertado. Sanches e Pio teriam proposto a Adilson que "fantasiasse" uma história. "Eles queriam envolver o dr. Arthur com o crime organizado até do Maranhao", disse. Adilson conta que, para persuadí-lo, disseram que o advogado era alvo de mais de 400 denúncias, entre elas assassinatos. Para conseguir sua liberdade, concordou.

O caminhoneiro contou que, na semana seguinte, já solto, teve um contato com a CPI, por meio do promotor Sanches. Os deputados Celso Russomano (PPB-SP) e Robson Tuma (PFL-SP) teriam proposto que ele depusesse à comissao e, em troca, ganharia proteçao. Já de posse de uma passagem aérea para Brasília, onde tinha promessa de emprego, Adilson decidiu mudar sua história, convencido, segundo ele, por um primo, que o alertara das conseqüências de prosseguir com a mentira. "Eu já estava desgastado, confuso, eu nao agüentava mais essa coisa".

O caminhoneiro registrou um termo de retrataçao no 17.º Tabeliao de Notas de Sao Paulo, no qual denunciou os promotores, o delegado e a CPI. Faria o mesmo perante a Justiça de Igarapava mas a revogaçao de sua prisao quatro dias antes da audiência, levou-o a desistir e a assumir a condiçao de foragido.

Acusaçoes - O promotor de Igarapava nega todas as acusaçoes. Sanches sustenta que Adilson foi preso em flagrante, com carga roubada, e que nao o procurou. Afirmou que soube, por meio do delegado Pio, que o caminhoneiro queria falar com ele porque tinha medo de morrer. Teria, entao, sugerido ao delegado que levasse o preso até o fórum. Lá, Adilson teria denunciado a quadrilha espontaneamente e contado detalhes da participaçao do advogado.

Na opiniao de Sanches, Adilson recuou porque foi ameaçado pela quadrilha. "Tanto é que foi aberto um inquérito policial em Campinas para apurar crime de coaçao", informa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;