Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Arthur Lira diz que auxílio emergencial deve ter base de beneficiários enxugada



21/01/2021 | 13:36


O deputado Arthur Lira (PP-AL), candidato à presidência da Câmara, afirmou que a base de beneficiários do auxílio emergencial deve ser enxugada. Lira é líder do Centrão e tem o apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro, na disputa pelo cargo.

"Penso que foi providencial para manutenção da economia aquecida, mas sabemos que ele teve falhas. Acho que a base de recebimento será menor. O cadastro será mais polido", disse Lira, durante reunião mensal do Conselho Político e Social (COPS), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

No evento, o candidato ressaltou que não conversou com ninguém com o governo neste ano sobre a possibilidade de prorrogação do auxílio ou mesmo a criação de um novo programa social que possa substituir ou reformular o Bolsa Família.

"Eu tenho a impressão de que, dentro do teto, com o Orçamento aprovado, o mercado aceitaria entre R$ 20 bilhões e R$ 50 bilhões por um período máximo de seis meses", afirmou Lira. "O nosso esforço e otimismo nesse assunto é que a gente precise de dois a três meses, com o Orçamento aprovado, para discutir um novo programa. Para isso, precisaria da PEC emergencial para ter espaço e garantir o teto", acrescentou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Arthur Lira diz que auxílio emergencial deve ter base de beneficiários enxugada


21/01/2021 | 13:36


O deputado Arthur Lira (PP-AL), candidato à presidência da Câmara, afirmou que a base de beneficiários do auxílio emergencial deve ser enxugada. Lira é líder do Centrão e tem o apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro, na disputa pelo cargo.

"Penso que foi providencial para manutenção da economia aquecida, mas sabemos que ele teve falhas. Acho que a base de recebimento será menor. O cadastro será mais polido", disse Lira, durante reunião mensal do Conselho Político e Social (COPS), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

No evento, o candidato ressaltou que não conversou com ninguém com o governo neste ano sobre a possibilidade de prorrogação do auxílio ou mesmo a criação de um novo programa social que possa substituir ou reformular o Bolsa Família.

"Eu tenho a impressão de que, dentro do teto, com o Orçamento aprovado, o mercado aceitaria entre R$ 20 bilhões e R$ 50 bilhões por um período máximo de seis meses", afirmou Lira. "O nosso esforço e otimismo nesse assunto é que a gente precise de dois a três meses, com o Orçamento aprovado, para discutir um novo programa. Para isso, precisaria da PEC emergencial para ter espaço e garantir o teto", acrescentou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;