Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Comerciante pede extinçao do MST à Justiça


Do Diário do Grande ABC

09/07/2000 | 16:20


O comerciante Raimundo Ghiraldi, da cidade de Porto Feliz, a 120 quilômetros de Sao Paulo, é o autor de uma açao que pede a extinçao da Associaçao Nacional de Cooperaçao Agrícola (Anca), o que pode representar o fim do Movimento dos Sem-Terra (MST).

O pedido foi protocolado na sexta-feira no Fórum Joao Mendes, regiao central da cidade, pelo advogado Antonio Carlos Otoni Soares e se for aceito reflete na dissoluçao do MST, uma vez que a Anca representa juridicamente e repassa as verbas internacionais que sustentam o movimento.

``Eu acho que a maioria da populaçao é contra o MST e nao pode se manifestar'', disse Ghiraldi, justificando sua atitude. Ele conta que em 1999, quando trabalhadores do MST invadiram a cidade, foi procurado para contribuir com comida e bebida para um churrasco e negou-se a fornecer.

Diante de sua negativa, Ghiraldi disse que os integrantes do MST prometeram que voltariam para se vingar. ``Mas nao voltaram'', disse. No entanto, o comerciante disse que nao era o único a ser procurado. ``Eles iam todo dia nas casas buscar, arroz, feijao, açúcar, sempre em grupo de uns 10'', revelou.

O comerciante disse que os membros do MST fizeram ``muita baderna'' em Porto Feliz. ``Eles desacataram o juiz no fórum, chutaram carros, fizeram até necessidades fisiológicas na rua. Algumas pessoas confiaram nas propostas do grupo (de obter terra), mas acabaram voltando para a cidade'', lembrou.

Ghiraldi acredita que sua iniciativa vai inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. ``O MST tem de acabar. Eles queriam invadir até a fazenda do presidente da República (referindo-se a presença do MST na madrugada do dia 4 na fazenda Dois Córregos, dos filhos do presidente, em Buritis, em Minas Gerais). Sao desqualificados, o Exército devia fazer alguma coisa'', argumentou.

O coordenador nacional do MST, Gilberto Portes de Oliveira, classificou a iniciativa como ``uma posiçao ideológica de alguém que quer enquadrar o movimento'' e afirmou que o corpo de advogados do MST vai estudar o assunto. ``Ele defende o interesse dos latifundiários e quer desviar o debate sobre o tema.''

Portes de Oliveira disse que a Anca nao é uma entidade clandestino, tem 15 anos de atividades e seus documentos estao em ordem. ``É uma associaçao de referência no trabalho humano e de capacitaçao, que atua em conjunto com os ministérios do Trabalho, da Reforma Agrária e da Educaçao, inclusive premiada pela Unicef'', relatou.

O coordenador disse que prefere nao discutir essa questao, por enquanto. Mas defende que a Anca é responsável pela produçao dos assentamentos e por meio dela celebramos convênios com instituiçoes nacionais e sua atuaçao é acompanhada pela Receita Federal. "Nao estamos preocupados, esse advogado sim é que está querendo criar uma situaçao. Ele segue a filosofia dos inimigos da reforma agrária, da UDR. Se ele tivesse vivido no século passado, certamente, defenderia a escravatura'', finalizou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Comerciante pede extinçao do MST à Justiça

Do Diário do Grande ABC

09/07/2000 | 16:20


O comerciante Raimundo Ghiraldi, da cidade de Porto Feliz, a 120 quilômetros de Sao Paulo, é o autor de uma açao que pede a extinçao da Associaçao Nacional de Cooperaçao Agrícola (Anca), o que pode representar o fim do Movimento dos Sem-Terra (MST).

O pedido foi protocolado na sexta-feira no Fórum Joao Mendes, regiao central da cidade, pelo advogado Antonio Carlos Otoni Soares e se for aceito reflete na dissoluçao do MST, uma vez que a Anca representa juridicamente e repassa as verbas internacionais que sustentam o movimento.

``Eu acho que a maioria da populaçao é contra o MST e nao pode se manifestar'', disse Ghiraldi, justificando sua atitude. Ele conta que em 1999, quando trabalhadores do MST invadiram a cidade, foi procurado para contribuir com comida e bebida para um churrasco e negou-se a fornecer.

Diante de sua negativa, Ghiraldi disse que os integrantes do MST prometeram que voltariam para se vingar. ``Mas nao voltaram'', disse. No entanto, o comerciante disse que nao era o único a ser procurado. ``Eles iam todo dia nas casas buscar, arroz, feijao, açúcar, sempre em grupo de uns 10'', revelou.

O comerciante disse que os membros do MST fizeram ``muita baderna'' em Porto Feliz. ``Eles desacataram o juiz no fórum, chutaram carros, fizeram até necessidades fisiológicas na rua. Algumas pessoas confiaram nas propostas do grupo (de obter terra), mas acabaram voltando para a cidade'', lembrou.

Ghiraldi acredita que sua iniciativa vai inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. ``O MST tem de acabar. Eles queriam invadir até a fazenda do presidente da República (referindo-se a presença do MST na madrugada do dia 4 na fazenda Dois Córregos, dos filhos do presidente, em Buritis, em Minas Gerais). Sao desqualificados, o Exército devia fazer alguma coisa'', argumentou.

O coordenador nacional do MST, Gilberto Portes de Oliveira, classificou a iniciativa como ``uma posiçao ideológica de alguém que quer enquadrar o movimento'' e afirmou que o corpo de advogados do MST vai estudar o assunto. ``Ele defende o interesse dos latifundiários e quer desviar o debate sobre o tema.''

Portes de Oliveira disse que a Anca nao é uma entidade clandestino, tem 15 anos de atividades e seus documentos estao em ordem. ``É uma associaçao de referência no trabalho humano e de capacitaçao, que atua em conjunto com os ministérios do Trabalho, da Reforma Agrária e da Educaçao, inclusive premiada pela Unicef'', relatou.

O coordenador disse que prefere nao discutir essa questao, por enquanto. Mas defende que a Anca é responsável pela produçao dos assentamentos e por meio dela celebramos convênios com instituiçoes nacionais e sua atuaçao é acompanhada pela Receita Federal. "Nao estamos preocupados, esse advogado sim é que está querendo criar uma situaçao. Ele segue a filosofia dos inimigos da reforma agrária, da UDR. Se ele tivesse vivido no século passado, certamente, defenderia a escravatura'', finalizou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;