Fechar
Publicidade

Sábado, 31 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Veja a evolução da Mitsubishi L200 ao longo de seus 42 anos

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação, com assessoria
Do Garagem360

21/08/2020 | 15:48


Em 1978 o mundo estava mudando. O game Space Invaders se espalhava pelos fliperamas em todo o planeta e a indústria de videogames encantava milhões de pessoas. A primeira rede de telefonia celular estava sendo construída no Japão, enquanto o recém-lançado filme Superman lotava as salas de cinema.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Foi neste cenário que a Mitsubishi apresentava ao mundo sua picape com capacidade de carga de mais de uma tonelada. As primeiras unidades do modelo receberam o nome de Forte, apesar de alguns países já adotarem desde aquela época a sigla L200. Ela chegou ao mercado com opções de motores de 1.6 a 2.6 litros e tração traseira, projetado para oferecer uma combinação de confiabilidade, robustez e ampla capacidade de carga.

Cinco gerações e mais de quatro décadas depois, o modelo se consolidou como o mais vendido Mitsubishi em todo o mundo, com mais de 5 milhões de unidades comercializadas em mais de 180 países. A capacidade de carregar mais de uma tonelada sempre esteve presente e, a cada geração, o modelo ganhava ainda mais robustez, segurança, tecnologia e capacidade para trafegar com desenvoltura em todos os tipos de terreno.

4×4 e segunda geração

As primeiras opções com tração 4×4 foram introduzidas em 1980. Por essa mesma base surgiram as linhas Pajero, por exemplo. Em março de 1986 a Mitsubishi Motors apresentava a segunda geração da L200, que trazia design renovado, três opções de cabines (simples, dupla e estendida) e novas opções de motores, incluindo o 2.5 Diesel. Ao longo da década o modelo, rebatizado de Triton em alguns mercados, foi se tornando fundamental para os negócios de Mitsubishi Motors em todo o mundo.

Também batizada em alguns países de Strada, a picape tinha opções de tração traseira ou 4×4 e conquistou especialmente os mercados norte-americano e australiano onde eram vendidas com o nome de Mighty Max e Triton, respectivamente.

Ao todo, cerca de 1,146 milhão de unidades da segunda geração da L200 saíram das linhas de montagem das fábricas de Ohe, no Japão, de Laem Chabang, na Tailândia e também de Catalão, no Brasil.

Terceira geração

A terceira geração chegava em novembro de 1995 com mudanças profundas no design tanto por dentro quanto por fora. Nessa época, a ideia da Mitsubishi era produzir uma picape que unia o conforto e tecnologia de um veículo de passeio com a já renomada capacidade e robustez da linha L200.

O motor passou a ser um 2.5 Turbodiesel e para o sistema de tração foi adotado o Easy Select 4WD, que permitiu ao motorista escolher o modo de tração mais adequado para o piso em que o modelo trafega, com o veículo em movimento.

Algumas versões ganharam sistema de freios ABS, além do sistema R/D Lock (bloqueio do diferencial traseiro), que evitava que a roda com menos tração patine enquanto a de maior tração permaneça imóvel. No Brasil, esta geração batizada de L200 Sport foi a 1ª picape diesel brasileira equipada com câmbio automático.

L200 Tritron

A quarta geração foi apresentada em agosto de 2005 e era produzida principalmente na fábrica da Mitsubishi Motors na Tailândia, de onde os modelos eram exportados para mais de 150 países. Poucos meses depois, o modelo passaria a ser produzido no Brasil com o nome de L200 Triton.

Esta geração introduziu o conceito “J´line” na carroceria, que propiciou maior inclinação do encosto do banco traseiro, aumentando o conforto dos passageiros, sem prejudicar o tamanho da caçamba. Ela também trouxe ao mercado o motor a diesel 3.2 litros.

LEIA MAIS: Mercedes-AMG lança linha mais apimentada para Classe A e CLA no Brasil

6 dicas essenciais para dirigir em dias chuvosos

A quinta geração da linha L200 começou a ser produzida em 2014. O modelo ganhou o primeiro motor a diesel em alumínio para um veículo do segmento, além da tecnologia MIVEC, o que diminuiu ainda mais os níveis de emissões e ruídos além de otimizar bastante o consumo do motor 2.4 Turbodiesel. O sistema de transmissão manual de 6 velocidades também era oferecido pela primeira vez, substituindo o anterior de 5 marchas.

