Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

PEC do Orçamento de Guerra é assinada
por Rodrigo Maia e outros sete deputados

Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Documento quer segregar as despesas emergenciais que serão feitas para o enfrentamento da Covid-19



01/04/2020 | 14:16


A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que cria o Orçamento de Guerra já tramita na Câmara. Ela é assinada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros sete deputados.

O médico e deputado paraibano Hugo Motta (Republicanos-PB) será o relator.

O texto protocolado diz que a minuta de proposição legislativa está sendo submetida ao plenário, excepcionalmente, tendo em vista a impossibilidade momentânea de apresentação de proposições de iniciativa coletiva obrigatória, como é o caso das Propostas de Emenda à Constituição (PEC).

A PEC cria uma espécie de Orçamento paralelo para segregar as despesas emergenciais que serão feitas para o enfrentamento da covid-19 no Brasil. Vai vigorar durante estado de calamidade pública já reconhecido pelo Congresso.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, alegou na terça que as medidas emergenciais não foram editadas porque a PEC não estava aprovada. Maia reagiu à cobrança e agora apresentou a PEC.

O líder do Republicanos na Câmara, Jhonatan de Jesus (RR), confirmou que o deputado Hugo Motta será o relator da proposta.

Para Jhonatan, Motta é uma pessoa preparada para assumir a função com capacidade de diálogo com direita e esquerda. "Vamos construir esse tema para que seja votado o mais rápido possível. A intenção que seja votado de hoje pra próxima semana", disse.

Jhonatan disse também que é acredita ser necessário manter o no texto o gatilho que deixa expresso no texto o poder do Parlamento de vetar decisões do Comitê de Gestão de Crise que extrapolem o objeto da proposta que é o enfrentamento da crise.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PEC do Orçamento de Guerra é assinada
por Rodrigo Maia e outros sete deputados

Documento quer segregar as despesas emergenciais que serão feitas para o enfrentamento da Covid-19


01/04/2020 | 14:16


A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que cria o Orçamento de Guerra já tramita na Câmara. Ela é assinada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e outros sete deputados.

O médico e deputado paraibano Hugo Motta (Republicanos-PB) será o relator.

O texto protocolado diz que a minuta de proposição legislativa está sendo submetida ao plenário, excepcionalmente, tendo em vista a impossibilidade momentânea de apresentação de proposições de iniciativa coletiva obrigatória, como é o caso das Propostas de Emenda à Constituição (PEC).

A PEC cria uma espécie de Orçamento paralelo para segregar as despesas emergenciais que serão feitas para o enfrentamento da covid-19 no Brasil. Vai vigorar durante estado de calamidade pública já reconhecido pelo Congresso.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, alegou na terça que as medidas emergenciais não foram editadas porque a PEC não estava aprovada. Maia reagiu à cobrança e agora apresentou a PEC.

O líder do Republicanos na Câmara, Jhonatan de Jesus (RR), confirmou que o deputado Hugo Motta será o relator da proposta.

Para Jhonatan, Motta é uma pessoa preparada para assumir a função com capacidade de diálogo com direita e esquerda. "Vamos construir esse tema para que seja votado o mais rápido possível. A intenção que seja votado de hoje pra próxima semana", disse.

Jhonatan disse também que é acredita ser necessário manter o no texto o gatilho que deixa expresso no texto o poder do Parlamento de vetar decisões do Comitê de Gestão de Crise que extrapolem o objeto da proposta que é o enfrentamento da crise.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;