Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Chuva mostrou erros da Ferrari em Interlagos


Do Diário OnLine

01/04/2001 | 19:04


Quando os primeiros pingos de chuva começaram a cair neste domingo em Interlagos, durante o GP Brasil de F-1, todos esperavam mais um show de Michael Schumacher. Afinal, é público e notório que o alemão pilota com destreza também nessa situação. Além do mais, Rubens Barrichello (Ferrari), outro que se dá bem com pista molhada, já estava fora, e o concorrente mais direto era David Coulthard (McLaren), que integra o time dos pilotos que não são muito amigos da chuva. O que se viu, no entanto, foi completamente o contrário: Schumacher rodou duas vezes e ficou muito mais lento na pista, enquanto Coulthard levava sua McLaren com firmeza e velocidade.

O que aconteceu, afinal? Schumacher de repente passou a ter medo de chuva? Baixou o espírito Ayrton Senna (um ás em pista molhada) em Coulthard? Nada disso. A resposta estava nos boxes.

A Ferrari cometeu uma série de erros durante o fim de semana do GP Brasil. Teve sérias dificuldades para acertar tanto o carro de Rubinho quanto de Schumacher. E, na hora da chuva, optou por uma versão errada de pneu de chuva, que não deu a mínima estabilidade para Schumacher. "Esperava pela chuva, mas não havia uma previsão confiável de quando ela viria. Foi até bom o momento em que ela caiu, porque sabia que Coulthard teria que parar também", disse Schumacher após a corrida. "Mas as coisas não funcionaram bem. Saí da pista duas vezes, o que normalmente não acontece comigo. Mas, mesmo se não tivesse ocorrido isso, Coulthard venceria. Ele era mais veloz que eu".

Na entrevista coletiva após a corrida, Schumacher mostrou-se irritado quando perguntado se havia escolhido ajustes para pista seca. "Sim. E não", disse. "Não tenho que falar sobre isso".

Enquanto a Ferrari batia cabeça, a McLaren dava um show de estratégia — papel normalmente exercido pela escuderia italiana e seu 'gênio' Ross Brawn. A previsão de chuva no final do GP era conhecida desde o final da tarde de sexta.

E a McLaren simplesmente se preparou. O próprio Coulthard explicou: "a chave para a minha vitória foi o acerto metade para o seco, metade para o molhado. Fizemos isso porque esperávamos que chovesse no final. Fiquei rezando para que chovesse e, quando a água veio, foi um alívio".

Quando começou a pingar em Interlagos, todos os pilotos foram para os boxes, trocar os pneus. O escocês permaneceu por mais uma volta na pista, o que foi encarado por muitos como um erro da McLaren. Pura estratégia. "Quando começou a chover, eu decidi ficar uma volta a mais na pista e avaliar a situação, para resolver se colocaria pneus intermediários ou de chuva forte", revelou Coulthard que, não por acaso, venceu a prova.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;