Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 1 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

No Japão, BoJ mantém política monetária inalterada



21/01/2021 | 07:15


O Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) decidiu nesta quinta-feira (21) manter a meta para a taxa básica de juros, a de depósitos, em -0,1%. A instituição também deixou inalterada a meta de rendimento de bônus do governo japonês (JGBs) de 10 anos, em torno de 0%.

"Por ora, o Banco vai monitorar de perto o impacto do novo coronavírus e não vai hesitar em tomar medidas adicionais de afrouxamento se necessário, e também espera que as taxas de curto e de longo prazo continuem no seu nível corrente ou abaixo disso", diz o comunicado do BoJ.

A autoridade monetária manteve a meta de compras de fundos de índices referenciados em ações (ETFs, na sigla em inglês) em 12 trilhões de ienes por ano, o equivalente a cerca de US$ 116 bilhões O BoJ deixou inalteradas as compras adicionais de commercial papers (CP) e bônus corporativos em 15 trilhões de ienes, o equivalente a US$ 145 bilhões, até setembro de 2021.

O banco decidiu prorrogar por um ano os prazos de pagamento de empréstimos de dois programas. Foram contempladas a Medida de Provisionamento de Fundos para Estimular o Empréstimo Bancário e a Medida de Provisionamento de Fundos para Apoiar as Fundações para o Crescimento Econômico.

O presidente do Banco do BoJ, Haruhiko Kuroda, afirmou nesta quinta-feira que a instituição planeja examinar qualquer efeito colateral e a sustentabilidade de sua atual política de relaxamento na próxima reunião de política monetária, em março. Kuroda disse que o BoJ não tem planos de alterar a atual postura de controlar a curva de juros, mas comentou que a instituição busca meios de controlar suas metas para os retornos de modo mais efetivo.

"Nós revisaremos o balanço entre efeitos e efeitos colaterais do relaxamento monetário, incluindo a política de controle da curva de juros, ao longo dos últimos quatro anos", disse ele durante entrevista coletiva, após o BoJ manter a política monetária. Segundo Kuroda, ainda é "muito cedo" para discutir a saída do atual relaxamento monetário no Japão. Ele afirmou que o BoJ "não hesitará" em adotar relaxamento monetário adicional, se necessário.

O dirigente também comentou que o banco central avaliará "com cuidado" os efeitos da política do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, sobre a economia e os mercados globais. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

No Japão, BoJ mantém política monetária inalterada


21/01/2021 | 07:15


O Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) decidiu nesta quinta-feira (21) manter a meta para a taxa básica de juros, a de depósitos, em -0,1%. A instituição também deixou inalterada a meta de rendimento de bônus do governo japonês (JGBs) de 10 anos, em torno de 0%.

"Por ora, o Banco vai monitorar de perto o impacto do novo coronavírus e não vai hesitar em tomar medidas adicionais de afrouxamento se necessário, e também espera que as taxas de curto e de longo prazo continuem no seu nível corrente ou abaixo disso", diz o comunicado do BoJ.

A autoridade monetária manteve a meta de compras de fundos de índices referenciados em ações (ETFs, na sigla em inglês) em 12 trilhões de ienes por ano, o equivalente a cerca de US$ 116 bilhões O BoJ deixou inalteradas as compras adicionais de commercial papers (CP) e bônus corporativos em 15 trilhões de ienes, o equivalente a US$ 145 bilhões, até setembro de 2021.

O banco decidiu prorrogar por um ano os prazos de pagamento de empréstimos de dois programas. Foram contempladas a Medida de Provisionamento de Fundos para Estimular o Empréstimo Bancário e a Medida de Provisionamento de Fundos para Apoiar as Fundações para o Crescimento Econômico.

O presidente do Banco do BoJ, Haruhiko Kuroda, afirmou nesta quinta-feira que a instituição planeja examinar qualquer efeito colateral e a sustentabilidade de sua atual política de relaxamento na próxima reunião de política monetária, em março. Kuroda disse que o BoJ não tem planos de alterar a atual postura de controlar a curva de juros, mas comentou que a instituição busca meios de controlar suas metas para os retornos de modo mais efetivo.

"Nós revisaremos o balanço entre efeitos e efeitos colaterais do relaxamento monetário, incluindo a política de controle da curva de juros, ao longo dos últimos quatro anos", disse ele durante entrevista coletiva, após o BoJ manter a política monetária. Segundo Kuroda, ainda é "muito cedo" para discutir a saída do atual relaxamento monetário no Japão. Ele afirmou que o BoJ "não hesitará" em adotar relaxamento monetário adicional, se necessário.

O dirigente também comentou que o banco central avaliará "com cuidado" os efeitos da política do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, sobre a economia e os mercados globais. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;