Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Sto.André retoma obra na área da saúde que ficou 8 anos paralisada

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Construção de Unidade de Saúde da Família no Jardim Alzira Franco foi interrompida em 2011; previsão é entregar até março


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

27/09/2019 | 07:00


A Prefeitura de Santo André autorizou, na tarde de ontem, a retomada das obras da USF (Unidade de Saúde da Família) Jardim Alzira Franco. A construção, que teve início em 2011 e foi paralisada no mesmo ano, será retomada na segunda-feira, com previsão de término de até cinco meses (março de 2020), com investimento avaliado em cerca de R$ 1 milhão, sendo pelo menos R$ 705 mil disponibilizados para finalização da obra e R$ 300 mil já investidos quando do início.

A futura USF possui aproximadamente 700 metros quadrados, nos quais serão ofertados serviços e atendimentos dentro dos padrões Qualisaúde – programa municipal iniciado em agosto de 2017 que prioriza reformas estruturais em unidades, informatização da rede e capacitação dos funcionários para serviços de saúde.

O secretário de Saúde de Santo André, Márcio Chaves, disse que a unidade terá quatro equipes da saúde da família, com o objetivo de atender média de 16 mil moradores daquela área do município. Além disso, destacou que o espaço vai trabalhar o conceito de clínicas médicas, com pediatras e ginecologistas. “Faremos o atendimento dentro da estratégia de saúde da família, ou seja, pelo menos quatro médicos generalistas, enfermeiros e agentes comunitários, que vão trabalhar acompanhados também pelo clínico geral”, explicou.

O secretário ainda comentou sobre a importância da retomada das obras, com o objetivo de cumprir o plano do governo de implementar política de saúde básica, em local que carece desses serviços.

“É um absurdo que desde 2011 o local esteja parado, mesmo existindo recursos creditados em conta desde aquela época. Ou seja, pelo menos duas gestões anteriores não deram a devida prioridade e assistência para isso. Hoje, podemos dizer que temos condições adequadas para a retomada da construção desse espaço, o que, relativamente, será uma obra simples nas condições que a encontramos”, observou o secretário.

OBRA DESACREDITADA

Para o prefeito Paulo Serra (PSDB), “esta era mais uma obra desacreditada que tínhamos no município”, até pelo longo tempo de paralisação da obra. “O programa municipal Qualisaúde, no começo da nossa gestão, não foi muito bem compreendido. A própria população tinha suas dúvidas, pois o cenário de Santo André na saúde era ruim. No início, fechamos sete unidades de saúde para reformas, mas depois devolvemos essa mesma quantidade para a população, mas com melhores condições e serviços, e logo entregaremos mais sete novas. Atualmente, são 14 unidades entregues para a população, como o Reabilita (equipamento para atendimento de pessoas com deficiência física, auditiva, visual e intelectual da região). E em março de 2020 vamos inaugurar a Clínica da Família Jardim Alzira Franco”, garantiu o chefe do Executivo.

Moradores do bairro reclamam de viagens longas até outras unidades

Para moradores do bairro Jardim Alzira Franco e entorno a espera pela construção da unidade sempre foi cercada de esperança, apesar dos oito anos de paralisação. No momento, as alternativas que os municípes buscam para consultas ou exames são as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) Bangu, na Vila São Pedro, ou Capuava, o que gera transtornos com transporte para chegarem aos locais.

“Frequento a unidade do Capuava há bastante tempo, mas posso contar de 30 a 40 minutos para chegar até lá, mas isso quando não chove, pois com chuva piora ainda mais”, lamenta a desempregada e moradora do bairro há 30 anos Alzira de Souza, 55.

