Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Pressão do mercado para subir taxa de juros incomoda Planalto



08/02/2010 | 07:03


A forte pressão do mercado financeiro para que a Selic suba em março ou abril a fim de conter o risco de alta na inflação por suposto excesso de demanda tem incomodado o Palácio do Planalto. Importante fonte do governo avalia que no mercado "tem muita gente torcendo" e alimentando as expectativas de alta na Selic para poder "ganhar dinheiro".

"Pelo mercado, os juros sobem toda semana. Se se fizer o que o mercado quer, estamos fritos. Tem gente que parece que fica torcendo para a inflação subir. Quem faz a política monetária é o Banco Central, é o governo, e não o mercado", diz a fonte.

Para este integrante do governo, ainda não há indicações claras de alta iminente da Selic como o mercado faz crer. Pelo contrário, a avaliação do Planalto é que o BC mostra preocupação natural com o futuro da inflação, o que é seu papel, mas em nenhum momento disse que ela está saindo de controle e nem sinalizou que enxerga um risco alto de isso acontecer.

A leitura que está se fazendo tanto no Palácio como no Ministério da Fazenda é que uma subida da Selic não pode ser dada como favas contadas. "É preciso esperar a evolução da economia e ver se a demanda de fato vai crescer a ritmo que a oferta de bens não conseguiria acompanhar."

"Tem que deixar a coisa um pouco acontecer", diz uma fonte, lembrando que, antes dos juros, o governo pode lançar mão de outros instrumentos de restrição monetária, como a retomada de níveis mais elevados de depósitos compulsórios - dinheiro que os bancos têm que deixar parado no BC e que foram reduzidos durante a crise.

Somam-se a isso o desarme das medidas de desoneração fiscal neste ano, que ajudam a conter a demanda. Fontes também lembram que é natural que, ao retomar o crescimento após a crise, a economia inicialmente esteja mais acelerada, mas a tendência é de arrefecimento desse ímpeto mais à frente.

O governo tentou, na sexta-feira, esfriar nos bastidores o noticiário em torno das divergências entre o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do BC, Henrique Meirelles.

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse publicamente que não havia divergência. Nos bastidores, no entanto, fontes confirmaram que há discordância de visão entre Fazenda e BC. "É natural que haja divergência. No governo FHC não teve isso. Os desenvolvimentistas foram empurrados para fora pelos monetaristas e deu no que deu. A ideia do atual governo sempre foi buscar uma síntese nessas divergências."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;