Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Obra do Parque Matarazzo pode sair semana que vem

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeitura de S.Caetano oficializa contrato e
Auricchio estima prazo para início do equipamento


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

25/09/2020 | 00:24


A Prefeitura de São Caetano oficializou na quarta-feira a contratação da empresa que executará o serviço de descontaminação e construção do Parque Matarazzo, que será erguido em parte de terreno que pertenceu à antiga Indústrias Reunidas Matarazzo. A expectativa do Paço é a de que a obra tenha início na semana que vem – faltam apenas a assinatura formal do acordo e a expedição da ordem de serviço.

O Parque Matarazzo integra o plano chamado Refundação, com objetivo de recuperar o bairro Fundação. Uma das principais regiões no início do século passado, o local se degradou juntamente com a falência das Indústrias Matarazzo, nos anos 1980. O terreno, de 220 mil metros quadrados, ficou abandonado por anos, virou alvo de disputa judicial e, por causa de contaminação do solo, pouca intervenção pública recebeu no período.

A obra demandará investimento de R$ 8,5 milhões, dinheiro pago à vencedora da licitação, a Construtora Ubiratan, com sede em São Caetano. “Ainda estamos formatando o contrato, mas acredito que em uma semana já haja canteiro de obras no terreno”, afirmou o prefeito José Auricchio Júnior (PSDB). A verba, inicialmente pensada para ser captada junto à CAF (Corporação Andina de Fomento), banco de desenvolvimento da América Latina, deverá sair do Finisa (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento), da Caixa. Auricchio revelou que o dinheiro já está à disposição.

Auricchio sustentou que a construção do Parque Matarazzo tem valor simbólico dentro do plano de revitalização do bairro. O prefeito lembrou que os problemas do Fundação emergiram com o fim da fábrica. “(A construção do parque) Tem uma grande simbologia. O Parque Matarazzo é um dos pilares fundamentais para a reformulação do bairro Fundação. Apesar de já ter entregue outros projetos visando a revitalização do local, é com o início da construção do parque que eu e os moradores começaremos a ver a revitalização do bairro de fato”, sustentou.

O tucano citou que outras etapas em busca da melhoria do bairro Fundação já foram percorridas, como as revitalizações do Caism (Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher), em outubro do ano passado, e do Centro de Especialidades Médicas Samuel Klein. Ele incluiu ainda a troca da iluminação pública por lâmpadas de LED.

O Parque Matarazzo deverá contar com pista para caminhada e ciclovia com 600 metros, espelho d’água, playground, quadras poliesportivas, equipamentos de ginástica direcionada à terceira idade e espaço de lazer para animais de estimação.

A Prefeitura teve que aguardar quase 12 anos para que a área fosse liberada pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) – o terreno foi considerado contaminado depois de anos de funcionamento das Indústrias Matarazzo. A empresa vencedora para construir o empreendimento deverá realizar impermeabilização do solo, como consta no edital.

Uma das ideias da Prefeitura é a de que o parque abrigue a tradicional Festa Italiana, que ocorre no Parque Ermelino Matarazzo, que fica em frente ao terreno que abrigará o novo equipamento, mas a intenção segue sob estudo.

Em outra fase do projeto, o Executivo prevê intervenção em uma das áreas do terreno que prevê reurbanização, com a finalidade de atrair empresas 4.0 e gerar empregos para o município.

Projeto é 1º passo para recuperar área total

É a partir do Parque Matarazzo que a Prefeitura de São Caetano espera dar utilidade pública a todos os 220 mil metros quadrados de terreno que pertenciam à antiga Indústrias Reunidas Matarazzo. A área é grosseiramente dividida em cinco espaços com características de solo ou técnicas distintas. Há uma completamente descontaminada (nos arredores da Praça Comendador Ermelino Matarazzo), de 50 mil metros quadrados.

Outra pertencente à Prefeitura, de 18 mil metros quadrados – onde o Paço realizava a Festa Italiana. Espaço de 60 mil metros quadrados tem contaminação moderada e fácil processo de remediação. Um quarto local, de 33 mil metros quadrados, de contaminação mais profunda, mas com descontaminação possível.

Existe ainda um quinto, de 60 mil metros quadrados, de alta contaminação e metodologia mais complexa de limpeza.

Quando anunciou o plano de construção do Parque Matarazzo, o prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), sustentou que há interesse do mercado imobiliário para construir no terreno completamente descontaminado. Por isso, havia debate para que esse setor também pudesse contribuir com a despoluição dos demais setores, ajudando o poder público em um processo complexo. Além dessa etapa, haveria exigência para que o setor imobiliário reservasse parte da área para que um polo de startups fosse montado. Essa etapa, entretanto, segue em análise – e sofreu atraso de avanços por causa da pandemia de Covid-19.

