Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Carnaval 2011: Tijuca brinca com medo, morte e cinema



07/03/2011 | 01:42


Atual campeã do carnaval do Rio de Janeiro, a Unidos da Tijuca apresenta neste ano na Marquês de Sapucaí um longa-metragem, cujo principal personagem é a morte. O carnavalesco Paulo Barros explica que o enredo "Esta noite levarei sua alma" foi baseado em duas vertentes: o cinema e o medo.

A morte será representada pelo barqueiro de Caronte, que percorrerá a avenida. Mas a ideia da escola é transformar o sombrio em piada, com outros personagens e até cenas de filmes. No último setor do desfile será homenageado o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão.

A agremiação foi a quarta escola a entrar na avenida nesse primeiro dia de apresentações do Grupo Especial do Rio, por volta da 1h30. A Unidos da Tijuca tem 3,6 mil componentes, divididos em 31 alas. A bateria conta 290 ritmistas e a escola terá o apoio de seis carros alegóricos.

Confira o samba-enredo da Unidos da Tijuca:

Tá com medo de quê?

O filme já vai começar

Você foi convidado

Caronte no barco não pode esperar

Apague a luz, a guerra começou

Sob o capuz, delira o diretor

No filme que passa piada em cartaz

Pavor me abraça, isso não se faz

No espaço se vai, é a força que vem

Meu medo não teme ninguém

É o boom! Quem não viu? A casa caiu

Com a bomba na mão o vilão explodiu

O plano de fuga é jogo de cena

"Um Deus nos acuda"? Agita o cinema

Ele volta, revolta mistério no ar

Dos milharais uma estranha visão

Mais uma vez olha a encenação

Morrer de amar faz o povo gargalhar

Pare! Eu pego vocês, grita o mau condutor

Mas deu tudo errado, não há outro lado

Esse povo me enganou

Eu sou brasileiro, amor tijucano

Roteiro sem ponto final

Coitado o barqueiro entrou pelo cano

E brinca no meu carnaval

Eu sou Tijuca, estou em cartaz

Sucesso na tela meu povo é quem faz

Sou do Borel, da gente guerreira

A pura cadência levanta poeira



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Carnaval 2011: Tijuca brinca com medo, morte e cinema


07/03/2011 | 01:42


Atual campeã do carnaval do Rio de Janeiro, a Unidos da Tijuca apresenta neste ano na Marquês de Sapucaí um longa-metragem, cujo principal personagem é a morte. O carnavalesco Paulo Barros explica que o enredo "Esta noite levarei sua alma" foi baseado em duas vertentes: o cinema e o medo.

A morte será representada pelo barqueiro de Caronte, que percorrerá a avenida. Mas a ideia da escola é transformar o sombrio em piada, com outros personagens e até cenas de filmes. No último setor do desfile será homenageado o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão.

A agremiação foi a quarta escola a entrar na avenida nesse primeiro dia de apresentações do Grupo Especial do Rio, por volta da 1h30. A Unidos da Tijuca tem 3,6 mil componentes, divididos em 31 alas. A bateria conta 290 ritmistas e a escola terá o apoio de seis carros alegóricos.

Confira o samba-enredo da Unidos da Tijuca:

Tá com medo de quê?

O filme já vai começar

Você foi convidado

Caronte no barco não pode esperar

Apague a luz, a guerra começou

Sob o capuz, delira o diretor

No filme que passa piada em cartaz

Pavor me abraça, isso não se faz

No espaço se vai, é a força que vem

Meu medo não teme ninguém

É o boom! Quem não viu? A casa caiu

Com a bomba na mão o vilão explodiu

O plano de fuga é jogo de cena

"Um Deus nos acuda"? Agita o cinema

Ele volta, revolta mistério no ar

Dos milharais uma estranha visão

Mais uma vez olha a encenação

Morrer de amar faz o povo gargalhar

Pare! Eu pego vocês, grita o mau condutor

Mas deu tudo errado, não há outro lado

Esse povo me enganou

Eu sou brasileiro, amor tijucano

Roteiro sem ponto final

Coitado o barqueiro entrou pelo cano

E brinca no meu carnaval

Eu sou Tijuca, estou em cartaz

Sucesso na tela meu povo é quem faz

Sou do Borel, da gente guerreira

A pura cadência levanta poeira

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;