Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mauá terá UFABC em uma área central da cidade


André Vieira
Do Diário do Grande ABC

08/10/2010 | 07:01


A UFABC (Universidade Federal do ABC) bateu o martelo. Depois de avaliar três endereços, a instituição decidiu que vai construir o campus Mauá em terreno às margens da alça de acesso da Avenida Papa João XXIII, no Parque São Vicente.

Propriedade do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), a área tem cerca de 130 mil metros quadrados, perto do Trecho Sul do Rodoanel e da futura extensão da Avenida Jacu-Pêssego.

A universidade deverá semana que vem se pronunciar sobre a opção. O lote completo possui 300 mil metros quadrados, mas parte foi utilizada por obras viárias do governo do Estado, e ainda é preciso fazer o desmembramento.

Como UFABC e INSS são órgãos da União, a negociação será realizada na esfera federal, pelos ministérios da Educação e da Previdência.

Antes mesmo de a instituição fazer a escolha, o prefeito Oswaldo Dias (PT) havia demonstrado sua preferência pelo terreno, que é também o mais perto do Paço.

Diferente das outras áreas que a UFABC avaliava em Mauá, o terreno do INSS é um enorme descampado, sem qualquer edificação.

Os outros dois espaços, as fábricas da Valisere, de lingeries, e da antiga Ibrape, de tubos de televisão, conservam construções que poderiam ser reaproveitadas para a montagem do campus.

Se por um lado a área escolhida não oferece essa possibilidade, por outro permite projetar estruturas novas.
Existem, contudo, limitações. O terreno está parte em área de preservação ambiental, que não pode ser alterada, e é atravessado por torres de transmissão de energia, com distância que tem de ser respeitada.

A área ainda precisa ser analisada pela Caixa Econômica Federal, que avaliou em R$ 39 milhões o imóvel da Valisere e em R$ 41 milhões a sede da antiga Ibrape.

GARANTIA
O Ministério da Educação já disponibilizou recursos para o campus Mauá. A expectativa é de que o acordo saia até o fim do ano.

A promessa é do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que fez o anúncio ao lado do prefeito Oswaldo Dias, durante comício no município em 21 de agosto.

"Vamos comprar o terreno neste mandato", afirmou o presidente, que encerra sua segunda gestão no Palácio do Planalto em dezembro.

CONDIÇÕES
Segundo Oswaldo Dias, a Prefeitura irá viabilizar espaço provisório para que as turmas estreantes possam assistir aulas já 2012.

"A obra é muito grande e não dá para pensar que vai estar pronta em dois anos, com tudo funcionando", afirmou o prefeito.

A mesma política foi adotada em Santo André e São Bernardo, que também ofereceram prédios para a UFABC receber os alunos.

Criada há apenas cinco anos, a universidade ainda está montando sua estrutura no Grande ABC.
O campus de Santo André, na Avenida dos Estados, tem parte em construção e parte que já está disponível para atender discentes, professores e funcionários.

Em São Bernardo, as obras no bairro Anchieta começaram, mas estudantes ainda assistem aulas em local temporário. O terreno, perto da Avenida Kennedy, custou R$ 50 milhões.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mauá terá UFABC em uma área central da cidade

André Vieira
Do Diário do Grande ABC

08/10/2010 | 07:01


A UFABC (Universidade Federal do ABC) bateu o martelo. Depois de avaliar três endereços, a instituição decidiu que vai construir o campus Mauá em terreno às margens da alça de acesso da Avenida Papa João XXIII, no Parque São Vicente.

Propriedade do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), a área tem cerca de 130 mil metros quadrados, perto do Trecho Sul do Rodoanel e da futura extensão da Avenida Jacu-Pêssego.

A universidade deverá semana que vem se pronunciar sobre a opção. O lote completo possui 300 mil metros quadrados, mas parte foi utilizada por obras viárias do governo do Estado, e ainda é preciso fazer o desmembramento.

Como UFABC e INSS são órgãos da União, a negociação será realizada na esfera federal, pelos ministérios da Educação e da Previdência.

Antes mesmo de a instituição fazer a escolha, o prefeito Oswaldo Dias (PT) havia demonstrado sua preferência pelo terreno, que é também o mais perto do Paço.

Diferente das outras áreas que a UFABC avaliava em Mauá, o terreno do INSS é um enorme descampado, sem qualquer edificação.

Os outros dois espaços, as fábricas da Valisere, de lingeries, e da antiga Ibrape, de tubos de televisão, conservam construções que poderiam ser reaproveitadas para a montagem do campus.

Se por um lado a área escolhida não oferece essa possibilidade, por outro permite projetar estruturas novas.
Existem, contudo, limitações. O terreno está parte em área de preservação ambiental, que não pode ser alterada, e é atravessado por torres de transmissão de energia, com distância que tem de ser respeitada.

A área ainda precisa ser analisada pela Caixa Econômica Federal, que avaliou em R$ 39 milhões o imóvel da Valisere e em R$ 41 milhões a sede da antiga Ibrape.

GARANTIA
O Ministério da Educação já disponibilizou recursos para o campus Mauá. A expectativa é de que o acordo saia até o fim do ano.

A promessa é do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que fez o anúncio ao lado do prefeito Oswaldo Dias, durante comício no município em 21 de agosto.

"Vamos comprar o terreno neste mandato", afirmou o presidente, que encerra sua segunda gestão no Palácio do Planalto em dezembro.

CONDIÇÕES
Segundo Oswaldo Dias, a Prefeitura irá viabilizar espaço provisório para que as turmas estreantes possam assistir aulas já 2012.

"A obra é muito grande e não dá para pensar que vai estar pronta em dois anos, com tudo funcionando", afirmou o prefeito.

A mesma política foi adotada em Santo André e São Bernardo, que também ofereceram prédios para a UFABC receber os alunos.

Criada há apenas cinco anos, a universidade ainda está montando sua estrutura no Grande ABC.
O campus de Santo André, na Avenida dos Estados, tem parte em construção e parte que já está disponível para atender discentes, professores e funcionários.

Em São Bernardo, as obras no bairro Anchieta começaram, mas estudantes ainda assistem aulas em local temporário. O terreno, perto da Avenida Kennedy, custou R$ 50 milhões.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;