Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

EUA trabalham com 'revolução interna' afegã


Do Diário OnLine

27/09/2001 | 00:49


Os Estados Unidos sabem que não podem depor sozinhos o governo Talibã, que toma conta de 90% do Afeganistão. Mas trabalham firmemente com a possibilidade de uma revolução interna, estimulada pela insatisfação do povo com as péssimas condições humanitárias do país. O regime extremista islâmico que daria abrigo ao terrorista internacional Osma Bin Laden, principal suspeito pelos atentados ocorridos dia 11 em Nova York e Washington, já enfrenta a oposição interna da Aliança do Norte, uma outra milícia armada, que detém os 10% restantes do território.

Diante do cenário de uma 'nova guerra', como já definiu inúmeras vezes o presidente George W. Bush, sem invasões e ataques em massa, a Aliança do Norte seria uma importante aliada na retaliação armada que os EUA devem empreender contra o Talibã. A Rússia, que lutou durante mais de 15 anos em território afegão contra os guerrilheiros mujahedins (e perdeu), já se dispôs a ceder armas para a Aliança do Norte. As armas do Talibã, curiosamente, são, em sua maioria, russas. Herdadas do confronto dos mujahedins contra a União Soviética, nos anos 80.

Isolado politicamente, graças à pressão diplomática internacional dos EUA, o Afeganistão é considerado pela Casa Branca "terreno fértil" para a efervescência de uma rebelião interna que derrube o Talibã. Famintos e amedrontados com a perspectiva cada vez mais próxima de ataques militares dos aliados aos EUA, os afegãos poderiam se revoltar contra a ineficiência dos extremistas em garantir segurança e estabilidade ao território.

Uma fonte governamental americana ouvida pela CNN diz que a Casa Branca trabalha com uma grande variedade de "nacionalistas afegãos" – grupos étnicos, religiosos e políticos. Juntando-se esse cenário à uma "diáspora afegã" – em referência à fuga em massa que o povo do país tem praticado -, a fonte governamental diz que há a esperança de que todos os insatisfeitos se juntem e formem uma nova coalisão para comandar o país.

"A questão é se as condições mudaram o suficiente para que os afegãos sozinhos consigam colocar em prática um realinhamento", afirmou a fonte da CNN. "Talvez seja o tempo para o povo afegão se insurgir", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

EUA trabalham com 'revolução interna' afegã

Do Diário OnLine

27/09/2001 | 00:49


Os Estados Unidos sabem que não podem depor sozinhos o governo Talibã, que toma conta de 90% do Afeganistão. Mas trabalham firmemente com a possibilidade de uma revolução interna, estimulada pela insatisfação do povo com as péssimas condições humanitárias do país. O regime extremista islâmico que daria abrigo ao terrorista internacional Osma Bin Laden, principal suspeito pelos atentados ocorridos dia 11 em Nova York e Washington, já enfrenta a oposição interna da Aliança do Norte, uma outra milícia armada, que detém os 10% restantes do território.

Diante do cenário de uma 'nova guerra', como já definiu inúmeras vezes o presidente George W. Bush, sem invasões e ataques em massa, a Aliança do Norte seria uma importante aliada na retaliação armada que os EUA devem empreender contra o Talibã. A Rússia, que lutou durante mais de 15 anos em território afegão contra os guerrilheiros mujahedins (e perdeu), já se dispôs a ceder armas para a Aliança do Norte. As armas do Talibã, curiosamente, são, em sua maioria, russas. Herdadas do confronto dos mujahedins contra a União Soviética, nos anos 80.

Isolado politicamente, graças à pressão diplomática internacional dos EUA, o Afeganistão é considerado pela Casa Branca "terreno fértil" para a efervescência de uma rebelião interna que derrube o Talibã. Famintos e amedrontados com a perspectiva cada vez mais próxima de ataques militares dos aliados aos EUA, os afegãos poderiam se revoltar contra a ineficiência dos extremistas em garantir segurança e estabilidade ao território.

Uma fonte governamental americana ouvida pela CNN diz que a Casa Branca trabalha com uma grande variedade de "nacionalistas afegãos" – grupos étnicos, religiosos e políticos. Juntando-se esse cenário à uma "diáspora afegã" – em referência à fuga em massa que o povo do país tem praticado -, a fonte governamental diz que há a esperança de que todos os insatisfeitos se juntem e formem uma nova coalisão para comandar o país.

"A questão é se as condições mudaram o suficiente para que os afegãos sozinhos consigam colocar em prática um realinhamento", afirmou a fonte da CNN. "Talvez seja o tempo para o povo afegão se insurgir", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;