Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 11 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Investigação no meio de lendas

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Caso policial se envolve no mundo do folclore brasileiro na série ‘Cidade Invisível’


Luís Felipe Soares

21/02/2021 | 00:01


O costume de se contar histórias que envolvem o folclore brasileiro serve para fortalecer a cultura nacional. São personagens, fatos e casos conhecidos que acabam passados de geração para geração de maneira um tanto quanto despretensiosa, com essa identidade não se perdendo depois de tanto tempo. Como não seria diferente dentro do mundo do entretenimento, explorar esse universo único é prato cheio para uma atração audiovisual. A Netflix foi convencida de que uma série que coloca figuras populares em meio à investigação policial seria sua próxima produção no País. O resultado é Cidade Invisível, pronta para tentar chamar a atenção do público entre mistérios, drama e suspense.

A criação do projeto é assinada por Carlos Saldanha (diretor de animações como A Era do Gelo e Rio), que também aparece como produtor executivo na sua estreia diante de uma obra em live-action. Segundo ele, o objetivo do show é tentar mostrar ao mundo, e ao próprio brasileiro, a riqueza do folclore nacional de maneira mais adulta do que as pessoas estão acostumadas. Muita pesquisa foi feita e há recorte de contos de diferentes cantos, mas as grandes atrações ficam por conta das repaginações de figuras icônicas, casos de Saci-Pererê, Cuca e Curupira.

O seriado é composto por sete episódios, com média de 35 minutos de duração cada. No centro das atenções está o policial ambiental Eric (papel de Marco Pigossi), que vive período pessoal conturbado com a morte da mulher. Ele retorna a realizar investigações e precisa entender como um incêndio e o misterioso surgimento de um boto-cor-de-rosa em praia no Rio de Janeiro estão conectados. Estranhos detalhes fazem com que uma realidade paralela recheada de criaturas sobrenaturais seja descoberta pelo agente. Nomes como Alessandra Negrin, José Dumont e Jimmy London estão no elenco.

Algumas pontas claramente foram deixadas para que uma possível segunda temporada de Cidade Invisível venha a dar mais detalhes para a trama, mas ainda não há confirmação de mais capítulos para a Netflix. Mesmo que a atração seja recomendada para maiores de 16 anos, há a curiosidade de várias idades para saber como o folclore ganha vida ao longo da saga. Textos que apontam quem é quem nesse universo podem atrapalhar toda a experiência. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Investigação no meio de lendas

Caso policial se envolve no mundo do folclore brasileiro na série ‘Cidade Invisível’

Luís Felipe Soares

21/02/2021 | 00:01


O costume de se contar histórias que envolvem o folclore brasileiro serve para fortalecer a cultura nacional. São personagens, fatos e casos conhecidos que acabam passados de geração para geração de maneira um tanto quanto despretensiosa, com essa identidade não se perdendo depois de tanto tempo. Como não seria diferente dentro do mundo do entretenimento, explorar esse universo único é prato cheio para uma atração audiovisual. A Netflix foi convencida de que uma série que coloca figuras populares em meio à investigação policial seria sua próxima produção no País. O resultado é Cidade Invisível, pronta para tentar chamar a atenção do público entre mistérios, drama e suspense.

A criação do projeto é assinada por Carlos Saldanha (diretor de animações como A Era do Gelo e Rio), que também aparece como produtor executivo na sua estreia diante de uma obra em live-action. Segundo ele, o objetivo do show é tentar mostrar ao mundo, e ao próprio brasileiro, a riqueza do folclore nacional de maneira mais adulta do que as pessoas estão acostumadas. Muita pesquisa foi feita e há recorte de contos de diferentes cantos, mas as grandes atrações ficam por conta das repaginações de figuras icônicas, casos de Saci-Pererê, Cuca e Curupira.

O seriado é composto por sete episódios, com média de 35 minutos de duração cada. No centro das atenções está o policial ambiental Eric (papel de Marco Pigossi), que vive período pessoal conturbado com a morte da mulher. Ele retorna a realizar investigações e precisa entender como um incêndio e o misterioso surgimento de um boto-cor-de-rosa em praia no Rio de Janeiro estão conectados. Estranhos detalhes fazem com que uma realidade paralela recheada de criaturas sobrenaturais seja descoberta pelo agente. Nomes como Alessandra Negrin, José Dumont e Jimmy London estão no elenco.

Algumas pontas claramente foram deixadas para que uma possível segunda temporada de Cidade Invisível venha a dar mais detalhes para a trama, mas ainda não há confirmação de mais capítulos para a Netflix. Mesmo que a atração seja recomendada para maiores de 16 anos, há a curiosidade de várias idades para saber como o folclore ganha vida ao longo da saga. Textos que apontam quem é quem nesse universo podem atrapalhar toda a experiência. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;