Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Denzel e Julia em 'O Dossiê Pelicano', hoje, às 22h



18/04/2020 | 07:00


Em 1993, quando fez O Dossiê Pelicano, Denzel Washington já havia recebido, 3 anos antes, o Oscar de ator coadjuvante por Tempo de Glória, de Edward Zwick. Denzel receberia em 2002 também a estatueta de ator, por Dia de Treinamento, de Antoine Fuqua. Virou grande, mas, em Dossiê, a estrela era sua companheira de elenco, Julia Roberts.

Julia estourou com Uma Linda Mulher, de Garry Marshall, em 2001 e até foi indicada para o Oscar, mas só levou o prêmio dez anos depois, por Erin Brockovich, de Steven Soderbergh. Típico thriller de teoria da conspiração. Baseado no best-seller de John Grisham, Dossiê mostra Julia como estudante de direito que investiga as mortes suspeitas de dois juízes da Suprema Corte. É perseguida e ganha ajuda de Denzel.

Não, não tem beijo. Hollywood resistiu à tentação do romance birracial, que talvez fizesse história. Afinal, Julia era uma estrela. Alan Pakula é o diretor e o filme é sobre quebra de confiança. Dossiê passa neste sábado, 18, no TCM, às 19h36. Estranhos são os caminhos do sucesso.

Denzel era nada em A História de Um Soldado, de Norman Jewison, de 1984. Outro ator negro era tudo naquele filme, mas Howard Rollins morreu precocemente, de complicações da aids, em 1996, quando ainda havia muito preconceito.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Denzel e Julia em 'O Dossiê Pelicano', hoje, às 22h


18/04/2020 | 07:00


Em 1993, quando fez O Dossiê Pelicano, Denzel Washington já havia recebido, 3 anos antes, o Oscar de ator coadjuvante por Tempo de Glória, de Edward Zwick. Denzel receberia em 2002 também a estatueta de ator, por Dia de Treinamento, de Antoine Fuqua. Virou grande, mas, em Dossiê, a estrela era sua companheira de elenco, Julia Roberts.

Julia estourou com Uma Linda Mulher, de Garry Marshall, em 2001 e até foi indicada para o Oscar, mas só levou o prêmio dez anos depois, por Erin Brockovich, de Steven Soderbergh. Típico thriller de teoria da conspiração. Baseado no best-seller de John Grisham, Dossiê mostra Julia como estudante de direito que investiga as mortes suspeitas de dois juízes da Suprema Corte. É perseguida e ganha ajuda de Denzel.

Não, não tem beijo. Hollywood resistiu à tentação do romance birracial, que talvez fizesse história. Afinal, Julia era uma estrela. Alan Pakula é o diretor e o filme é sobre quebra de confiança. Dossiê passa neste sábado, 18, no TCM, às 19h36. Estranhos são os caminhos do sucesso.

Denzel era nada em A História de Um Soldado, de Norman Jewison, de 1984. Outro ator negro era tudo naquele filme, mas Howard Rollins morreu precocemente, de complicações da aids, em 1996, quando ainda havia muito preconceito.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;