Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Lenda Iorubá embala Carnaval da União da Vila


Andrea Catão
Do Diário do Grande ABC

17/02/2006 | 07:50


O negro e o samba se confundem. É como se um fosse extensão do outro. E não é por acaso que a União da Vila, escola do grupo 1 de Mauá, vai mostrar na passarela do samba no domingo de Carnaval tema que remete aos rituais africanos. Sem medo de ser redundante, a agremiação conta no enredo Olorum, o Criador a lenda Iorubá da criação do mundo. Os orixás mais populares estarão representados nas fantasias e alegorias. E a bateria, devidamente coberta como Xangô, fará ecoar os tambores como os de seus irmãos africanos.

Pela lenda Iorubá, Olorum teria dado ao seu filho, Oxalá, a missão de criar o mundo. No entanto, ele teria de pedir permissão a Exu, dono de todos os caminhos, para fazer o que o pai desejava. Ao não ter feito oferenda a Exu, Oxalá foi castigado. Partindo dessa premissa, a escola desenvolve o enredo. “O candomblé tem mais de 400 orixás, mas vamos ter representados na avenida os mais populares, como Xangô, Oxalá, Exu, Odudua e Ogum”, disse o carnavalesco da União da Vila, Edson Porfírio.

Temas que retratam a cultura negra, seja a escravidão pela qual o povo africano e seus descendentes sofreu no Brasil ou suas crenças, é recorrente no Carnaval. No entanto, algumas escolas sempre procuram ressaltar essa herança em quase todos os carnavais. É o caso da carioca Vila Isabel. Em 1988, conquistou o título no grupo especial com Kizomba, Festa da Raça, considerado um dos sambas mais bonitos do último século. Um ano antes, havia ficado em quinto lugar com o tema Raízes. Em 2005, ao retornar ao grupo especial depois de ter permanecido por quatro anos no grupo de acesso, a escola lembrou da escravidão desembarcada pelos navios negreiros em um samba que falava sobre as grandes navegações.

Porém, a presidente da mauaense União da Vila, Maria José do Nascimento, diz que se identifica mais com a comunidade mangueirense, que também retrata com freqüência o negro em seu Carnaval. Prova da afinidade são as cores da escola do Jardim Bom Recanto. O pavilhão tem o verde, o rosa e o preto. A última cor é para diferenciar da escola vizinha e da qual já fez parte: a Acadêmicos do São João, que tem as cores verde, rosa e branco.

Efeito – Por ser a última escola a entrar na avenida no domingo de Carnaval, a União da Vila confecciona as fantasias já pensando no efeito que terá se tiver de desfilar com o dia claro. “Atrasos poderão ocorrer. Se tivermos de desfilar durante o dia, nossas fantasias não perderão o efeito”, disse o carnavalesco Edson Porfírio.

Além das adaptações para um eventual desfile matutino, a escola também faz fantasias com material resistente à chuva. As plumas, que na chuva não causam o efeito desejado, só vão estar presentes em alguns destaques e na fantasia do primeiro casal e da rainha da bateria. Para as alas, têm sido produzidas plumas e penas impermeáveis. O material é uma criação do carnavalesco. Em tecido colado em um arame, são feitos vários cortes – como numa franja –, que só ao olhar de perto percebe-se que não se trata de pena verdadeira. “É mais barato e não vai murchar com a chuva”, garante Porfírio.

União da Vila

Fundação: 27 de setembro de 1992
Títulos no grupo 1: nenhum
Cores: verde, rosa e preto
Quadra: rua São João, Jardim Bom Recanto
Ensaios: terça, quinta e
domingo, a partir das 19h
Tema-enredo 2006: Olorum o criador
Presidente: Maria José do
Nascimento
Carnavalesco: Edson Porfírio
Total de alas: 8
Carros alegóricos: 3
Componentes: 400

Samba-enredo 2006
Compositores: Ailton Peroba, Mestre Paulinho, Lango,
Sergião, Xandão, Leandro, Gessian e Léo do Cavaco
Intérpretes: Ailton Peroba, Lango e Sergião

Refrão
Alô galera pode aplaudir
A verde e rosa vai sacudir
Com alegria vai sambar e contar
A criação do universo e os orixás
 
O negro curzando mar aqui chegou
E em seu culto à saudação ao seu senhor
Do céu e a terra...
Olorum o criador ôôô
Entrega a Oxalá
A divina missão de criar
 
Movido pela sua negligência
Não faz a oferenda
Castigado foi ao chão
Odudua assume a missão
E semeia o pó da criação
 
Refrão
Oxalá moldou em barro
E assim surgia
Olorum então soprou
O hálito que deu a vida
 
Aplausos para todos os orixás
Que hoje aqui se faz presente
Protege o nosso caminhar
O fogo, a terra, a água e o ar
Explode minha bateria



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;