Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Praça Castelo Branco tem árvores cortadas contra demanda de civis

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Grupos aguardavam esclarecimento de projeto na próxima semana


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

27/09/2019 | 07:00


A Prefeitura de Diadema iniciou, na quarta-feira, o corte de árvores na Praça Castelo Branco. Entretando, grupos da sociedade civil – como de idosos – e o Comdema (Conselho de Defesa do Meio Ambiente de Diadema) aguardavam reunião para apresentação do projeto, que deveria ser realizada na próxima quinta-feira.

A aprovação do remanejamento arbóreo foi no dia 17, quando reunião extraordinária do colegiado definiu alteração de 37 exemplares, entre cortes e remanejamento. O projeto foi validado por representantes do governo e da ACE (Associação Comercial e Empresarial).

No entanto, Francisco de Assis Cardoso, vice-presidente do Comdema e representante da sociedade civil, afirma que o início da retirada da vegetação é um “absoluto desrespeito com quem se preocupa com o patrimônio da cidade”. “O que está em execução não é o que nós aprovamos no ano passado e, além disso, vão nos apresentar o projeto de um fato consumado”, critica.

Cardoso garante que a entidade irá tentar reverter o acordo na Justiça. “Na última reunião, a Prefeitura usou instrumentos para aprovar o que ela queria, mas a decisão não expressa a vontade da população, portanto, não vamos desistir e tentaremos impedir as obras quanto não forem concluídas”, assegura.

A intervenção é alvo de discussão desde julho de 2018, quando a gestão municipal discutia a construção de um estacionamento no local. A ação foi contestada por grupos da sociedade civil, uma vez que o equipamento é tombado como patrimônio da cidade e a retirada de árvores muda as características originais do espaço.

Em nota, a Prefeitura de Diadema informou que todas as ações são “de conhecimento do Ministério Público”, permitindo o início da obra, conforme projeto aprovado. A cidade destacou que o inicio dos trabalhos não dependia da reunião da próxima semana, que terá caráter informativo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Praça Castelo Branco tem árvores cortadas contra demanda de civis

Grupos aguardavam esclarecimento de projeto na próxima semana

Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

27/09/2019 | 07:00


A Prefeitura de Diadema iniciou, na quarta-feira, o corte de árvores na Praça Castelo Branco. Entretando, grupos da sociedade civil – como de idosos – e o Comdema (Conselho de Defesa do Meio Ambiente de Diadema) aguardavam reunião para apresentação do projeto, que deveria ser realizada na próxima quinta-feira.

A aprovação do remanejamento arbóreo foi no dia 17, quando reunião extraordinária do colegiado definiu alteração de 37 exemplares, entre cortes e remanejamento. O projeto foi validado por representantes do governo e da ACE (Associação Comercial e Empresarial).

No entanto, Francisco de Assis Cardoso, vice-presidente do Comdema e representante da sociedade civil, afirma que o início da retirada da vegetação é um “absoluto desrespeito com quem se preocupa com o patrimônio da cidade”. “O que está em execução não é o que nós aprovamos no ano passado e, além disso, vão nos apresentar o projeto de um fato consumado”, critica.

Cardoso garante que a entidade irá tentar reverter o acordo na Justiça. “Na última reunião, a Prefeitura usou instrumentos para aprovar o que ela queria, mas a decisão não expressa a vontade da população, portanto, não vamos desistir e tentaremos impedir as obras quanto não forem concluídas”, assegura.

A intervenção é alvo de discussão desde julho de 2018, quando a gestão municipal discutia a construção de um estacionamento no local. A ação foi contestada por grupos da sociedade civil, uma vez que o equipamento é tombado como patrimônio da cidade e a retirada de árvores muda as características originais do espaço.

Em nota, a Prefeitura de Diadema informou que todas as ações são “de conhecimento do Ministério Público”, permitindo o início da obra, conforme projeto aprovado. A cidade destacou que o inicio dos trabalhos não dependia da reunião da próxima semana, que terá caráter informativo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;