Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Círio reúne 2 mi em louvor à Virgem


Heloísa Cestari
Do Diário do Grande ABC

13/09/2006 | 20:11


Todos os anos, uma multidão de fiéis toma conta das principais ruas de Belém para participar de um dos maiores eventos religiosos do mundo: o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, realizado sempre no início de outubro, quando o Pará literalmente pára para ver a estátua da Virgem passar. Os motivos que levam 2 milhões de pessoas a disputar cada centímetro quadrado das vias públicas da capital para acompanhar a procissão são inúmeros: fé, devoção, agradecimento a graças alcançadas, pedidos de cura, casa própria, casamento, emprego, aprovação em concursos... Mas seja qual for a intenção, um mesmo pensamento une a todos: o de adoração à padroeira de Belém.

Os números são proporcionais ao tamanho da fé. Segundo dados da Paratur, em 2005 o Estado arrecadou R$ 250 milhões com o Círio e viu o número de empregos formais crescer 30%.

Este ano, as homenagens começam no dia 7, quando uma romaria fluvial composta por mais de 600 embarcações partirá da vila de Icoaraci às 8h, levando a imagem da santa a bordo, até alcançar o cais em frente a Estação das Docas. No mesmo dia, a partir das 18h, haverá o cortejo conhecido como trasladação da capela do colégio Gentil Bittencourt até a igreja da Sé. É de lá que partirá, às 6h do dia seguinte, a grande procissão do Círio rumo à basílica de Nazaré.

O trajeto, de 5 km, costuma levar de quatro a seis horas para ser concluído, conforme o ritmo dos devotos. Tempo, aliás, que pode parecer curto aos que assistem e longo àqueles que se dispõem a acompanhar a procissão carregando gigantescas cruzes de madeira nas costas como forma de pagar promessas.

Até para o mais ateu dos espectadores, fica difícil não se emocionar diante da imagem de pés ensangüentados, bocas secas a clamar por água, crianças assustadas e macas com pessoas desmaiadas passando sobre os rostos suados da multidão. Vez ou outra, uma lata de refrigerante é passada de mão em mão sobre as cabeças para matar a sede dos devotos agarrados à corda.

História – Tudo começou quando um pescador encontrou uma imagem de Nossa Senhora e decidiu levá-la para casa. Diz a lenda que, por várias vezes seguidas, a estátua sumiu da residência e reapareceu, milagrosamente, no local onde havia sido encontrada. Diante da insistência da padroeira, foi erguida uma basílica no lugar e uma enorme romaria passou a reconstituir o caminho feito pelo pescador.

A primeira procissão data de 1793, com o transporte da imagem em um carro de boi. A berlinda e sua corda surgiram apenas em 1855, quando fiéis utilizaram a corda de uma embarcação para vencer o atoleiro provocado pelo transbordo da Baía de Guajará. A “moda” pegou e, hoje, a corda – de 400 m e meia tonelada – constitui um dos principais símbolos do elo entre a Virgem e os fiéis, que se acotovelam, descalços, para ter o privilégio de, pelo menos por alguns instantes, conseguir puxar a corda, formando um autêntico cinturão humano em torno da berlinda.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;