Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Brasil suspende importação de carne canadense


Da Agência Brasil

28/05/2003 | 09:12


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento suspendeu nesta terça-feira, por tempo indeterminado, as importações de bovinos, seus produtos e subprodutos procedentes do Canadá, em razão da ocorrência da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), a chamada doença da “vaca louca”.

Com o objetivo de preservar o patrimônio pecuário nacional, o Ministério incluiu nessa proibição produtos como carnes, miúdos, embriões, hemoderivados, farinhas de sangue, de carne e de osso autoclavado, resíduos de açougue e abatedouros, vísceras de aves, além de ingrediente ou matéria-prima composta por vísceras de animais alimentados com proteína ou gordura de ruminantes.

Não estão incluídas na suspensão produtos como sêmen, leite e produtos lácteos, colágeno obtido de peles e farinha de ossos calcinados. De 1997 a abril deste ano, o Brasil importou US$ 3,2 milhões em bovinos reprodutores de raça pura.

Durante reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Carne Bovina, nesta terça, no Ministério, foi discutido o novo cenário do comércio internacional do produto a partir do surgimento da “vaca louca” no Canadá. Com a doença, importadores como México, Estados Unidos e Japão suspenderam as compras daquele país.

“Temos que ficar atentos e conseguir uma fatia do mercado do Canadá, que é quarto maior exportador de carne bovina do mundo e detém 83% das vendas para os Estados Unidos”, disse o gerente do setor privado da câmara, Antenor Nogueira.

No entanto, para o diretor-executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Ênio Marques, o maior ganho para o Brasil será com uma possível elevação nos níveis dos preços. “O Brasil ainda não faz parte da rota de comercialização de carne do Canadá, por isso devemos acompanhar a movimentação dos preços em função da queda da oferta do produto”, afirmou.

Ele acrescentou que os Estados Unidos, onde o consumo per capita é de mais de 40 kg/ano de carne, terão que se auto-abastecer e, em conseqüência, deixarão de atender seus mercados tradicionais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;