Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 17 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Reclamações dos consumidores caem durante a pandemia

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Até agosto, volume de queixas corresponde a um quarto de 2019; energia elétrica desbanca telefonia celular e lidera registros na região


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

11/09/2020 | 00:05


A pandemia do novo coronavírus fez com que o volume de reclamações nos procons do Grande ABC diminuísse. Até agosto, o total de registros corresponde a um quarto das queixas do ano passado inteiro. Para especialistas, a situação é reflexo da desaceleração no consumo, já que houve aumento do desemprego e redução de renda em todo no País por causa da crise econômica derivada da Covid-19.

O tipo de reclamação também mudou no período. Se em 2019 o topo das queixas pertencia à telefonia celular, com 10,16% do total, neste ano, até o mês passado, o assunto energia elétrica passou a ocupar a primeira posição, com 16,21% – no ano passado, estava em sétimo lugar, com 3,72% do total.

Os procons das sete cidades tiveram 12.069 registros neste ano, sendo que 8.043 foram classificados como reclamações ou denúncias e 4.026 como consultas. As queixas referentes à conta de luz somaram 1.919. Em todo o ano passado, foram 45.284 registros, entre consultas e reclamações, sendo 1.624 queixas referentes à energia elétrica.

As informações foram disponibilizadas pelo Sindec (Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, e tabulados pelo Diário. Proporcionalmente, houve uma queda nos registros, considerando que total dos oito primeiros meses deste ano foi equivalente aos registros de um trimestre em 2019, 26,6% ou um quarto do total.

De acordo com a advogada especializada em direito das relações de consumo Ana Paula Satcheki, existe tendência de diminuição causada pela desaceleração do consumo. “Houve um acréscimo de compras pela internet, mas a grande maioria ainda prefere lojas físicas, que tiveram uma retração nas vendas. Com isso, muitas compras por impulso foram diminuídas, já que as pessoas estavam saindo menos de casa. A tendência é de queda expressiva neste ano, até porque ocorreu uma retração na renda. Hoje, as compras são mais por necessidade e a maioria pesquisa mais”, explicou.

O advogado especialista em defesa do consumidor Jairo Guimarães concorda que o consumo foi freado. “Exceto as compras de alimentos, que aumentaram, mas neste caso raramente há reclamações no Procon. Se eventualmente há problema com algum produto, ele é resolvido diretamente com a empresa.”

O aumento das queixas relacionadas à energia elétrica está diretamente ligado a pandemia, já que a Enel Distribuição, responsável pelo serviço, precisou implementar a média de consumo dos últimos meses – entre março e junho – para a cobrança das contas, já que a maioria dos medidores fica dentro de casa. A medida gerou dúvidas e incremento de reclamações, já que para muitos consumidores as cifras subiram consideravelmente. Sem contar que, em muitos casos, a cobrança, que deixou de ser feita por quatro meses, veio de uma vez. Foi necessária uma atuação do Procon-SP que fechou um acordo de parcelamento em até dez vezes.

A Enel afirmou que está cumprindo a medida, realizando o parcelamento automático de todos os clientes que entraram com reclamação no órgão de defesa do consumidor. “Cabe ressaltar que, após a normalização da leitura presencial dos medidores de energia, o número de queixas vem reduzindo fortemente nas últimas semanas. O volume de reclamações registrado em agosto no Procon-SP em relação às contas de energia corresponde à metade do total de julho”, informou, em nota.

A companhia também destacou que prorrogou, mais uma vez, a suspensão do corte do fornecimento de energia por inadimplência. A empresa continuará sem enviar os avisos de corte até o dia 15 de setembro “para que os clientes tenham mais tempo para negociar o parcelamento das contas em aberto com a distribuidora, após a retomada da leitura presencial dos medidores.”


CDC completa hoje três décadas

O CDC (Código de Defesa do Consumidor) completa hoje 30 anos. A lei que contribuiu para o avanço da cidadania dos brasileiros desde 1990 segue como uma das mais importantes para a garantia de direitos no País.

Uma das garantias que vêm sendo ainda mais usadas durante a pandemia é o direito do arrependimento. Com o intuito de proteger o consumidor contra as compras por impulso e vendas agressivas, o artigo 49 permite que em até sete dias corridos da data da compra o produto seja devolvido. Tanto que até em lojas físicas, em que a prova de roupas e calçados é vetada, por ora, com o intuito de inibir a propagação do novo coronavírus, tem sido permitido que se leve o produto para casa e, caso não goste, que seja devolvido. No entanto, isso sempre foi garantido, desde que respeitado o prazo, pelo CDC.

“É fundamental que o código continue sendo lembrado como símbolo de conquista da cidadania: poder reclamar, protestar contra abusos, escolher livremente e, especialmente, se unir a outras pessoas formando uma coletividade consciente dos seus direitos”, afirma o diretor de relações institucionais do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) Igor Britto.

Para a advogada especializada em direito das relações de consumo Ana Paula Satcheki, é essencial saber nossos direitos. “Estamos completando 30 anos de CDC, que é um código de modernidade, à frente do seu tempo. É uma lei de proteção e que defende o consumidor. Com certeza é algo a se comemorar, é importante que os órgãos de proteção continuem atuando e as empresas entendam que é uma legislação a ser cumprida. A transparência favorece empresas e o consumidor”, assinala.
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;