Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Bombeiro é preso após fazer refém


Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

27/01/2006 | 08:14


O bombeiro Edilson Ferreira de Barros, 28 anos, foi preso na madrugada desta quinta no bairro Baeta Neves, em São Bernardo, acusado de ameaçar de morte a mulher e manter refém, em um apartamento, uma vizinha do casal durante cinco horas com uma faca no pescoço.

Segundo a mulher do bombeiro, a dona-de-casa Elzivan Maria de Souza Barros, 28 anos, tudo ocorreu porque o marido não aceitou a separação do casal após uma discussão. A Polícia Militar foi acionada e, após longa negociação, o bombeiro, que trabalha em São Paulo, resolveu se entregar.

Elzivan e o marido moram no Conjunto Habitacional Conquista e Esperança, localizado na rua Oséias de Paula Campos. De acordo com a dona-de-casa, ela deseja obter a separação há algum tempo e vinha discutindo isso com o marido. O casal tem um filho de dois anos.

Nesta quinta, às 21h, o casal teve mais uma discussão sobre o assunto e, segundo Elzivan, o marido ficou muito irritado. “Há algumas semanas, ele começou a ficar deprimido e sempre se irritava quando eu tocava no assunto da separação. Só que, ontem (quarta-feira), ele extrapolou”, conta a dona-de-casa.

O marido saiu da sala, foi até a cozinha e pegou uma faca de aproximadamente 15 cm de comprimento. “Ele apontou a faca para mim e disse que iria me matar se eu me separasse dele. Depois de alguns minutos de conversa, consegui contornar a situação e o convenci a irmos a um culto evangélico em outro apartamento do conjunto”, narra Elzivan.

Refém – O culto, da igreja Assembléia de Deus, como era de costume, foi realizado em um apartamento de uma vizinha localizado em outro bloco. O bombeiro acompanhou a mulher, mas levou a faca consigo, escondida no bolso da calça. Mas, antes de começar a celebração religiosa, que contava com a presença de oito pessoas, policiais militares do 6º Batalhão chegaram ao conjunto habitacional. Eles foram avisados por moradores que o bombeiro estava ameaçando de morte a mulher.

Quando o bombeiro percebeu a presença policial, segundo a mulher, ficou desesperado, com receio de ser preso, e fez refém a faxineira Zélia de Oliveira, 36 a-nos, que reside no mesmo bloco on-de seria realizado o culto.

“Meu marido pegou a vizinha e colocou a faca em seu pescoço. Foi uma situação muito tensa”, relata Elzivan. Todas as pessoas que estavam no apartamento saíram e o bombeiro ficou no local sozinho com a refém. De acordo com a polícia, ele dizia o tempo todo que não queria se separar da mulher e que não iria ser preso.

Depois de cinco horas de negociação com a PM, o bombeiro resolveu se entregar às 2h e libertar a refém, que não foi ferida. Ele foi conduzido ao 1º DP e preso em flagrante por ameaça e cárcere privado. No início da manhã, Edilson de Barros foi levado para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de São Bernardo.

 


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bombeiro é preso após fazer refém

Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

27/01/2006 | 08:14


O bombeiro Edilson Ferreira de Barros, 28 anos, foi preso na madrugada desta quinta no bairro Baeta Neves, em São Bernardo, acusado de ameaçar de morte a mulher e manter refém, em um apartamento, uma vizinha do casal durante cinco horas com uma faca no pescoço.

Segundo a mulher do bombeiro, a dona-de-casa Elzivan Maria de Souza Barros, 28 anos, tudo ocorreu porque o marido não aceitou a separação do casal após uma discussão. A Polícia Militar foi acionada e, após longa negociação, o bombeiro, que trabalha em São Paulo, resolveu se entregar.

Elzivan e o marido moram no Conjunto Habitacional Conquista e Esperança, localizado na rua Oséias de Paula Campos. De acordo com a dona-de-casa, ela deseja obter a separação há algum tempo e vinha discutindo isso com o marido. O casal tem um filho de dois anos.

Nesta quinta, às 21h, o casal teve mais uma discussão sobre o assunto e, segundo Elzivan, o marido ficou muito irritado. “Há algumas semanas, ele começou a ficar deprimido e sempre se irritava quando eu tocava no assunto da separação. Só que, ontem (quarta-feira), ele extrapolou”, conta a dona-de-casa.

O marido saiu da sala, foi até a cozinha e pegou uma faca de aproximadamente 15 cm de comprimento. “Ele apontou a faca para mim e disse que iria me matar se eu me separasse dele. Depois de alguns minutos de conversa, consegui contornar a situação e o convenci a irmos a um culto evangélico em outro apartamento do conjunto”, narra Elzivan.

Refém – O culto, da igreja Assembléia de Deus, como era de costume, foi realizado em um apartamento de uma vizinha localizado em outro bloco. O bombeiro acompanhou a mulher, mas levou a faca consigo, escondida no bolso da calça. Mas, antes de começar a celebração religiosa, que contava com a presença de oito pessoas, policiais militares do 6º Batalhão chegaram ao conjunto habitacional. Eles foram avisados por moradores que o bombeiro estava ameaçando de morte a mulher.

Quando o bombeiro percebeu a presença policial, segundo a mulher, ficou desesperado, com receio de ser preso, e fez refém a faxineira Zélia de Oliveira, 36 a-nos, que reside no mesmo bloco on-de seria realizado o culto.

“Meu marido pegou a vizinha e colocou a faca em seu pescoço. Foi uma situação muito tensa”, relata Elzivan. Todas as pessoas que estavam no apartamento saíram e o bombeiro ficou no local sozinho com a refém. De acordo com a polícia, ele dizia o tempo todo que não queria se separar da mulher e que não iria ser preso.

Depois de cinco horas de negociação com a PM, o bombeiro resolveu se entregar às 2h e libertar a refém, que não foi ferida. Ele foi conduzido ao 1º DP e preso em flagrante por ameaça e cárcere privado. No início da manhã, Edilson de Barros foi levado para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de São Bernardo.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;