Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Estrangeiros invadem Abertos e “maquiam” resultados dos torneios


Do Diário do Grande ABC

18/09/2006 | 22:58


Não é de hoje que atletas estrangeiros disputam os Jogos Abertos do Interior. Embora o número de atletas de outras nacionalidades seja limitado – apenas dois por cidade (um no masculino e um no feminino), todos sabem que a participação deles fazem muita diferença na competição.


O tênis de mesa é a modalidade que mais conta com atletas internacionais. Santo André, São Bernardo, Suzano e Santos “importaram” competidores de países asiáticos como China e Taiwan, onde estão os melhores mesa-tenistas do planeta.


A medida gerou opiniões opostas. A atleta de Santo André, Lyanne Kosaka, acredita que a vinda de estrangeiros aumenta o nível da competição. “A Lígia Silva, de Santos, é a melhor mesa-tenista do Brasil. Se os Jogos não contasse com atletas estrangeiras, o torneio ficaria muito fácil para ela”, complementou a veterana atleta, que pretende se aposentar após os Abertos.


Já o mesa-tenista de São Caetano, Thiago Monteiro, o segundo do ranking nacional, atrás de Hugo Hoyama, de São Bernardo, concorda com Lyanne, mas com ressalvas.


“Sem dúvida, a vinda de estrangeiros deixa o torneio mais disputado, mas o grande problema é o fato deles não contrituírem com o crescimento do tênis de mesa no Brasil. Eles vêm, jogam e vão embora. Não existe um intercâmbio com os atletas do Brasil. É apenas um negócio”, afirmou.


Para ele, o principal dos Jogos Abertos é revelar novos talentos e a vinda de atletas de outras nações pode atrapalhar este processo. “Muitas cidades criam estruturas para a modalidade, e aquelas que não fazem nenhum tipo de investimento podem ser vencedoras só por ter atletas estrangeiros. Isso não é justo”, explicou.

Além do tênis de mesa, outros esportes contaram com estrangeiros, como o ciclismo e a ginástica.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estrangeiros invadem Abertos e “maquiam” resultados dos torneios

Do Diário do Grande ABC

18/09/2006 | 22:58


Não é de hoje que atletas estrangeiros disputam os Jogos Abertos do Interior. Embora o número de atletas de outras nacionalidades seja limitado – apenas dois por cidade (um no masculino e um no feminino), todos sabem que a participação deles fazem muita diferença na competição.


O tênis de mesa é a modalidade que mais conta com atletas internacionais. Santo André, São Bernardo, Suzano e Santos “importaram” competidores de países asiáticos como China e Taiwan, onde estão os melhores mesa-tenistas do planeta.


A medida gerou opiniões opostas. A atleta de Santo André, Lyanne Kosaka, acredita que a vinda de estrangeiros aumenta o nível da competição. “A Lígia Silva, de Santos, é a melhor mesa-tenista do Brasil. Se os Jogos não contasse com atletas estrangeiras, o torneio ficaria muito fácil para ela”, complementou a veterana atleta, que pretende se aposentar após os Abertos.


Já o mesa-tenista de São Caetano, Thiago Monteiro, o segundo do ranking nacional, atrás de Hugo Hoyama, de São Bernardo, concorda com Lyanne, mas com ressalvas.


“Sem dúvida, a vinda de estrangeiros deixa o torneio mais disputado, mas o grande problema é o fato deles não contrituírem com o crescimento do tênis de mesa no Brasil. Eles vêm, jogam e vão embora. Não existe um intercâmbio com os atletas do Brasil. É apenas um negócio”, afirmou.


Para ele, o principal dos Jogos Abertos é revelar novos talentos e a vinda de atletas de outras nações pode atrapalhar este processo. “Muitas cidades criam estruturas para a modalidade, e aquelas que não fazem nenhum tipo de investimento podem ser vencedoras só por ter atletas estrangeiros. Isso não é justo”, explicou.

Além do tênis de mesa, outros esportes contaram com estrangeiros, como o ciclismo e a ginástica.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;