Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Feijão caro muda hábito da dona de casa da região


Paula Cabrera
Do Diário do Grande ABC

28/05/2010 | 07:00


O preço alto do feijão, que voltou a registrar alta de 4,13% nesta semana, tem mudado o hábito da dona de casa do Grande ABC. Item indispensável na mesa dos brasileiros, o grão, que sai por cerca de R$ 3,50 o pacote de 1kg, está sendo fracionado na maioria das casas da região para evitar que especialmente as pessoas com rendas menores deixem todo o salário do mês no supermercado. Para manter a sustância da refeição, macarrão e legumes são os mais procurados para substituir a dobradinha famosa com o arroz.

Quem não abre mão de prato farto de feijão todos os dias, tem cortado produtos supérfluos na lista do mês para manter o consumo médio do grão. Com a alta que já atingiu cerca de 60% neste quadrimestre, as crianças foram as mais prejudicadas: bolachas recheadas e iogurte são as primeiras baixas na lista de compras.

Sem renda fixa mensal, o autônomo Geraldo Santiago é taxativo em dizer que "o item não pode faltar na minha mesa", mas a filha apressa-se a complementar a frase do pai , queixando-se da possibilidade de ficar "sem bolacha". A esposa de Rodrigues, Marilene, diz que é preciso driblar o orçamento para garantir a compra de todos os produtos. "É difícil, mas fazemos o possível para equilibrar as contas."

É o que também fazem a doméstica Paula Bento, 48, moradora de Santo André, e as amigas Kátia e Carlos Santos. Com caderno e caneta na mão, tudo é anotado para não sair do supermercado no vermelho. "Vou marcando tudo. Se vir que o custo está dentro do esperado, levamos bolachas e iogurtes, senão, elas (as crianças) ficam sem (os supérfluos)", diz a comerciante Carla.

Com 1,5 kg de feijão consumido por semana, a professora Elizabeth Rocha França, 49, alega que o jeito é racionar o item e mesclar os tipos de grãos oferecidos nas refeições. "O feijão preto, por exemplo, está mais barato. Com isso, faço três dias por semana o carioquinha e três o preto. Mas a qualidade também despencou. Fica um caldo ralo, o produto não é o mesmo se levamos o mais barato", afirma ela que diz que por conta do valor tem comprado, em média, dois sacos a menos do item por mês.

Com o quilo do feijão a preço de ouro, a esteticista Nair Celestino Alonso, 60, tem intercalado o grão com outras opções para diminuir o consumo. "Faço muito macarrão, batata, legume, para não perder o valor nutritivo."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Feijão caro muda hábito da dona de casa da região

Paula Cabrera
Do Diário do Grande ABC

28/05/2010 | 07:00


O preço alto do feijão, que voltou a registrar alta de 4,13% nesta semana, tem mudado o hábito da dona de casa do Grande ABC. Item indispensável na mesa dos brasileiros, o grão, que sai por cerca de R$ 3,50 o pacote de 1kg, está sendo fracionado na maioria das casas da região para evitar que especialmente as pessoas com rendas menores deixem todo o salário do mês no supermercado. Para manter a sustância da refeição, macarrão e legumes são os mais procurados para substituir a dobradinha famosa com o arroz.

Quem não abre mão de prato farto de feijão todos os dias, tem cortado produtos supérfluos na lista do mês para manter o consumo médio do grão. Com a alta que já atingiu cerca de 60% neste quadrimestre, as crianças foram as mais prejudicadas: bolachas recheadas e iogurte são as primeiras baixas na lista de compras.

Sem renda fixa mensal, o autônomo Geraldo Santiago é taxativo em dizer que "o item não pode faltar na minha mesa", mas a filha apressa-se a complementar a frase do pai , queixando-se da possibilidade de ficar "sem bolacha". A esposa de Rodrigues, Marilene, diz que é preciso driblar o orçamento para garantir a compra de todos os produtos. "É difícil, mas fazemos o possível para equilibrar as contas."

É o que também fazem a doméstica Paula Bento, 48, moradora de Santo André, e as amigas Kátia e Carlos Santos. Com caderno e caneta na mão, tudo é anotado para não sair do supermercado no vermelho. "Vou marcando tudo. Se vir que o custo está dentro do esperado, levamos bolachas e iogurtes, senão, elas (as crianças) ficam sem (os supérfluos)", diz a comerciante Carla.

Com 1,5 kg de feijão consumido por semana, a professora Elizabeth Rocha França, 49, alega que o jeito é racionar o item e mesclar os tipos de grãos oferecidos nas refeições. "O feijão preto, por exemplo, está mais barato. Com isso, faço três dias por semana o carioquinha e três o preto. Mas a qualidade também despencou. Fica um caldo ralo, o produto não é o mesmo se levamos o mais barato", afirma ela que diz que por conta do valor tem comprado, em média, dois sacos a menos do item por mês.

Com o quilo do feijão a preço de ouro, a esteticista Nair Celestino Alonso, 60, tem intercalado o grão com outras opções para diminuir o consumo. "Faço muito macarrão, batata, legume, para não perder o valor nutritivo."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;