Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Laudo prova que família foi envenenada com arsênico em Campinas


Do Diário OnLine
Com Agências

21/02/2005 | 10:31


O laudo feito por peritos do IML (Instituto Médico Legal) de São Paulo comprovou que o médico homeopata Hudson da Silva Carvalho, 46 anos, sua mulher, Thelma Carvalho Migueis, 43, e sua filha Laila Migueis Carvalho, 17, foram envenenados com arsênico. O resultado da perícia foi enviada ao IML de Campinas, cidade onde aconteceu o crime.

Os investigadores agora trabalham apenas com a hipótese de envenenamento intencional, afastando a possibilidade de intoxicação alimentar. Os suspeitos pelo crime são o médico, que preparava medicamentos homeopáticos para a família, e a adolescente M.M.C., 15 anos, única sobrevivente.

M.M.C. deve prestar novo depoimento nesta semana. Ela terá de explicar porque ligou para o restaurante onde a família almoçou no dia do envenenamento para reclamar de uma suposta intoxicação alimentar. A polícia suspeita desta atitude, pois na hora da ligação a família já estava com graves sintomas de envenenamento.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Laudo prova que família foi envenenada com arsênico em Campinas

Do Diário OnLine
Com Agências

21/02/2005 | 10:31


O laudo feito por peritos do IML (Instituto Médico Legal) de São Paulo comprovou que o médico homeopata Hudson da Silva Carvalho, 46 anos, sua mulher, Thelma Carvalho Migueis, 43, e sua filha Laila Migueis Carvalho, 17, foram envenenados com arsênico. O resultado da perícia foi enviada ao IML de Campinas, cidade onde aconteceu o crime.

Os investigadores agora trabalham apenas com a hipótese de envenenamento intencional, afastando a possibilidade de intoxicação alimentar. Os suspeitos pelo crime são o médico, que preparava medicamentos homeopáticos para a família, e a adolescente M.M.C., 15 anos, única sobrevivente.

M.M.C. deve prestar novo depoimento nesta semana. Ela terá de explicar porque ligou para o restaurante onde a família almoçou no dia do envenenamento para reclamar de uma suposta intoxicação alimentar. A polícia suspeita desta atitude, pois na hora da ligação a família já estava com graves sintomas de envenenamento.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;