Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Começa em Sto.André restauro da tapeçaria de Burle Marx


Alessandro Soares
Do Diário do Grande ABC

30/06/2006 | 08:31


A remoção completa da tapeçaria criada em 1969 por Roberto Burle Marx (1909-1994) na manhã de quinta-feira e sua instalação na mesa de trabalho deu início ao processo de restauração mas surgiu uma nova surpresa. Foi encontrado um rasgo no tecido, com cerca de 40 cm, perpendicular à parte superior. A restauradora Florence Maria White De Vera desconhecia este dano na peça fixada na parede do Salão Nobre da Prefeitura de Santo André em 1970.

A remoção da tapeçaria de 26m de largura por 3,3m de altura, a maior obra do gênero executada por Burle Marx, foi supervisionada pelo marido de Florence, o engenheiro Manuel Julio Vera Del Carpio, criador da mesa feita para o processo de limpeza e recuperação da obra. Haruyoshi Ono, diretor da empresa de paisagismo Burle Marx e Cia, do Rio, que trabalhou com o paisagista na peça, visitou quinta-feira de manhã o Complexo Cultural de Santo André.

O trabalho de restauração da De Vera Artes deve durar seis meses. Será executado nas manhãs de segunda a sexta-feira no Salão Nobre.

Dezenas de pregos enferrujados foram recolhidos na remoção, mas ainda serão contados pela De Vera Artes. Muitos são revestidos com zinco, metal resistente à corrosão, o que poupou o tecido de um sem número de manchas de ferrugem. Porém, furos no tecido não diminuem com material anti-corrosivo. Segundo Florence, o maior trabalho será remover o pó e o acúmulo de sujeira de décadas sem esse cuidado devido. Para a restauradora, as suturas no tecido para corrigir furos não são procedimentos complicados.

O trabalho é meticuloso e será feito em etapas. A primeira é a limpeza e higienização das partes frontal e anterior da tapeçaria, seguida pela remoção das manchas de ferrugem; depois virão as suturas no tecido provocadas pelo uso indiscriminado de pregos; por fim, será confeccionado um chassi especial onde a tapeçaria será fixada com velcro industrial, sem nenhum prego.

A tapeçaria está enrolada em um dos três cilindros maiores colocados em paralelo à mesa de trabalho. À medida em que o trabalho for executado, a peça será rolada por vários cilindros de diâmetro menor posicionados na parte inferior movidos à manivela e será depositada na extremidade oposta da mesa, em um outro cilindro na parte superior.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Começa em Sto.André restauro da tapeçaria de Burle Marx

Alessandro Soares
Do Diário do Grande ABC

30/06/2006 | 08:31


A remoção completa da tapeçaria criada em 1969 por Roberto Burle Marx (1909-1994) na manhã de quinta-feira e sua instalação na mesa de trabalho deu início ao processo de restauração mas surgiu uma nova surpresa. Foi encontrado um rasgo no tecido, com cerca de 40 cm, perpendicular à parte superior. A restauradora Florence Maria White De Vera desconhecia este dano na peça fixada na parede do Salão Nobre da Prefeitura de Santo André em 1970.

A remoção da tapeçaria de 26m de largura por 3,3m de altura, a maior obra do gênero executada por Burle Marx, foi supervisionada pelo marido de Florence, o engenheiro Manuel Julio Vera Del Carpio, criador da mesa feita para o processo de limpeza e recuperação da obra. Haruyoshi Ono, diretor da empresa de paisagismo Burle Marx e Cia, do Rio, que trabalhou com o paisagista na peça, visitou quinta-feira de manhã o Complexo Cultural de Santo André.

O trabalho de restauração da De Vera Artes deve durar seis meses. Será executado nas manhãs de segunda a sexta-feira no Salão Nobre.

Dezenas de pregos enferrujados foram recolhidos na remoção, mas ainda serão contados pela De Vera Artes. Muitos são revestidos com zinco, metal resistente à corrosão, o que poupou o tecido de um sem número de manchas de ferrugem. Porém, furos no tecido não diminuem com material anti-corrosivo. Segundo Florence, o maior trabalho será remover o pó e o acúmulo de sujeira de décadas sem esse cuidado devido. Para a restauradora, as suturas no tecido para corrigir furos não são procedimentos complicados.

O trabalho é meticuloso e será feito em etapas. A primeira é a limpeza e higienização das partes frontal e anterior da tapeçaria, seguida pela remoção das manchas de ferrugem; depois virão as suturas no tecido provocadas pelo uso indiscriminado de pregos; por fim, será confeccionado um chassi especial onde a tapeçaria será fixada com velcro industrial, sem nenhum prego.

A tapeçaria está enrolada em um dos três cilindros maiores colocados em paralelo à mesa de trabalho. À medida em que o trabalho for executado, a peça será rolada por vários cilindros de diâmetro menor posicionados na parte inferior movidos à manivela e será depositada na extremidade oposta da mesa, em um outro cilindro na parte superior.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;