Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 4 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Butantan espera chegada de 5,4 mil litros de insumos para vacina no dia 3

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

O embaixador descartou que o atraso na liberação dos insumos tenha ocorrido por atritos com o governo federal ou em retaliação às declarações do presidente Jair Bolsonaro contrárias à vacina



26/01/2021 | 12:16


O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, anunciou que no próximo dia 3 de fevereiro devem chegar ao País 5,4 mil litros de insumos, importados da China, necessários para a produção da Coronavac, vacina contra a Covid-19, desenvolvida pelo instituto em parceria com o laboratório Sinovac.

Segundo afirmou, o Butantan aguarda a liberação e exportação pelas autoridades chinesas de adicionais 5,6 mil litros, já em "processo adiantado de liberação".

"Tivemos sinalização de que a liberação será feita de maneira muito rápida", completou o diretor do instituto. Até o momento, a expectativa do Butantan é de receber, ao todo, 11 mil litros de insumos para a produção das doses da vacina.

Conforme afirmou Covas, cada dose recebe entre 0,62 ml e 0,5 ml de imunizante.

Nesta terça pela manhã, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), esteve reunido com o embaixador da China no País, Yang Wanming, para tratar da liberação de insumos necessários à vacina contra o coronavírus produzida e envasada pelo Instituto Butantan.

O embaixador descartou que o atraso na liberação dos insumos tenha ocorrido por atritos com o governo federal ou em retaliação às declarações do presidente Jair Bolsonaro contrárias à vacina. Conforme afirmou Yang, a demora em liberar os insumos pelas autoridades chinesas se trata de questão técnica e não política.

"Mantemos relação amistosa tradicional entre os dois países, incluindo o Estado de São Paulo, maior do Brasil", disse Yang. "A Coronavac está sendo aplicada em todo o País. A cooperação beneficia não só os paulistas, mas todo povo brasileiro", completou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Butantan espera chegada de 5,4 mil litros de insumos para vacina no dia 3

O embaixador descartou que o atraso na liberação dos insumos tenha ocorrido por atritos com o governo federal ou em retaliação às declarações do presidente Jair Bolsonaro contrárias à vacina


26/01/2021 | 12:16


O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, anunciou que no próximo dia 3 de fevereiro devem chegar ao País 5,4 mil litros de insumos, importados da China, necessários para a produção da Coronavac, vacina contra a Covid-19, desenvolvida pelo instituto em parceria com o laboratório Sinovac.

Segundo afirmou, o Butantan aguarda a liberação e exportação pelas autoridades chinesas de adicionais 5,6 mil litros, já em "processo adiantado de liberação".

"Tivemos sinalização de que a liberação será feita de maneira muito rápida", completou o diretor do instituto. Até o momento, a expectativa do Butantan é de receber, ao todo, 11 mil litros de insumos para a produção das doses da vacina.

Conforme afirmou Covas, cada dose recebe entre 0,62 ml e 0,5 ml de imunizante.

Nesta terça pela manhã, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), esteve reunido com o embaixador da China no País, Yang Wanming, para tratar da liberação de insumos necessários à vacina contra o coronavírus produzida e envasada pelo Instituto Butantan.

O embaixador descartou que o atraso na liberação dos insumos tenha ocorrido por atritos com o governo federal ou em retaliação às declarações do presidente Jair Bolsonaro contrárias à vacina. Conforme afirmou Yang, a demora em liberar os insumos pelas autoridades chinesas se trata de questão técnica e não política.

"Mantemos relação amistosa tradicional entre os dois países, incluindo o Estado de São Paulo, maior do Brasil", disse Yang. "A Coronavac está sendo aplicada em todo o País. A cooperação beneficia não só os paulistas, mas todo povo brasileiro", completou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;