Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

‘Não há lugar para milícias no Iraque’, diz Bremer


Da AFP

06/12/2003 | 11:05


O chefe da administração civil norte-americana Paul Bremer declarou na sexta-feira que “não há lugar para milícias no novo Iraque”, opondo-se assim aos planos destinados a criar uma força integrada por milicianos para combater a guerrilha.

"Sempre disse, desde minha chegada, que não havia lugar para a milícia no novo Iraque", declarou ao canal de TV Al Iraqiya, supervisionado pela coalizão. "Definimos uma milícia como uma organização que não tem uma visão nacional", explicou.

"Nós prometemos reconstruir as organizações nacionais, como o novo exército iraquiano, a nova força de polícia e a defesa civil. São organizações nacionais", acrescentou. "Até saudamos a vontade das milícias de cooperar com as autoridades, mas elas não podem continuar existindo como milícias".

O jornal The Washington Post assinalou na quarta-feira que uma nova força seria integrada por 750 a 850 combatentes, para atuar inicialmente na capital.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

‘Não há lugar para milícias no Iraque’, diz Bremer

Da AFP

06/12/2003 | 11:05


O chefe da administração civil norte-americana Paul Bremer declarou na sexta-feira que “não há lugar para milícias no novo Iraque”, opondo-se assim aos planos destinados a criar uma força integrada por milicianos para combater a guerrilha.

"Sempre disse, desde minha chegada, que não havia lugar para a milícia no novo Iraque", declarou ao canal de TV Al Iraqiya, supervisionado pela coalizão. "Definimos uma milícia como uma organização que não tem uma visão nacional", explicou.

"Nós prometemos reconstruir as organizações nacionais, como o novo exército iraquiano, a nova força de polícia e a defesa civil. São organizações nacionais", acrescentou. "Até saudamos a vontade das milícias de cooperar com as autoridades, mas elas não podem continuar existindo como milícias".

O jornal The Washington Post assinalou na quarta-feira que uma nova força seria integrada por 750 a 850 combatentes, para atuar inicialmente na capital.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;