Fechar
Publicidade

Domingo, 1 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Grande ABC fechou 460 empresas em 2017

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Dados do IBGE mostram que queda chegou a 6.718 unidades no período de quatro anos


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

28/06/2019 | 07:06


Em 2017, o Grande ABC perdeu 460 empresas na comparação com 2016, registrando o total de 83.456 ante 83.916. Nos últimos quatro anos, o número de fechamento de firmas chega a 6.718 unidades, recuo de 7,46% no período – eram 89.684 fábricas. Os números são do Cempre (Cadastro Central de Empresas), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em contrapartida, o número de pessoas assalariadas nas sete cidades se manteve praticamente estável, com aumento de 0,38% em relação a 2016, somando 729,5 mil trabalhadores(veja mais na arte acima).

De acordo com a técnica do IBGE Denise Guichard, apesar da redução da quantidade de empresas, as grandes demissões tinham parado de acontecer. “A crise acontece menos e a situação parou de piorar, o que mostra isso é que o número de pessoas assalariadas parou de cair”, afirmou.

“Nós chegamos ao fundo do poço em 2016 e em 2017 estabilizamos. Há relativo consenso de que foi um ano de estancamento da crise. Até mesmo pela troca de governo, houve um conjunto de agendas econômicas mais favoráveis, o que, de alguma maneira, colaborou para estancamento na redução. Isso não necessariamente significa que a situação é melhor”, endossou o professor da escola de negócios da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Volney Gouveia.

Para Denise, a queda de empresas no Grande ABC foi reflexo do impacto no setor industrial. “Houve redução na participação da indústria no PIB (Produto Interno Bruto) no País nos últimos anos, o que acaba impactando mais nestes municípios. Na região, até mesmo o setor de comércio foi impactado pelo problema da indústria, porque a demissão no setor vem sendo significativa. Se a população não tem emprego e renda, ela não consome, então o comércio também acaba fechando as portas. Fechar as indústrias é mais difícil porque o custo é maior do que o fechamento de uma loja, por exemplo”, disse.

Para Gouveia, a retomada da economia para os próximos anos depende de ações efetivas do governo federal, que vão além da aprovação de reformas. “Não é só isso que retomaria a confiança do empresário e, por consequência, os investimentos. O segmento de crédito no Brasil está estrangulado. Redução da taxa de juros também ajudaria.”  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;