Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Venda de carros na
região cai 20,8%

As concessionárias da região comercializaram 5.574 carros,
20,8% ou 1.472 a menos do que no mesmo período de 2011


Soraia Abreu Pedrozo

07/05/2012 | 06:13


Abril não foi um mês favorável às vendas de veículos zero-quilômetro no Grande ABC. As concessionárias da região comercializaram 5.574 carros, 20,8% ou 1.472 a menos do que no mesmo período do ano passado, quando alcançou 7.046 unidades.

A queda nas vendas das sete cidades foi maior do que no restante do País, que registrou recuo de 10,2%. No mês passado foram faturados 244,8 mil automóveis e comerciais leves (pickups pequenas, vans, furgões e utilitários esportivos), 28 mil a menos que em abril de 2011.

Na avaliação de comerciantes do setor, o maior entrave para manter o ritmo do ano passado é a dificuldade na obtenção de crédito. Os bancos estão represando o acesso ao financiamento de automóveis justamente pelo aumento da inadimplência, decorrente do crescimento expressivo das vendas entre 2010 e meados de 2011.

Dados do Banco Central mostram que o atraso acima de 90 dias nas parcelas de empréstimos para a compra de carros atinge 5,7% do total das carteiras de financiamento. E, de acordo com o consultor automotivo J.R. Caporal, CEO da MegaDealer, 60% dos veículos são vendidos a prazo.

"O problema não é o interesse em comprar, mas faturar os pedidos. O índice de aprovação de crédito está entre 30% e 35%. Então, muitas vezes chegamos a fazer a venda mas não conseguimos concluí-la pela negativa dos bancos", explica o gerente de vendas da Paulitália em Mauá, Alessandro Augusto. A loja comercializou 135 carros em abril, enquanto que em 2011 o saldo passou de 200 unidades.

Segundo a Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras), a cada dez pedidos para a tomada de crédito, cinco são recusados por receio de calotes. No ano passado, pelo menos sete em dez eram aprovadas.

Na região, São Bernardo registrou o maior recuo nas vendas, com 847 unidades a menos. Ainda assim, as lojas do município foram as que mais faturaram no mês passado, com 2.149 automóveis.

ALTERNATIVA - Na tentativa de driblar a dificuldade nas vendas, as concessionárias lançam mão de promoções e redução na margem de lucro para baratear os veículos e torná-los mais acessíveis.

Edimar Vieira de Lima, gerente geral de vendas da concessionária Savol em Santo André, conta que desde março estão adotando descontos para a linha 2013 e, para alguns veículos, são oferecidos IPVA e documentação grátis e redução de taxas para 0,49% ao mês. Por conta da estratégia, em abril foram faturados 209 unidades, 11 a mais que em 2011.

A Viamar em São Bernardo, conforme explica o gerente de veículos novos Paulo Wodewotzky, também está conseguindo resultados dessa maneira. "Até o dia 26 tínhamos vendido apenas 68 carros, enquanto no ano passado, foram 148 unidades. Então, começamos a oferecer bônus em linhas de veículos, desconto em taxas e outros incentivos e conseguimos vender mais 80 veículos de 27 a 30 de abril, empatando o resultado."

Augusto, da Paulitália, ressalta que a loja está parcelando a entrada em dez vezes sem juros, diminuindo a margem de lucro e subsidiando as taxas dos bancos.

Consumidor do Grande ABC prefere veículos da Vokswagen

Em abril, os consumidores do Grande ABC que compraram veículos zero-quilômetro preferiram os da marca Volkswagen. Dos 5.574 vendidos no mês passado, 1.508 eram da montadora, que liderou em São Bernardo, Santo André, Diadema, Mauá e Ribeirão Pires, detendo 27% do mercado regional.

Já em São Caetano e Rio Grande da Serra, a preferência ficou por conta da General Motors. A fabricante comercializou 987 carros e abocanhou fatia de 17,7%.

A Fiat figurou na terceira posição nas sete cidades, com 688 unidades vendidas, e respondeu por 12,3% do total. A quarta colocação ficou com a Ford, que faturou em abril 565 veículos, 10,1% do mercado.

Os dados foram disponibilizados com exclusividade para o Diário pela concessionária Savol, de Santo André, com base no levantamento da Assobrav (Associação Brasileira de Distribuidores Volkswagen) que leva em conta a emissão de Renavan.

Estão situadas no Grande ABC seis montadoras: Volkswagen, Ford, Toyota, Mercedes-Benz e Scania (todas em São Bernardo) e General Motors (em São Caetano), o que pode influenciar na escolha do consumidor.

No País, quem liderou as vendas de automóveis e comerciais leves no mês passado foi a Fiat, com 21,8% do mercado (244,8 mil), o que representa 53,5 mil unidades. A Volks aparece na sequência, com 20,8% ou 50,9 mil veículos. A GM ocupou terceiro lugar, com 16,9% ou 41,3 mil.

