Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas de Nova York fecham em baixa, com aversão a risco por tombo do petróleo

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/04/2020 | 18:04


As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta terça-feira, 21, pelo segundo dia consecutivo, em meio à aversão a risco gerada pela queda histórica nos preços do petróleo e com o foco dos investidores na pandemia de coronavírus.

O índice Dow Jones encerrou em queda de 2,67%, a 23.018,88 pontos, o S&P 500 perdeu 3,07%, a 2.736,56 pontos e o Nasdaq recuou 3,48%, a 8.263,23 pontos.

"Os mercados de ações têm refletido os desafios no setor de energia desde o início da crise", comentam analistas do Brown Brothers Harriman (BBH). "Continuamos a acreditar que é improvável que os mercados mais amplos de ações realizem uma recuperação duradoura até que um piso seja observado nos preços do petróleo", acrescentam.

Ontem, pela primeira vez na História, o petróleo foi negociado abaixo de US$ 0. Com o WTI para maio perto do vencimento, investidores começaram a liquidar o contrato para evitar a entrega física. Além da queda na demanda, em decorrência da pandemia de coronavírus, há relatos de que o espaço para armazenamento de petróleo nos Estados Unidos está perto de se esgotar. Hoje, o colapso da commodity energética continuou.

"Quando um grande mercado fica disruptivo e ilógico, a aversão ao risco penetra em todos os outros ativos", resume Kathy Lien, diretora-gerente de estratégia de câmbio do BK Asset Management. Para o banco suíço Swissquote, os preços das ações em todo o mundo já refletem a contração econômica do primeiro trimestre deste ano.

No S&P 500, as quedas foram lideradas hoje pelo subíndice de tecnologia (-4,1%), seguido pelo do setor financeiro (3,2%). O setor de energia recuou 1,68%. Entre as ações empresas importantes negociadas em NY, Microsoft cedeu 4,14%, Apple caiu 3,09%, Boeing registrou baixa de 5,07% e Chevron perdeu 2,31%.

Os papéis da United Airlines, cujo balanço foi divulgado hoje, subiam 0,32%, embora o prejuízo líquido no primeiro trimestre do ano tenha sido maior do que o esperado.

A Netflix, por sua vez, divulgou balanço após o fechamento do mercado. No after hours em NY, a ação da empresa avançava 0,75%, às 17h52 (de Brasília), depois de saltado 11%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas de Nova York fecham em baixa, com aversão a risco por tombo do petróleo


21/04/2020 | 18:04


As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta terça-feira, 21, pelo segundo dia consecutivo, em meio à aversão a risco gerada pela queda histórica nos preços do petróleo e com o foco dos investidores na pandemia de coronavírus.

O índice Dow Jones encerrou em queda de 2,67%, a 23.018,88 pontos, o S&P 500 perdeu 3,07%, a 2.736,56 pontos e o Nasdaq recuou 3,48%, a 8.263,23 pontos.

"Os mercados de ações têm refletido os desafios no setor de energia desde o início da crise", comentam analistas do Brown Brothers Harriman (BBH). "Continuamos a acreditar que é improvável que os mercados mais amplos de ações realizem uma recuperação duradoura até que um piso seja observado nos preços do petróleo", acrescentam.

Ontem, pela primeira vez na História, o petróleo foi negociado abaixo de US$ 0. Com o WTI para maio perto do vencimento, investidores começaram a liquidar o contrato para evitar a entrega física. Além da queda na demanda, em decorrência da pandemia de coronavírus, há relatos de que o espaço para armazenamento de petróleo nos Estados Unidos está perto de se esgotar. Hoje, o colapso da commodity energética continuou.

"Quando um grande mercado fica disruptivo e ilógico, a aversão ao risco penetra em todos os outros ativos", resume Kathy Lien, diretora-gerente de estratégia de câmbio do BK Asset Management. Para o banco suíço Swissquote, os preços das ações em todo o mundo já refletem a contração econômica do primeiro trimestre deste ano.

No S&P 500, as quedas foram lideradas hoje pelo subíndice de tecnologia (-4,1%), seguido pelo do setor financeiro (3,2%). O setor de energia recuou 1,68%. Entre as ações empresas importantes negociadas em NY, Microsoft cedeu 4,14%, Apple caiu 3,09%, Boeing registrou baixa de 5,07% e Chevron perdeu 2,31%.

Os papéis da United Airlines, cujo balanço foi divulgado hoje, subiam 0,32%, embora o prejuízo líquido no primeiro trimestre do ano tenha sido maior do que o esperado.

A Netflix, por sua vez, divulgou balanço após o fechamento do mercado. No after hours em NY, a ação da empresa avançava 0,75%, às 17h52 (de Brasília), depois de saltado 11%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;