Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Juan Guaidó é agredido ao retornar à Venezuela

Twi via fotos Publicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


12/02/2020 | 08:00


O líder da oposição e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, foi agredido nesta terça-feira (11) por uma multidão de chavistas que o esperava no aeroporto internacional Simon Bolívar, que serve Caracas, ao retornar de uma viagem internacional de 23 dias.

Assim que Guaidó saiu do terminal aéreo, quase 200 pessoas o socaram e o atingiram com diversos objetos. Também foram alvos de agressão a mulher do político, Fabiana Rosales, e vários deputados da oposição que foram recebê-lo.

"Guaidó, fascista pró-imperialista" e "fora, direita, a pátria se respeita", gritavam os simpatizantes de Nicolás Maduro.

Vários jornalistas também foram agredidos e assaltados pelos chavistas em frente de dezenas de agentes da Polícia Nacional Bolivariana e da Guarda Nacional Bolivariana, que não impediram o tumulto.

Guaidó, de 36 anos, chegou à Venezuela por volta das 17 horas (18 horas em Brasília) e foi recebido por dezenas de deputados. "Venezuela: já estamos em Caracas. Trago o compromisso do mundo livre, pronto para nos ajudar a recuperar a democracia e a liberdade. Está começando um novo momento que não admite nenhum contratempo e precisa que todos nós façamos o que temos de fazer. Chegou a hora", escreveu Guaidó no Twitter antes de deixar o aeroporto. Ele também postou sua foto em frente a um funcionário de imigração com a frase: "Em casa". Ele estava proibido de deixar o país, mas saiu clandestinamente no dia 19.

Guaidó, que foi recebido na Casa Branca pelo presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou ontem a partidários que serão impostas novas sanções "contra a ditadura" e pediu a seus seguidores que intensifiquem os protestos como complemento dessa estratégia.

"Os mecanismos de pressão só vão aumentar, por polêmicos que sejam vão continuar aumentando", acrescentou. Na sexta-feira, os EUA ampliaram suas sanções contra a Conviasa e ontem funcionários da companhia aérea estatal também receberam Guaidó com protestos. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juan Guaidó é agredido ao retornar à Venezuela


12/02/2020 | 08:00


O líder da oposição e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, foi agredido nesta terça-feira (11) por uma multidão de chavistas que o esperava no aeroporto internacional Simon Bolívar, que serve Caracas, ao retornar de uma viagem internacional de 23 dias.

Assim que Guaidó saiu do terminal aéreo, quase 200 pessoas o socaram e o atingiram com diversos objetos. Também foram alvos de agressão a mulher do político, Fabiana Rosales, e vários deputados da oposição que foram recebê-lo.

"Guaidó, fascista pró-imperialista" e "fora, direita, a pátria se respeita", gritavam os simpatizantes de Nicolás Maduro.

Vários jornalistas também foram agredidos e assaltados pelos chavistas em frente de dezenas de agentes da Polícia Nacional Bolivariana e da Guarda Nacional Bolivariana, que não impediram o tumulto.

Guaidó, de 36 anos, chegou à Venezuela por volta das 17 horas (18 horas em Brasília) e foi recebido por dezenas de deputados. "Venezuela: já estamos em Caracas. Trago o compromisso do mundo livre, pronto para nos ajudar a recuperar a democracia e a liberdade. Está começando um novo momento que não admite nenhum contratempo e precisa que todos nós façamos o que temos de fazer. Chegou a hora", escreveu Guaidó no Twitter antes de deixar o aeroporto. Ele também postou sua foto em frente a um funcionário de imigração com a frase: "Em casa". Ele estava proibido de deixar o país, mas saiu clandestinamente no dia 19.

Guaidó, que foi recebido na Casa Branca pelo presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou ontem a partidários que serão impostas novas sanções "contra a ditadura" e pediu a seus seguidores que intensifiquem os protestos como complemento dessa estratégia.

"Os mecanismos de pressão só vão aumentar, por polêmicos que sejam vão continuar aumentando", acrescentou. Na sexta-feira, os EUA ampliaram suas sanções contra a Conviasa e ontem funcionários da companhia aérea estatal também receberam Guaidó com protestos. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;