Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Borelli reencontra gárgulas


Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

27/04/2010 | 07:00


A Cia Borelli de Dança, comandada pelo bailarino andreense Sandro Borelli, prossegue com a série "Morte - Manifestação e Reflexão", no Kasulo, sua sede em São Paulo. Pelo projeto, contemplado pelo 7º Programa Municipal de Fomento à Dança, da prefeitura de São Paulo, sete espetáculos seriam remontados. Todos têm como ponto de partida a morte.

Amanhã estreia a nova temporada de "Gárgulas", coreografia elaborada em 2004 para o Festival Cultura Inglesa. Este é o terceiro espetáculo do projeto. Até julho passam pelo casulo "Ponto Final da Última Cena", "Adeus Deus" e "Versos Íntimos".

Gárgulas se inspira na obra do pintor alemão Lucian Freud, hoje com 87 anos e radicado na Inglaterra. Neto do pai da psicanálise, Sigmund Freud (1856- 1939), o artista judeu viveu os horrores do Holocausto e desenvolveu, a partir da metade de sua carreira, um estilo que impactou Borelli durante pesquisas para outro espetáculo, "Jardim de Tântalo" (2003), que se baseava na loucura.

"Ele passou a transitar artisticamente em um ambiente muito denso. A cor ocre, os tons sombrios e a retratação de corpos reais, sem retoques. Fiquei apaixonado", relembra. A montagem também marcou a transição do grupo. Depois de mudanças administrativas, foi rebatizado: de FAR-15 passou a ser a Cia Borelli.

REVISITAÇÕES - Em 13 anos de existência, Borelli engordou seu repertório com 18 espetáculos. Mesmo fora de projetos como o que ocorre atualmente em sua sede, o grupo os reapresenta de maneira periódica. "É extremamente importante para o artista revisitar as suas obras. O mercado passou a impor para a dança e outras artes a instituição da estreia. Como se fosse obrigatório criar apenas para estar em evidência", critica.

Com a conquista da sede própria, Borelli afirma ter conseguido liberdade para isso. "As remontagens garantem um distanciamento gradual do artista com a obra. Há algumas que nunca deixam de ser autobiográficas e não alcançam o público", observa.

"Gárgulas" fica em cartaz até o dia 9. No dia 15, Borelli vem a Santo André com Artista da Fome, no Sesc. O mês encerra com apresentações de "Estado Independente", baseado na trajetória de Che Guevara, em São José do Rio Preto e Mogi das Cruzes, durante a Virada Cultural Paulista.

Gárgulas - Espetáculo de dança. De amanhã ao dia 9. No Kasulo Espaço de Arte e Cultura - Rua Sousa Lima, 300/Sobreloja, São Paulo. Tel.: 3666-7238. Ingr.: valor definido pelo público.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Borelli reencontra gárgulas

Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

27/04/2010 | 07:00


A Cia Borelli de Dança, comandada pelo bailarino andreense Sandro Borelli, prossegue com a série "Morte - Manifestação e Reflexão", no Kasulo, sua sede em São Paulo. Pelo projeto, contemplado pelo 7º Programa Municipal de Fomento à Dança, da prefeitura de São Paulo, sete espetáculos seriam remontados. Todos têm como ponto de partida a morte.

Amanhã estreia a nova temporada de "Gárgulas", coreografia elaborada em 2004 para o Festival Cultura Inglesa. Este é o terceiro espetáculo do projeto. Até julho passam pelo casulo "Ponto Final da Última Cena", "Adeus Deus" e "Versos Íntimos".

Gárgulas se inspira na obra do pintor alemão Lucian Freud, hoje com 87 anos e radicado na Inglaterra. Neto do pai da psicanálise, Sigmund Freud (1856- 1939), o artista judeu viveu os horrores do Holocausto e desenvolveu, a partir da metade de sua carreira, um estilo que impactou Borelli durante pesquisas para outro espetáculo, "Jardim de Tântalo" (2003), que se baseava na loucura.

"Ele passou a transitar artisticamente em um ambiente muito denso. A cor ocre, os tons sombrios e a retratação de corpos reais, sem retoques. Fiquei apaixonado", relembra. A montagem também marcou a transição do grupo. Depois de mudanças administrativas, foi rebatizado: de FAR-15 passou a ser a Cia Borelli.

REVISITAÇÕES - Em 13 anos de existência, Borelli engordou seu repertório com 18 espetáculos. Mesmo fora de projetos como o que ocorre atualmente em sua sede, o grupo os reapresenta de maneira periódica. "É extremamente importante para o artista revisitar as suas obras. O mercado passou a impor para a dança e outras artes a instituição da estreia. Como se fosse obrigatório criar apenas para estar em evidência", critica.

Com a conquista da sede própria, Borelli afirma ter conseguido liberdade para isso. "As remontagens garantem um distanciamento gradual do artista com a obra. Há algumas que nunca deixam de ser autobiográficas e não alcançam o público", observa.

"Gárgulas" fica em cartaz até o dia 9. No dia 15, Borelli vem a Santo André com Artista da Fome, no Sesc. O mês encerra com apresentações de "Estado Independente", baseado na trajetória de Che Guevara, em São José do Rio Preto e Mogi das Cruzes, durante a Virada Cultural Paulista.

Gárgulas - Espetáculo de dança. De amanhã ao dia 9. No Kasulo Espaço de Arte e Cultura - Rua Sousa Lima, 300/Sobreloja, São Paulo. Tel.: 3666-7238. Ingr.: valor definido pelo público.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;