Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Fusão criaria negócio semelhante à JBS



31/05/2019 | 07:04


Embora o anúncio das conversas sobre a fusão entre a BRF e a Marfrig tenha causado surpresa no mercado, uma das possíveis explicações para o acordo seria a possibilidade de se criar uma nova plataforma global de carnes. Com a força da BRF em frangos e suínos, principalmente no Brasil, e o porte da Marfrig nos EUA, onde estão mais de 50% de suas vendas, a união criaria um negócio mais semelhante, ainda que bem menor, às operações de JBS e da Tyson Foods.

No ano passado, a JBS faturou R$ 181 bilhões, e a Tyson, cerca de R$ 160 bilhões. BRF e Marfrig teriam tido receita líquida combinada de R$ 76 bilhões, em 2018.

"Não acho que o negócio traga sinergias relevantes, além dos ganhos administrativos e operacionais de praxe", disse o analista de bebidas e agronegócio do Itaú BBA, Antônio Barreto. "Sobram, dessa forma, outras explicações, como a tentativa da BRF para reduzir sua alavancagem de forma mais rápida e a criação de um competidor global de porte mais parecido com a JBS e a Tyson Foods."

Barreto disse, porém, que ainda é discutível se essa seria a melhor alternativa para a dona das marcas Sadia e Perdigão. De um ano para cá, a BRF deu início a um agressivo processo de venda de ativos - levantou R$ 4,1 bilhões e buscava parceiros para as distribuidoras de frango.

Do ponto de vista da redução do endividamento da BRF, havia outras alternativas na mesa, de acordo com ele. O mercado já esperava que, com a gripe suína na China, os resultados da BRF melhorassem de forma sensível ao longo de 2020 e 2021. Tanto que as ações da empresa, subiram cerca de 40% nos últimos três meses. Segundo os balanços do primeiro trimestre das duas empresas, a alavancagem (relação entre dívida e geração de caixa) da BRF era de 5,64 vezes, enquanto a da Marfrig era de 2,76 vezes.

Estratégia. A Marfrig também empreendeu esforço considerável para reduzir dívidas. No ano passado, vendeu a Keystone, maior produtora de carne industrializada, por US$ 2,5 bilhões, à Tyson Foods, e se associou à americana National Beef para se fortalecer em carne bovina.

Por causa da crise que enfrenta desde o fim de 2016, a BRF virou alvo de fundos de investimentos. A americana Tyson Foods foi apontada como uma possível interessada em adquirir o controle da dona da Sadia e Perdigão, segundo fontes.

De acordo com o sócio-diretor da consultoria Duff & Phelps no Brasil, Alexandre Pierantoni, o mercado de fusões e aquisições continua bem ativo no País, a despeito do fraco crescimento da economia. A união entre BRF e Marfrig vai unir dois grupos estratégicos e que têm boa parte de suas receitas em dólar e garante que o controle da empresa fique em mãos brasileiras.

"Nesses primeiros cinco meses, os movimentos de fusões e aquisições continuam no mesmo patamar de 700 a 800 operações ao ano", disse Pierantoni. "Investidores, nacionais e estrangeiros, que pensam a longo prazo e são mais resilientes à crise, e, levando em consideração o momento do País, procuram as melhores aplicações."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;