Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Boris Johnson lamenta 100 mil mortes por Covid-19 e não prevê fim de lockdown

Andrew Parsons 10 Downing Stree/Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


26/01/2021 | 15:04


No dia em que o Reino Unido ultrapassou a marca de 100 mil mortes por coronavírus, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, expressou condolências pelas vítimas durante a pandemia, que ele chamou de mais grave crise enfrentada pelo país desde a Segunda Guerra Mundial. "É difícil calcular a tristeza embutida nessa cruel estatísticas", disse.

Em coletiva de imprensa, o premiê afirmou que, devido ao elevado número de casos diários da doença, ainda não é possível prevê quando as medidas de restrição à circulação de pessoas começarão a ser relaxadas. Segundo ele, o fim do lockdown vai depender da capacidade de reduzir o volume de infecções e de acelerar a vacinação. "Já imunizamos mais de 6,8 milhões de pessoas", revelou.

Johnson acrescentou que "tem confiança" na oferta de imunizadores disponível no Reino Unido. Sobre especulações de que a União Europeia pode limitar as exportações de vacinas produzidas no bloco, o político conservador se limitou a dizer que espera que os parceiros "honrem os compromissos contratatuais".

Cientista-chefe do governo britânico, Chris Whitty apresentou um quadro desafiador da epidemia no país insular. Ele explicou que a quantidade de diagnósticos começou a se estabilizar, mas está desacelerando "de forma muito lenta". Questionado sobre o motivo de não ter decretado lockdown em setembro, Whitty ressaltou que a situação atual é diferente por conta das novas mutações do vírus. "Será muito mais difícil conter essas variantes", pontou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Boris Johnson lamenta 100 mil mortes por Covid-19 e não prevê fim de lockdown


26/01/2021 | 15:04


No dia em que o Reino Unido ultrapassou a marca de 100 mil mortes por coronavírus, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, expressou condolências pelas vítimas durante a pandemia, que ele chamou de mais grave crise enfrentada pelo país desde a Segunda Guerra Mundial. "É difícil calcular a tristeza embutida nessa cruel estatísticas", disse.

Em coletiva de imprensa, o premiê afirmou que, devido ao elevado número de casos diários da doença, ainda não é possível prevê quando as medidas de restrição à circulação de pessoas começarão a ser relaxadas. Segundo ele, o fim do lockdown vai depender da capacidade de reduzir o volume de infecções e de acelerar a vacinação. "Já imunizamos mais de 6,8 milhões de pessoas", revelou.

Johnson acrescentou que "tem confiança" na oferta de imunizadores disponível no Reino Unido. Sobre especulações de que a União Europeia pode limitar as exportações de vacinas produzidas no bloco, o político conservador se limitou a dizer que espera que os parceiros "honrem os compromissos contratatuais".

Cientista-chefe do governo britânico, Chris Whitty apresentou um quadro desafiador da epidemia no país insular. Ele explicou que a quantidade de diagnósticos começou a se estabilizar, mas está desacelerando "de forma muito lenta". Questionado sobre o motivo de não ter decretado lockdown em setembro, Whitty ressaltou que a situação atual é diferente por conta das novas mutações do vírus. "Será muito mais difícil conter essas variantes", pontou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;