Já a tração ganhou ainda mais melhorias; além do sistema “Easy Select 4WD” que tem três posições: 2H, 4H, 4L para fornecer tração ideal para se adequar às condições da estrada, algumas versões receberam o sistema “Super Select 4WD-II”, com um atuador eletrônico.

No Brasil

As primeiras unidades da L200 começaram a chegar ao longo de 1991, por meio de importações independentes e na sequência através da HPE. O sucesso da picape no País foi imediato e suficiente para, poucos anos depois, algumas unidades do modelo serem produzidas em uma unidade industrial em Manaus (AM). A partir de 1998, a HPE Automotores inaugurou sua fábrica em Catalão (GO) para a produção da L200, de forma a atender a uma demanda crescente de pedidos pelo modelo.

A fábrica, que começou com 12.000 m² de área construída, hoje conta com quase 250.000 m², incluindo uma fábrica de motores que produz inclusive os modernos motores diesel de alumínio da L200 e uma instalação de pintura recém-inaugurada e uma das mais modernas do Brasil.

Nos 22 anos de história, mais de 300 mil unidades da picape L200 foram produzidas em Catalão. Desde a 2ª geração, que foi a 1ª a ser produzida no Brasil, até o momento, as picapes L200 brasileiras sempre se mantiveram atualizadas com os modelos produzidos na Tailândia. Como curiosidade, ao longo dos anos, a Tailândia tornou-se centro mundial de desenvolvimento e produção de picapes de quase todas as marcas.

As L200 produzidas no Brasil recebem modificações estéticas e mecânicas para melhor adaptação ao gosto dos brasileiros e condições de nossas estradas. Modelos exclusivos, como a L200 Savana, foram totalmente desenvolvidas localmente.

Ainda este ano, a marca japonesa apresentará no mercado brasileiro a linha L200 Triton Sport 2021, que chega com visual renovado, mais tecnologia e novo sistema de transmissão.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Veja a evolução da Mitsubishi L200 ao longo de seus 42 anos

Da Redação, com assessoria
Do Garagem360

21/08/2020 | 15:48


Em 1978 o mundo estava mudando. O game Space Invaders se espalhava pelos fliperamas em todo o planeta e a indústria de videogames encantava milhões de pessoas. A primeira rede de telefonia celular estava sendo construída no Japão, enquanto o recém-lançado filme Superman lotava as salas de cinema.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link.

Foi neste cenário que a Mitsubishi apresentava ao mundo sua picape com capacidade de carga de mais de uma tonelada. As primeiras unidades do modelo receberam o nome de Forte, apesar de alguns países já adotarem desde aquela época a sigla L200. Ela chegou ao mercado com opções de motores de 1.6 a 2.6 litros e tração traseira, projetado para oferecer uma combinação de confiabilidade, robustez e ampla capacidade de carga.

Cinco gerações e mais de quatro décadas depois, o modelo se consolidou como o mais vendido Mitsubishi em todo o mundo, com mais de 5 milhões de unidades comercializadas em mais de 180 países. A capacidade de carregar mais de uma tonelada sempre esteve presente e, a cada geração, o modelo ganhava ainda mais robustez, segurança, tecnologia e capacidade para trafegar com desenvoltura em todos os tipos de terreno.

4×4 e segunda geração

As primeiras opções com tração 4×4 foram introduzidas em 1980. Por essa mesma base surgiram as linhas Pajero, por exemplo. Em março de 1986 a Mitsubishi Motors apresentava a segunda geração da L200, que trazia design renovado, três opções de cabines (simples, dupla e estendida) e novas opções de motores, incluindo o 2.5 Diesel. Ao longo da década o modelo, rebatizado de Triton em alguns mercados, foi se tornando fundamental para os negócios de Mitsubishi Motors em todo o mundo.

Também batizada em alguns países de Strada, a picape tinha opções de tração traseira ou 4×4 e conquistou especialmente os mercados norte-americano e australiano onde eram vendidas com o nome de Mighty Max e Triton, respectivamente.

