Fechar
Publicidade

Domingo, 7 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Covid-19 mata mais que crimes

Semop/Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Doença já tirou 277 vidas na região, número superior ao de homicídio doloso e latrocínios em 2019


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

12/05/2020 | 23:11


O novo coronavírus fez a primeira vítima fatal no Grande ABC no dia 25 de março e, desde então, já matou mais pessoas na região do que os casos de homicídio doloso (quando há intenção de matar) e latrocínios (roubo seguido de morte) em todo o ano de 2019. Segundo levantamento realizado pelo Diário, no ano passado os dois crimes tiraram 178 vidas, enquanto que, em apenas 50 dias, a Covid-19 já matou 290 cidadãos – de janeiro até ontem foram 38 casos de morte decorrentes dos dois delitos (veja tabela ao lado).

De acordo com informações oficiais da Secretaria de Saúde do Estado, assim como os boletins epidemiológicos das prefeituras regionais, a cidade que mais perdeu munícipes para a doença foi São Bernardo, com 102 mortes. Santo André também apresenta número mais alto do que os demais distritos, computando, até ontem, 80 vítimas fatais, seguida de Diadema (39); Mauá (33); e São Caetano (23). Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra ganham vantagem nos números, já que são as cidades com as menores populações do Grande ABC, registrando a baixa de dez e três munícipes, respectivamente.

Já nos dados criminais, Santo André foi a cidade que perdeu mais pessoas no ano passado – somando homicídio doloso e latrocínios –, com 53 vítimas, conforme registros da SSP (Secretaria de Segurança Pública) do Estado de São Paulo. São Bernardo computou 43 mortes, seguida de Mauá (37); Diadema (32); São Caetano (seis); Rio Grande da Serra (cinco); e Ribeirão Pires (quatro). Já em 2018, as sete cidades registraram 204 pessoas mortas pelos delitos – número também menor do que as perdas decorrentes da pandemia neste ano.

Infectologista e professor do curso de medicina da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Fábio Leal avalia que os dados reforçam a relevância do impacto da Covid-19, não somente no Grande ABC, mas em todo o País. “Em período tão curto, a doença foi capaz de matar mais do que homicídios e roubo seguido de morte. Estes números fazem cair por terra, de vez, a ideia de que não é relevante o impacto que esta doença tem quanto as mortes e casos graves na nossa população” comentou o especialista.

Leal reforça que, no início, houve especulação de que o vírus seria como epidemias de gripe. “Antigamente costumava-se dizer que o vírus seria como a Influenza, e não foi. A adição da Covid-19 ao grupo de doenças que já temos normalmente na população causou impacto muito grande na saúde pública e também na nossa sociedade em geral”, disse o infectologista.

Especialista em segurança pública e privada, Jorge Lordello avalia que, diante do contágio rápido da Covid-19, os casos de mortes decorrentes de crimes tendem a diminuir ainda mais neste ano. “A medida de isolamento físico adotada nas cidades leva a prevenir o contágio da doença, mas por si só, esta ação diminui também os índices criminais, porque tem menos gente nas ruas, portanto, há menos vulnerabilidade também.”

Lordello ressalta que crimes contra o patrimônio, ou seja, roubos e furtos – resultantes dos latrocínios –, são os que mais devem cair com as pessoas ficando em casa. “Há menos circulação de carros, tem menos pessoas com celular nas ruas, cai então a facilidade para estes crimes ocorrerem”, explica, ressaltando ainda que os criminosos adaptam suas práticas, alterando os crimes cometidos. “O criminoso migra. Ele vai continuar criminoso, porque não tem opção, já está na vida criminosa. Mas com a sociedade diferente, o indivíduo busca alternativas, mas dentro do crime”, finaliza Lordello.
(Colaborou Raphael Rocha) 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Covid-19 mata mais que crimes

Doença já tirou 277 vidas na região, número superior ao de homicídio doloso e latrocínios em 2019

Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

12/05/2020 | 23:11


O novo coronavírus fez a primeira vítima fatal no Grande ABC no dia 25 de março e, desde então, já matou mais pessoas na região do que os casos de homicídio doloso (quando há intenção de matar) e latrocínios (roubo seguido de morte) em todo o ano de 2019. Segundo levantamento realizado pelo Diário, no ano passado os dois crimes tiraram 178 vidas, enquanto que, em apenas 50 dias, a Covid-19 já matou 290 cidadãos – de janeiro até ontem foram 38 casos de morte decorrentes dos dois delitos (veja tabela ao lado).

De acordo com informações oficiais da Secretaria de Saúde do Estado, assim como os boletins epidemiológicos das prefeituras regionais, a cidade que mais perdeu munícipes para a doença foi São Bernardo, com 102 mortes. Santo André também apresenta número mais alto do que os demais distritos, computando, até ontem, 80 vítimas fatais, seguida de Diadema (39); Mauá (33); e São Caetano (23). Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra ganham vantagem nos números, já que são as cidades com as menores populações do Grande ABC, registrando a baixa de dez e três munícipes, respectivamente.

Já nos dados criminais, Santo André foi a cidade que perdeu mais pessoas no ano passado – somando homicídio doloso e latrocínios –, com 53 vítimas, conforme registros da SSP (Secretaria de Segurança Pública) do Estado de São Paulo. São Bernardo computou 43 mortes, seguida de Mauá (37); Diadema (32); São Caetano (seis); Rio Grande da Serra (cinco); e Ribeirão Pires (quatro). Já em 2018, as sete cidades registraram 204 pessoas mortas pelos delitos – número também menor do que as perdas decorrentes da pandemia neste ano.

Infectologista e professor do curso de medicina da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Fábio Leal avalia que os dados reforçam a relevância do impacto da Covid-19, não somente no Grande ABC, mas em todo o País. “Em período tão curto, a doença foi capaz de matar mais do que homicídios e roubo seguido de morte. Estes números fazem cair por terra, de vez, a ideia de que não é relevante o impacto que esta doença tem quanto as mortes e casos graves na nossa população” comentou o especialista.

Leal reforça que, no início, houve especulação de que o vírus seria como epidemias de gripe. “Antigamente costumava-se dizer que o vírus seria como a Influenza, e não foi. A adição da Covid-19 ao grupo de doenças que já temos normalmente na população causou impacto muito grande na saúde pública e também na nossa sociedade em geral”, disse o infectologista.

Especialista em segurança pública e privada, Jorge Lordello avalia que, diante do contágio rápido da Covid-19, os casos de mortes decorrentes de crimes tendem a diminuir ainda mais neste ano. “A medida de isolamento físico adotada nas cidades leva a prevenir o contágio da doença, mas por si só, esta ação diminui também os índices criminais, porque tem menos gente nas ruas, portanto, há menos vulnerabilidade também.”

Lordello ressalta que crimes contra o patrimônio, ou seja, roubos e furtos – resultantes dos latrocínios –, são os que mais devem cair com as pessoas ficando em casa. “Há menos circulação de carros, tem menos pessoas com celular nas ruas, cai então a facilidade para estes crimes ocorrerem”, explica, ressaltando ainda que os criminosos adaptam suas práticas, alterando os crimes cometidos. “O criminoso migra. Ele vai continuar criminoso, porque não tem opção, já está na vida criminosa. Mas com a sociedade diferente, o indivíduo busca alternativas, mas dentro do crime”, finaliza Lordello.
(Colaborou Raphael Rocha) 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;