A empresa Indústrias Reunidas Matarazzo se instalou na cidade em 1912, quando sequer São Caetano era emancipada – o que ocorreu em 1948.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Obra do Parque Matarazzo pode sair semana que vem

Prefeitura de S.Caetano oficializa contrato e
Auricchio estima prazo para início do equipamento

Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

25/09/2020 | 00:24


A Prefeitura de São Caetano oficializou na quarta-feira a contratação da empresa que executará o serviço de descontaminação e construção do Parque Matarazzo, que será erguido em parte de terreno que pertenceu à antiga Indústrias Reunidas Matarazzo. A expectativa do Paço é a de que a obra tenha início na semana que vem – faltam apenas a assinatura formal do acordo e a expedição da ordem de serviço.

O Parque Matarazzo integra o plano chamado Refundação, com objetivo de recuperar o bairro Fundação. Uma das principais regiões no início do século passado, o local se degradou juntamente com a falência das Indústrias Matarazzo, nos anos 1980. O terreno, de 220 mil metros quadrados, ficou abandonado por anos, virou alvo de disputa judicial e, por causa de contaminação do solo, pouca intervenção pública recebeu no período.

A obra demandará investimento de R$ 8,5 milhões, dinheiro pago à vencedora da licitação, a Construtora Ubiratan, com sede em São Caetano. “Ainda estamos formatando o contrato, mas acredito que em uma semana já haja canteiro de obras no terreno”, afirmou o prefeito José Auricchio Júnior (PSDB). A verba, inicialmente pensada para ser captada junto à CAF (Corporação Andina de Fomento), banco de desenvolvimento da América Latina, deverá sair do Finisa (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento), da Caixa. Auricchio revelou que o dinheiro já está à disposição.

Auricchio sustentou que a construção do Parque Matarazzo tem valor simbólico dentro do plano de revitalização do bairro. O prefeito lembrou que os problemas do Fundação emergiram com o fim da fábrica. “(A construção do parque) Tem uma grande simbologia. O Parque Matarazzo é um dos pilares fundamentais para a reformulação do bairro Fundação. Apesar de já ter entregue outros projetos visando a revitalização do local, é com o início da construção do parque que eu e os moradores começaremos a ver a revitalização do bairro de fato”, sustentou.

O tucano citou que outras etapas em busca da melhoria do bairro Fundação já foram percorridas, como as revitalizações do Caism (Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher), em outubro do ano passado, e do Centro de Especialidades Médicas Samuel Klein. Ele incluiu ainda a troca da iluminação pública por lâmpadas de LED.

O Parque Matarazzo deverá contar com pista para caminhada e ciclovia com 600 metros, espelho d’água, playground, quadras poliesportivas, equipamentos de ginástica direcionada à terceira idade e espaço de lazer para animais de estimação.

A Prefeitura teve que aguardar quase 12 anos para que a área fosse liberada pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) – o terreno foi considerado contaminado depois de anos de funcionamento das Indústrias Matarazzo. A empresa vencedora para construir o empreendimento deverá realizar impermeabilização do solo, como consta no edital.

Uma das ideias da Prefeitura é a de que o parque abrigue a tradicional Festa Italiana, que ocorre no Parque Ermelino Matarazzo, que fica em frente ao terreno que abrigará o novo equipamento, mas a intenção segue sob estudo.

Em outra fase do projeto, o Executivo prevê intervenção em uma das áreas do terreno que prevê reurbanização, com a finalidade de atrair empresas 4.0 e gerar empregos para o município.

Projeto é 1º passo para recuperar área total

É a partir do Parque Matarazzo que a Prefeitura de São Caetano espera dar utilidade pública a todos os 220 mil metros quadrados de terreno que pertenciam à antiga Indústrias Reunidas Matarazzo. A área é grosseiramente dividida em cinco espaços com características de solo ou técnicas distintas. Há uma completamente descontaminada (nos arredores da Praça Comendador Ermelino Matarazzo), de 50 mil metros quadrados.

Outra pertencente à Prefeitura, de 18 mil metros quadrados – onde o Paço realizava a Festa Italiana. Espaço de 60 mil metros quadrados tem contaminação moderada e fácil processo de remediação. Um quarto local, de 33 mil metros quadrados, de contaminação mais profunda, mas com descontaminação possível.

Existe ainda um quinto, de 60 mil metros quadrados, de alta contaminação e metodologia mais complexa de limpeza.

Quando anunciou o plano de construção do Parque Matarazzo, o prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), sustentou que há interesse do mercado imobiliário para construir no terreno completamente descontaminado. Por isso, havia debate para que esse setor também pudesse contribuir com a despoluição dos demais setores, ajudando o poder público em um processo complexo. Além dessa etapa, haveria exigência para que o setor imobiliário reservasse parte da área para que um polo de startups fosse montado. Essa etapa, entretanto, segue em análise – e sofreu atraso de avanços por causa da pandemia de Covid-19.

A empresa Indústrias Reunidas Matarazzo se instalou na cidade em 1912, quando sequer São Caetano era emancipada – o que ocorreu em 1948.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;