Ao todo, cerca de 1,146 milhão de unidades da segunda geração da L200 saíram das linhas de montagem das fábricas de Ohe, no Japão, de Laem Chabang, na Tailândia e também de Catalão, no Brasil.

Terceira geração

A terceira geração chegava em novembro de 1995 com mudanças profundas no design tanto por dentro quanto por fora. Nessa época, a ideia da Mitsubishi era produzir uma picape que unia o conforto e tecnologia de um veículo de passeio com a já renomada capacidade e robustez da linha L200.

O motor passou a ser um 2.5 Turbodiesel e para o sistema de tração foi adotado o Easy Select 4WD, que permitiu ao motorista escolher o modo de tração mais adequado para o piso em que o modelo trafega, com o veículo em movimento.

Algumas versões ganharam sistema de freios ABS, além do sistema R/D Lock (bloqueio do diferencial traseiro), que evitava que a roda com menos tração patine enquanto a de maior tração permaneça imóvel. No Brasil, esta geração batizada de L200 Sport foi a 1ª picape diesel brasileira equipada com câmbio automático.

L200 Tritron

A quarta geração foi apresentada em agosto de 2005 e era produzida principalmente na fábrica da Mitsubishi Motors na Tailândia, de onde os modelos eram exportados para mais de 150 países. Poucos meses depois, o modelo passaria a ser produzido no Brasil com o nome de L200 Triton.

Esta geração introduziu o conceito “J´line” na carroceria, que propiciou maior inclinação do encosto do banco traseiro, aumentando o conforto dos passageiros, sem prejudicar o tamanho da caçamba. Ela também trouxe ao mercado o motor a diesel 3.2 litros.

LEIA MAIS: Mercedes-AMG lança linha mais apimentada para Classe A e CLA no Brasil

6 dicas essenciais para dirigir em dias chuvosos

A quinta geração da linha L200 começou a ser produzida em 2014. O modelo ganhou o primeiro motor a diesel em alumínio para um veículo do segmento, além da tecnologia MIVEC, o que diminuiu ainda mais os níveis de emissões e ruídos além de otimizar bastante o consumo do motor 2.4 Turbodiesel. O sistema de transmissão manual de 6 velocidades também era oferecido pela primeira vez, substituindo o anterior de 5 marchas.

Já a tração ganhou ainda mais melhorias; além do sistema “Easy Select 4WD” que tem três posições: 2H, 4H, 4L para fornecer tração ideal para se adequar às condições da estrada, algumas versões receberam o sistema “Super Select 4WD-II”, com um atuador eletrônico.

No Brasil

As primeiras unidades da L200 começaram a chegar ao longo de 1991, por meio de importações independentes e na sequência através da HPE. O sucesso da picape no País foi imediato e suficiente para, poucos anos depois, algumas unidades do modelo serem produzidas em uma unidade industrial em Manaus (AM). A partir de 1998, a HPE Automotores inaugurou sua fábrica em Catalão (GO) para a produção da L200, de forma a atender a uma demanda crescente de pedidos pelo modelo.

A fábrica, que começou com 12.000 m² de área construída, hoje conta com quase 250.000 m², incluindo uma fábrica de motores que produz inclusive os modernos motores diesel de alumínio da L200 e uma instalação de pintura recém-inaugurada e uma das mais modernas do Brasil.

Nos 22 anos de história, mais de 300 mil unidades da picape L200 foram produzidas em Catalão. Desde a 2ª geração, que foi a 1ª a ser produzida no Brasil, até o momento, as picapes L200 brasileiras sempre se mantiveram atualizadas com os modelos produzidos na Tailândia. Como curiosidade, ao longo dos anos, a Tailândia tornou-se centro mundial de desenvolvimento e produção de picapes de quase todas as marcas.

As L200 produzidas no Brasil recebem modificações estéticas e mecânicas para melhor adaptação ao gosto dos brasileiros e condições de nossas estradas. Modelos exclusivos, como a L200 Savana, foram totalmente desenvolvidas localmente.

Ainda este ano, a marca japonesa apresentará no mercado brasileiro a linha L200 Triton Sport 2021, que chega com visual renovado, mais tecnologia e novo sistema de transmissão.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;