Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Sertanejo sempre foi pop?

A mistura com outros ritmos, coreografias diferentes e
pegada mais alegre fizeram estilo cair no gosto da povo


Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

08/07/2012 | 07:00


Divulgação

Eu quero tchu/ Eu quero tcha/ Eu quero tchu tcha tcha tchu tchu tcha. O refrão até parece axé, mas não é. A música da dupla João Lucas e Marcelo é exemplo da nova cara do sertanejo, que tem pegada de balada com letras alegres e simples. Mais do que violão, mistura outros instrumentos e ritmos, como pop, axé, arrocha e tecnobrega.

Para André Piunti, autor do livro Música Sertaneja: Uma Paixão Brasileira e criador do blog Universo Sertanejo, essa mistura faz parte da história da música. "Os artistas inserem novidades para agradar o jovem", diz. Segundo ele, as mudanças têm acontecido desde a criação do termo sertanejo universitário, entre 2006 e 2007. "Na década de 1990, falava-se muito mais sobre sofrer de amor. Agora busca-se criar algo mais agitado."

Um dos grandes precursores do sertanejo moderno é Luan Santana. Ele mostrou que não precisa ser dupla para fazer sucesso, surgiu com visual despojado e cantou música do cotidiano jovem. Com a mesma sacada, Michel Teló inovou com letras sobre baladas e coreografias.

Para Waldenyr Caldas, professor de Cultura Brasileira da Escola de Comunicação e Arte da USP, este é o momento do sertanejo, mas alerta: "Todo estilo tem sua fase e é preciso inovar para não cansar. Só que, geralmente, o que se vê é repetição", ressalta, por isso, acredita que o que está acontecendo pode ser só mais uma moda.

Divulgação

RECEITA DO SUCESSO

Letras simples inspiradas no dia a dia e melodia alegre. Em geral, essas ‘muletas' são alvos da crítica. Mas, para Marcelo, 27 anos, da dupla João Lucas e Marcelo, esse é o segredo. "O povo escolhe o que mais se identifica", diz.

O cantor Arthur Danni,16, defende que o sucesso depende do conjunto. "Não adianta letra boa, se o arranjo não é legal." Gusttavo Lima, 22, acredita que o sertanejo sempre teve espaço. "Se a galera gosta, quem vai contestar?" Paula Fernandes, 27, crê que o ritmo é um dos gêneros mais populares do Brasil. "As novas gerações só enriqueceram a música. O importante é não perder a essência."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sertanejo sempre foi pop?

A mistura com outros ritmos, coreografias diferentes e
pegada mais alegre fizeram estilo cair no gosto da povo

Bruna Gonçalves
Do Diário do Grande ABC

08/07/2012 | 07:00


Divulgação

Eu quero tchu/ Eu quero tcha/ Eu quero tchu tcha tcha tchu tchu tcha. O refrão até parece axé, mas não é. A música da dupla João Lucas e Marcelo é exemplo da nova cara do sertanejo, que tem pegada de balada com letras alegres e simples. Mais do que violão, mistura outros instrumentos e ritmos, como pop, axé, arrocha e tecnobrega.

Para André Piunti, autor do livro Música Sertaneja: Uma Paixão Brasileira e criador do blog Universo Sertanejo, essa mistura faz parte da história da música. "Os artistas inserem novidades para agradar o jovem", diz. Segundo ele, as mudanças têm acontecido desde a criação do termo sertanejo universitário, entre 2006 e 2007. "Na década de 1990, falava-se muito mais sobre sofrer de amor. Agora busca-se criar algo mais agitado."

Um dos grandes precursores do sertanejo moderno é Luan Santana. Ele mostrou que não precisa ser dupla para fazer sucesso, surgiu com visual despojado e cantou música do cotidiano jovem. Com a mesma sacada, Michel Teló inovou com letras sobre baladas e coreografias.

Para Waldenyr Caldas, professor de Cultura Brasileira da Escola de Comunicação e Arte da USP, este é o momento do sertanejo, mas alerta: "Todo estilo tem sua fase e é preciso inovar para não cansar. Só que, geralmente, o que se vê é repetição", ressalta, por isso, acredita que o que está acontecendo pode ser só mais uma moda.

Divulgação

RECEITA DO SUCESSO

Letras simples inspiradas no dia a dia e melodia alegre. Em geral, essas ‘muletas' são alvos da crítica. Mas, para Marcelo, 27 anos, da dupla João Lucas e Marcelo, esse é o segredo. "O povo escolhe o que mais se identifica", diz.

O cantor Arthur Danni,16, defende que o sucesso depende do conjunto. "Não adianta letra boa, se o arranjo não é legal." Gusttavo Lima, 22, acredita que o sertanejo sempre teve espaço. "Se a galera gosta, quem vai contestar?" Paula Fernandes, 27, crê que o ritmo é um dos gêneros mais populares do Brasil. "As novas gerações só enriqueceram a música. O importante é não perder a essência."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;