Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Economia chinesa enfrenta pressão para baixo, diz chefe de estatísticas



21/01/2019 | 04:56


O chefe do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) da China, Ning Jizhe, afirmou que a economia do país "enfrenta pressão para baixo" e apontou particularmente "o complicado e severo ambiente externo". As afirmações foram feitas durante coletiva para comentar os dados do Produto Interno Bruto (PIB) do país do quarto trimestre e de 2018, divulgados nos primeiros minutos desta segunda-feira, 21.

O PIB da China cresceu 6,4% no quarto trimestre na comparação anual, resultando em uma expansão de 6,6% ao longo de 2018, o menor avanço em 28 anos. O dado comprova a desaceleração da segunda maior economia do mundo, que vem sendo exacerbada pela briga comercial com os Estados Unidos. Investimentos, gastos no varejo e atividade fabril tiveram crescimento menor no período, reportou o NBS.

Em dezembro, as exportações se contraíram mais fortemente do que a previsão, com as tarifas impostas pelos EUA começando a reduzir a demanda.

As expectativas incertas para os exportadores chineses levaram empresas, em 2018, a adiar investimentos, contratações, e, em alguns casos, a recorrer a demissões, uma prática que costuma ser desencorajada pelos governantes do Partido Comunista, preocupados com a estabilidade do país. A taxa oficial de desemprego subiu para 4,9% em dezembro, de 4,8% no mês anterior.

Alguns economistas dizem que a economia chinesa está bem mais fraca do que a taxa de expansão de 6,6% em 2018 sugere. Eles notam que a revisão baixista feita pelo governo na sexta-feira do PIB de 2017 (de 6,9% para 6,8%) ajudou a reduzir a base de comparação para o dado do ano passado, impulsionando-o levemente.

Para 2019, economistas esperam que o crescimento do país asiático tenha arrefecimento adicional, para 6,3% ou aquém disso.

"O crescimento continuará sob pressão nos próximos meses", disse em relatório Louis Kuijs, da Oxford Economics. "Os riscos principais são a atual tensão comercial e que o crescimento do crédito não se recupere", completou.

"O risco de baixa para as perspectivas de expansão da economia chinês é a escalada da guerra comercial com os EUA, caso a trégua temporária termine sem qualquer acordo", ressaltou Rajiv Biswas, da IHS Markit.

Mas, ao longo do ano, os analistas acreditam que os esforços do governo chinês para estimular a economia devem ganhar tração, embora as exportações fracas têm adiado a previsão de melhora.

Os líderes em Pequim, no entanto, disseram que as empresas e os investidores não devem esperar que o crescimento recupere os níveis de dois dígitos da década passada. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;