Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Moradora de Diadema teme demolição de imóvel irregular

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Localizada no Condomínio Praia Vermelha, área foi adquirida em 1996; prazo se encerra hoje


Aline Melo

10/09/2018 | 07:00


Família de Diadema corre contra o tempo para não ver o sonho de toda vida ser destruído. A dona de casa Erica Santana Silva, 35 anos, e o motorista João Marcelino da Silva, 50, compraram terreno dentro do Condomínio Praia Vermelha, no bairro Eldorado, em Diadema, em 1996. A área é de proteção ambiental, pois está às margens da Represa Billings. Desde então, construíram casa com três pavimentos, onde moram hoje com a filha. Também alugam um dos pavimentos para outra família com três pessoas, mas sentença judicial emitida no mês passado e com data de cumprimento até hoje determinou a demolição do imóvel.

“Logo que compramos, fomos notificados pela Prefeitura de que precisávamos regularizar a documentação do terreno. Chegamos a pagar multas, fomos atrás de tudo e contratamos advogado. Não conseguimos a regularização na Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), que jogava a situação para a Prefeitura e a Prefeitura devolvia para a Cetesb”, explicou Erica.

Os proprietários relataram que, no mês passado, foram surpreendidos com a notificação da ordem de execução para a demolição. “Quando procuramos o advogado que havia nos atendido, ele disse que não havia o que fazer, que nosso caso era irreversível e que, se a Justiça quisesse nossa casa seria demolida”. Diante do problema, os moradores contrataram outro advogado. O defensor entrou com pedido de impugnação da sentença.

A alegação de Erica é que ainda que o terreno esteja em área de manancial, todos os impostos são pagos regularmente, como o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), contas de água, luz e esgoto, além do fato de o condomínio ter sua urbanização consolidada há muitos anos. “Por que vão demolir apenas a minha casa, se existem inúmeras outras aqui dentro?”, questionou.

Vizinho da família, o motorista George Domingos Alves do Nascimento, 51, disse que nunca foi questionado pela Prefeitura sobre qualquer documentação junto à Cetesb. “Passei a escritura para o meu nome, pago IPTU”, afirmou.
Procurada, a Cetesb informou que os proprietários devem procurar a agência do Grande ABC da companhia. A Prefeitura de Diadema não respondeu aos questionamentos até o fechamento desta edição. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;