Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 11 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

ABC produz o último Land Rover


Eric Fujita
Do Diário do Grande ABC

29/12/2005 | 08:55


Após sete anos no país, a Land Rover – marca inglesa do grupo Ford no segmento premier – encerrou nesta semana a produção do utilitário esportivo de luxo Defender, montado nas instalações da Karmann-Ghia, em São Bernardo. Com o fim das atividades, todos os 57 funcionários responsáveis pela montagem do modelo foram demitidos. O modelo passa a ser importado a partir do próximo mês para abastecer o mercado interno.

A produção do último automóvel ocorreu na sexta-feira passada. A montagem era em CKD (sigla em inglês de kit de veículos desmontados) e de forma terceirizada pela Karmann-Ghia, contratada para fornecer mão-de-obra e as dependências de sua fábrica. A companhia não conseguiu absorver o contingente agora ocioso que montava o Defender – único produto da Land Rover fabricado no Brasil.

Quarta-feira, a Land Rover apenas confirmou o encerramento das atividades, mas não revelou detalhes. A suspensão já tinha sido anunciada em outubro último pela própria montadora, sob alegação de que suas atividades no Brasil não eram competitivas em relação ao mercado internacional. A Karmann-Ghia não comentou o assunto ao ser procurada pelo Diário.

A decisão de acabar com a produção brasileira do Defender foi tomada porque a Land Rover seria obrigada a investir na alteração do motor usado no veículo para atender à nova legislação sobre a emissão de poluentes em carros movidos a diesel, que entra em vigor em 2006. O volume de produção não compensaria o valor a ser aplicado nas alterações. Na região, eram produzidos 800 veículos por ano.

Mas o não-fechamento de novos contratos expressivos de fornecimento também contribuiu para o fim das atividades. Os principais clientes brasileiros da Land Rover eram o Exército e também a PM de São Paulo. Sem eles, a média de produção era de 1,2 carro por dia. A empresa chegou a montar seis automóveis diariamente, sendo que a capacidade máxima da linha de produção era de 12 unidades/dia.

Já a Karmann-Ghia perdeu cerca de 11% do seu quadro de funcionários com o fim das atividades. A fábrica contava com 500 trabalhadores. Sem a montagem terceirizada, a empresa volta a produzir somente peças de ferramentaria e estampadas para outras montadoras.

Em 2005, além da Land Rover, a DaimlerChrysler – dona da marca Mercedes-Benz – encerrou a produção do Classe A na fábrica de Juiz de Fora (MG).

Importação – Sem produção no país, os utilitários Defender serão importados da fábrica da Inglaterra com o motor eletrônico para se encaixar nas novas normas de emissão de poluentes, o Euro III. O modelo vindo de fora trará outras inovações, como o sistema de freios antitravamento, e é o carro-chefe da marca em mais de 120 países.

O objetivo é continuar abastecendo as 18 concessionárias em diversos Estados brasileiros. No país, foram comercializados mais de 5 mil veículos dos modelos Defender, Discovery e Range Rover – os dois últimos sempre importados. Em 2000, a montadora americana Ford Motor Company comprou a divisão Land Rover da alemã BMW.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

ABC produz o último Land Rover

Eric Fujita
Do Diário do Grande ABC

29/12/2005 | 08:55


Após sete anos no país, a Land Rover – marca inglesa do grupo Ford no segmento premier – encerrou nesta semana a produção do utilitário esportivo de luxo Defender, montado nas instalações da Karmann-Ghia, em São Bernardo. Com o fim das atividades, todos os 57 funcionários responsáveis pela montagem do modelo foram demitidos. O modelo passa a ser importado a partir do próximo mês para abastecer o mercado interno.

A produção do último automóvel ocorreu na sexta-feira passada. A montagem era em CKD (sigla em inglês de kit de veículos desmontados) e de forma terceirizada pela Karmann-Ghia, contratada para fornecer mão-de-obra e as dependências de sua fábrica. A companhia não conseguiu absorver o contingente agora ocioso que montava o Defender – único produto da Land Rover fabricado no Brasil.

Quarta-feira, a Land Rover apenas confirmou o encerramento das atividades, mas não revelou detalhes. A suspensão já tinha sido anunciada em outubro último pela própria montadora, sob alegação de que suas atividades no Brasil não eram competitivas em relação ao mercado internacional. A Karmann-Ghia não comentou o assunto ao ser procurada pelo Diário.

A decisão de acabar com a produção brasileira do Defender foi tomada porque a Land Rover seria obrigada a investir na alteração do motor usado no veículo para atender à nova legislação sobre a emissão de poluentes em carros movidos a diesel, que entra em vigor em 2006. O volume de produção não compensaria o valor a ser aplicado nas alterações. Na região, eram produzidos 800 veículos por ano.

Mas o não-fechamento de novos contratos expressivos de fornecimento também contribuiu para o fim das atividades. Os principais clientes brasileiros da Land Rover eram o Exército e também a PM de São Paulo. Sem eles, a média de produção era de 1,2 carro por dia. A empresa chegou a montar seis automóveis diariamente, sendo que a capacidade máxima da linha de produção era de 12 unidades/dia.

Já a Karmann-Ghia perdeu cerca de 11% do seu quadro de funcionários com o fim das atividades. A fábrica contava com 500 trabalhadores. Sem a montagem terceirizada, a empresa volta a produzir somente peças de ferramentaria e estampadas para outras montadoras.

Em 2005, além da Land Rover, a DaimlerChrysler – dona da marca Mercedes-Benz – encerrou a produção do Classe A na fábrica de Juiz de Fora (MG).

Importação – Sem produção no país, os utilitários Defender serão importados da fábrica da Inglaterra com o motor eletrônico para se encaixar nas novas normas de emissão de poluentes, o Euro III. O modelo vindo de fora trará outras inovações, como o sistema de freios antitravamento, e é o carro-chefe da marca em mais de 120 países.

O objetivo é continuar abastecendo as 18 concessionárias em diversos Estados brasileiros. No país, foram comercializados mais de 5 mil veículos dos modelos Defender, Discovery e Range Rover – os dois últimos sempre importados. Em 2000, a montadora americana Ford Motor Company comprou a divisão Land Rover da alemã BMW.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;