Também desempregada, Ilza de Almeida, 52, comenta em como a nova unidade vai auxiliar os moradores daquela região. “Isso já é um pedido de tempos para nosso bairro. Acordo 4h para conseguir marcar consulta em outra unidade. Será ótimo.”</CW>[08.ASSINA_PE]<TL>



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sto.André retoma obra na área da saúde que ficou 8 anos paralisada

Construção de Unidade de Saúde da Família no Jardim Alzira Franco foi interrompida em 2011; previsão é entregar até março

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

27/09/2019 | 07:00


A Prefeitura de Santo André autorizou, na tarde de ontem, a retomada das obras da USF (Unidade de Saúde da Família) Jardim Alzira Franco. A construção, que teve início em 2011 e foi paralisada no mesmo ano, será retomada na segunda-feira, com previsão de término de até cinco meses (março de 2020), com investimento avaliado em cerca de R$ 1 milhão, sendo pelo menos R$ 705 mil disponibilizados para finalização da obra e R$ 300 mil já investidos quando do início.

A futura USF possui aproximadamente 700 metros quadrados, nos quais serão ofertados serviços e atendimentos dentro dos padrões Qualisaúde – programa municipal iniciado em agosto de 2017 que prioriza reformas estruturais em unidades, informatização da rede e capacitação dos funcionários para serviços de saúde.

O secretário de Saúde de Santo André, Márcio Chaves, disse que a unidade terá quatro equipes da saúde da família, com o objetivo de atender média de 16 mil moradores daquela área do município. Além disso, destacou que o espaço vai trabalhar o conceito de clínicas médicas, com pediatras e ginecologistas. “Faremos o atendimento dentro da estratégia de saúde da família, ou seja, pelo menos quatro médicos generalistas, enfermeiros e agentes comunitários, que vão trabalhar acompanhados também pelo clínico geral”, explicou.

O secretário ainda comentou sobre a importância da retomada das obras, com o objetivo de cumprir o plano do governo de implementar política de saúde básica, em local que carece desses serviços.

“É um absurdo que desde 2011 o local esteja parado, mesmo existindo recursos creditados em conta desde aquela época. Ou seja, pelo menos duas gestões anteriores não deram a devida prioridade e assistência para isso. Hoje, podemos dizer que temos condições adequadas para a retomada da construção desse espaço, o que, relativamente, será uma obra simples nas condições que a encontramos”, observou o secretário.

OBRA DESACREDITADA

Para o prefeito Paulo Serra (PSDB), “esta era mais uma obra desacreditada que tínhamos no município”, até pelo longo tempo de paralisação da obra. “O programa municipal Qualisaúde, no começo da nossa gestão, não foi muito bem compreendido. A própria população tinha suas dúvidas, pois o cenário de Santo André na saúde era ruim. No início, fechamos sete unidades de saúde para reformas, mas depois devolvemos essa mesma quantidade para a população, mas com melhores condições e serviços, e logo entregaremos mais sete novas. Atualmente, são 14 unidades entregues para a população, como o Reabilita (equipamento para atendimento de pessoas com deficiência física, auditiva, visual e intelectual da região). E em março de 2020 vamos inaugurar a Clínica da Família Jardim Alzira Franco”, garantiu o chefe do Executivo.

Moradores do bairro reclamam de viagens longas até outras unidades

Para moradores do bairro Jardim Alzira Franco e entorno a espera pela construção da unidade sempre foi cercada de esperança, apesar dos oito anos de paralisação. No momento, as alternativas que os municípes buscam para consultas ou exames são as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) Bangu, na Vila São Pedro, ou Capuava, o que gera transtornos com transporte para chegarem aos locais.

“Frequento a unidade do Capuava há bastante tempo, mas posso contar de 30 a 40 minutos para chegar até lá, mas isso quando não chove, pois com chuva piora ainda mais”, lamenta a desempregada e moradora do bairro há 30 anos Alzira de Souza, 55.

Também desempregada, Ilza de Almeida, 52, comenta em como a nova unidade vai auxiliar os moradores daquela região. “Isso já é um pedido de tempos para nosso bairro. Acordo 4h para conseguir marcar consulta em outra unidade. Será ótimo.”</CW>[08.ASSINA_PE]<TL>

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;