Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Hungria muda Constituição e contraria UE e EUA



12/03/2013 | 00:19


Parlamentares húngaros aprovaram ontem emendas à Constituição, apesar das advertências da União Europeia e dos EUA de que as medidas podem ameaçar o Estado de Direito e enfraquecer o controle democrático. O Parlamento, controlado pela aliança de direita do primeiro-ministro Viktor Orban, aprovou mudanças que incluem disposições que permitem ao presidente da principal corte do país e ao Ministério Público escolher quais juízes atuarão nos processos.

Este movimento e as tensões políticas com Bruxelas e Washington, combinado com as preocupações dos investidores sobre a autonomia do banco central da Hungria - no qual um aliado próximo de Orban assumiu o comando na semana passada -, ajudaram a levar a moeda húngara ao seu nível mais baixo desde o início de junho de 2012.

Após a votação, a União Europeia e o Conselho da Europa, responsável pelos direitos humanos no continente, emitiram uma declaração conjunta dizendo que as mudanças "elevam as preocupações em relação ao princípio do Estado de Direito, o Direito da UE e as normas do Conselho da Europa".

Orban e os líderes legislativos húngaros disseram que as preocupações sobre um retrocesso democrático são infundadas e que suas ações estão de acordo com os tratados e normas da UE. As informações são da Dow Jones.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hungria muda Constituição e contraria UE e EUA


12/03/2013 | 00:19


Parlamentares húngaros aprovaram ontem emendas à Constituição, apesar das advertências da União Europeia e dos EUA de que as medidas podem ameaçar o Estado de Direito e enfraquecer o controle democrático. O Parlamento, controlado pela aliança de direita do primeiro-ministro Viktor Orban, aprovou mudanças que incluem disposições que permitem ao presidente da principal corte do país e ao Ministério Público escolher quais juízes atuarão nos processos.

Este movimento e as tensões políticas com Bruxelas e Washington, combinado com as preocupações dos investidores sobre a autonomia do banco central da Hungria - no qual um aliado próximo de Orban assumiu o comando na semana passada -, ajudaram a levar a moeda húngara ao seu nível mais baixo desde o início de junho de 2012.

Após a votação, a União Europeia e o Conselho da Europa, responsável pelos direitos humanos no continente, emitiram uma declaração conjunta dizendo que as mudanças "elevam as preocupações em relação ao princípio do Estado de Direito, o Direito da UE e as normas do Conselho da Europa".

Orban e os líderes legislativos húngaros disseram que as preocupações sobre um retrocesso democrático são infundadas e que suas ações estão de acordo com os tratados e normas da UE. As informações são da Dow Jones.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;