Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Azarenka derruba Serena e encara Osaka na final do US Open



11/09/2020 | 00:57


O título do US Open ficará entre a japonesa Naomi Osaka e a bielo-russa Victoria Azarenka. Nesta quinta-feira, a primeira eliminou a surpreendente local Jennifer Brady, enquanto Azarenka despachou ninguém menos que Serena Williams. A final está marcada para as 17 horas (horário de Brasília) de sábado, em Nova York.

O jogo mais marcante do dia envolveu Azarenka e Serena, duas ex-líderes do ranking e donas de títulos de Grand Slam. A bielo-russa fez um fraco set inicial, que chegava a indicar que sofreria uma derrota arrasadora. No entanto, "acordou" na segunda parcial e buscou a virada na terceira, fechando o duelo por 2 sets a 1, com parciais de 1/6, 6/3 e 6/3, em 1h55min.

Com o resultado, Serena voltou a adiar o sonho de alcançar o recorde de títulos de Slam. Ela soma 23 e está a apenas um de igualar a australiana Margaret Court. Neste US Open, a oitava colocada do ranking era novamente uma das principais favoritas ao título. Mas, apesar das fortes performances nos últimos jogos, sucumbiu à demanda física imposta por Azarenka.

Para a bielo-russa, atual 27ª do mundo, o triunfo significa o retorno a bons resultados em torneios de maior peso. Ela não disputava uma final de Slam desde 2013, justamente no US Open. Em Nova York, ela tem dois vice-campeonatos - o outro aconteceu em 2012. Naqueles dois anos, em sua melhor fase, foi bicampeã do Aberto da Austrália.

Desde então, ela perdeu rendimento nas quadras por conta de questões pessoais e também se afastou temporariamente das quadras para ter seu primeiro filho. Agora terá pela frente, na final, Naomi Osaka. Curiosamente, as duas deveriam ter decidido o título do Torneio de Cincinnati, disputado uma semana antes do US Open. Mas a japonesa nem entrou em quadra e desistiu por questões físicas.

OSAKA SEGUE COMO FAVORITA - Mais cedo, a tenista oriental fez valer seu favoritismo sobre Jennifer Brady, que vinha surpreendendo na chave feminina, com vitórias sobre favoritas, como a alemã Angelique Kerber - e ainda não havia perdido sets na competição. A japonesa, contudo, espantou a zebra, diante da 41ª do ranking e venceu por 2 sets a 1, com parciais de 7/6 (7/1), 3/6 e 6/3, em 2h08min.

Como vem fazendo em Nova York, a número nove do mundo mostrou precisão nos golpes. Foram 35 bolas vencedoras (o mesmo número da rival) e 17 erros não forçados, contra 25 da americana. Curiosamente, cada tenista obteve uma quebra de saque na partida.

Com o triunfo, Osaka vai disputar sua terceira final de Grand Slam na carreira. Nas duas anteriores, levantou o troféu, tanto no US Open de 2018 quanto no Aberto da Austrália de 2019.

"Eu considero Nova York a minha segunda casa", disse a tenista, que nasceu no Japão, mas se mudou ainda na infância para os EUA. "Eu amo a atmosfera deste lugar, mesmo sem os torcedores aqui. Parece que esta quadra se encaixa muito bem no meu tênis", declarou a ex-número 1 do mundo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;