Considerando apenas automóveis (188,7 mil comercializados em abril), entretanto, a relação se inverte. A maior fatia de mercado, 22,56% ou 42,5 mil, pertenceu à Volkswagen, enquanto que a vice-liderança, ficou com a Fiat, com 22,03% ou 41,5 mil. Nessa comparação, a GM manteve a posição, com 17,65% ou 33,3 mil carros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Venda de carros na
região cai 20,8%

As concessionárias da região comercializaram 5.574 carros,
20,8% ou 1.472 a menos do que no mesmo período de 2011

Soraia Abreu Pedrozo

07/05/2012 | 06:13


Abril não foi um mês favorável às vendas de veículos zero-quilômetro no Grande ABC. As concessionárias da região comercializaram 5.574 carros, 20,8% ou 1.472 a menos do que no mesmo período do ano passado, quando alcançou 7.046 unidades.

A queda nas vendas das sete cidades foi maior do que no restante do País, que registrou recuo de 10,2%. No mês passado foram faturados 244,8 mil automóveis e comerciais leves (pickups pequenas, vans, furgões e utilitários esportivos), 28 mil a menos que em abril de 2011.

Na avaliação de comerciantes do setor, o maior entrave para manter o ritmo do ano passado é a dificuldade na obtenção de crédito. Os bancos estão represando o acesso ao financiamento de automóveis justamente pelo aumento da inadimplência, decorrente do crescimento expressivo das vendas entre 2010 e meados de 2011.

Dados do Banco Central mostram que o atraso acima de 90 dias nas parcelas de empréstimos para a compra de carros atinge 5,7% do total das carteiras de financiamento. E, de acordo com o consultor automotivo J.R. Caporal, CEO da MegaDealer, 60% dos veículos são vendidos a prazo.

"O problema não é o interesse em comprar, mas faturar os pedidos. O índice de aprovação de crédito está entre 30% e 35%. Então, muitas vezes chegamos a fazer a venda mas não conseguimos concluí-la pela negativa dos bancos", explica o gerente de vendas da Paulitália em Mauá, Alessandro Augusto. A loja comercializou 135 carros em abril, enquanto que em 2011 o saldo passou de 200 unidades.

Segundo a Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras), a cada dez pedidos para a tomada de crédito, cinco são recusados por receio de calotes. No ano passado, pelo menos sete em dez eram aprovadas.

Na região, São Bernardo registrou o maior recuo nas vendas, com 847 unidades a menos. Ainda assim, as lojas do município foram as que mais faturaram no mês passado, com 2.149 automóveis.

ALTERNATIVA - Na tentativa de driblar a dificuldade nas vendas, as concessionárias lançam mão de promoções e redução na margem de lucro para baratear os veículos e torná-los mais acessíveis.

Edimar Vieira de Lima, gerente geral de vendas da concessionária Savol em Santo André, conta que desde março estão adotando descontos para a linha 2013 e, para alguns veículos, são oferecidos IPVA e documentação grátis e redução de taxas para 0,49% ao mês. Por conta da estratégia, em abril foram faturados 209 unidades, 11 a mais que em 2011.

A Viamar em São Bernardo, conforme explica o gerente de veículos novos Paulo Wodewotzky, também está conseguindo resultados dessa maneira. "Até o dia 26 tínhamos vendido apenas 68 carros, enquanto no ano passado, foram 148 unidades. Então, começamos a oferecer bônus em linhas de veículos, desconto em taxas e outros incentivos e conseguimos vender mais 80 veículos de 27 a 30 de abril, empatando o resultado."

Augusto, da Paulitália, ressalta que a loja está parcelando a entrada em dez vezes sem juros, diminuindo a margem de lucro e subsidiando as taxas dos bancos.

Consumidor do Grande ABC prefere veículos da Vokswagen

Em abril, os consumidores do Grande ABC que compraram veículos zero-quilômetro preferiram os da marca Volkswagen. Dos 5.574 vendidos no mês passado, 1.508 eram da montadora, que liderou em São Bernardo, Santo André, Diadema, Mauá e Ribeirão Pires, detendo 27% do mercado regional.

Já em São Caetano e Rio Grande da Serra, a preferência ficou por conta da General Motors. A fabricante comercializou 987 carros e abocanhou fatia de 17,7%.

A Fiat figurou na terceira posição nas sete cidades, com 688 unidades vendidas, e respondeu por 12,3% do total. A quarta colocação ficou com a Ford, que faturou em abril 565 veículos, 10,1% do mercado.

Os dados foram disponibilizados com exclusividade para o Diário pela concessionária Savol, de Santo André, com base no levantamento da Assobrav (Associação Brasileira de Distribuidores Volkswagen) que leva em conta a emissão de Renavan.

Estão situadas no Grande ABC seis montadoras: Volkswagen, Ford, Toyota, Mercedes-Benz e Scania (todas em São Bernardo) e General Motors (em São Caetano), o que pode influenciar na escolha do consumidor.

No País, quem liderou as vendas de automóveis e comerciais leves no mês passado foi a Fiat, com 21,8% do mercado (244,8 mil), o que representa 53,5 mil unidades. A Volks aparece na sequência, com 20,8% ou 50,9 mil veículos. A GM ocupou terceiro lugar, com 16,9% ou 41,3 mil.

Considerando apenas automóveis (188,7 mil comercializados em abril), entretanto, a relação se inverte. A maior fatia de mercado, 22,56% ou 42,5 mil, pertenceu à Volkswagen, enquanto que a vice-liderança, ficou com a Fiat, com 22,03% ou 41,5 mil. Nessa comparação, a GM manteve a posição, com 17,65% ou 33,3 mil carros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;