Fechar
Publicidade

Sábado, 8 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Quatro parques de SP adotam 'ilhas de distanciamento' para evitar aglomerações

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


23/07/2020 | 18:06


Um homem tirava um cochilo, um rapaz lia um livro, uma ciclista tomava sol de braços bem abertos e crianças brincavam sob os olhos dos responsáveis. Todos aproveitavam as últimas horas da manhã em São Paulo, mas de uma forma até poucos meses atrás impensável, na pré-pandemia: distanciados por marcações de círculos no chão.

Dos 70 parques municipais reabertos na capital paulista há 11 dias, as marcas foram feitas nos gramados do Ibirapuera, do Povo e do Burle Marx, na zona sul, do Carmo, na zona leste. A proposta é criar "bolhas" de convivência para indivíduos e pequenos grupos e, assim, evitar aglomerações e contatos com pessoas de outros círculos sociais.

A iniciativa é inspirada em exemplos internacionais, de parques em Nova York, Lisboa, Düsseldorf, Milão e outros. Em Bristol, na Inglaterra, ela até foi adaptada para virar um conjunto de grandes corações. O modelo mais tradicional também é replicado no Brasil, em cidades como Porto Alegre, Vitória, Santo André e São José dos Campos.

Médico da Clínica de Epidemiologia do Hospital Universitário da USP, Marcio Sommer Bittencourt aprova a ideia dar marcações por ser "educativa". "Faz sentido desenhar os limites, assim como em uma fila de mercado", aponta.

"O que preocupa é as pessoas entenderem o que pode fazer no parque, como se portar", acrescenta. Por isso, ele destaca a necessidade de ações educativas para os frequentadores permanecerem afastados, longe de aglomerações, em locais abertos, com o uso da máscara e a higiene correta das mãos.

Bittencourt também destaca que o convívio coletivo nesses casos é indicado para pessoas da mesma "bolha social", isto é, que já têm contato próximo, como familiares e cônjuges, por exemplo. "Não dá para juntar 10 pessoas de bolhas diferentes só porque elas não têm sintomas."

Os parques estão funcionamento em horário restrito, das 10 às 16 horas, e exclusivamente em dias úteis. Com exceção do Ibirapuera e do Carmo, que abrem mais cedo, às 6 horas.

As unidades municipais receberam 246.551 visitantes na reabertura da reabertura até quarta-feira, 22. Estão vetadas aglomerações, eventos coletivos e uso de parquinhos infantis e bebedouros. O uso de máscara é obrigatório.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Quatro parques de SP adotam 'ilhas de distanciamento' para evitar aglomerações


23/07/2020 | 18:06


Um homem tirava um cochilo, um rapaz lia um livro, uma ciclista tomava sol de braços bem abertos e crianças brincavam sob os olhos dos responsáveis. Todos aproveitavam as últimas horas da manhã em São Paulo, mas de uma forma até poucos meses atrás impensável, na pré-pandemia: distanciados por marcações de círculos no chão.

Dos 70 parques municipais reabertos na capital paulista há 11 dias, as marcas foram feitas nos gramados do Ibirapuera, do Povo e do Burle Marx, na zona sul, do Carmo, na zona leste. A proposta é criar "bolhas" de convivência para indivíduos e pequenos grupos e, assim, evitar aglomerações e contatos com pessoas de outros círculos sociais.

A iniciativa é inspirada em exemplos internacionais, de parques em Nova York, Lisboa, Düsseldorf, Milão e outros. Em Bristol, na Inglaterra, ela até foi adaptada para virar um conjunto de grandes corações. O modelo mais tradicional também é replicado no Brasil, em cidades como Porto Alegre, Vitória, Santo André e São José dos Campos.

Médico da Clínica de Epidemiologia do Hospital Universitário da USP, Marcio Sommer Bittencourt aprova a ideia dar marcações por ser "educativa". "Faz sentido desenhar os limites, assim como em uma fila de mercado", aponta.

"O que preocupa é as pessoas entenderem o que pode fazer no parque, como se portar", acrescenta. Por isso, ele destaca a necessidade de ações educativas para os frequentadores permanecerem afastados, longe de aglomerações, em locais abertos, com o uso da máscara e a higiene correta das mãos.

Bittencourt também destaca que o convívio coletivo nesses casos é indicado para pessoas da mesma "bolha social", isto é, que já têm contato próximo, como familiares e cônjuges, por exemplo. "Não dá para juntar 10 pessoas de bolhas diferentes só porque elas não têm sintomas."

Os parques estão funcionamento em horário restrito, das 10 às 16 horas, e exclusivamente em dias úteis. Com exceção do Ibirapuera e do Carmo, que abrem mais cedo, às 6 horas.

As unidades municipais receberam 246.551 visitantes na reabertura da reabertura até quarta-feira, 22. Estão vetadas aglomerações, eventos coletivos e uso de parquinhos infantis e bebedouros. O uso de máscara é obrigatório.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;