Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Combates em Grozny continuam


Do Diário do Grande ABC

19/01/2000 | 11:14


Intensos combates continuavam nesta quarta-feira em Grozny, capital chechena, violentamente bombardeada pelos russos, que na véspera conseguiram entrar no centro da cidade. ``Nao há dúvida de que Grozny será tomada nos próximos dias'', declarou o oficial das tropas do Interior, Evgueni Maksimovitch.

Unidades das tropas do Interior conseguiram chegar ao centro da capital assediada. Os chechenos, no entanto, desmentiram essa informaçao.

Violentos enfrentamentos aconteceram em vários bairros da cidade, segundo fontes russas e chechenas, especialmente Staropromyslovski (Nordeste), Staraya Sunja (Noroeste) e Jankala (Leste).

As forças federais também combatiam pelo controle da praça Minutka e importantes ataques de artilharia e aviaçao foram registrados no centro da cidade, onde os separatistas oferecem forte resistência.

O general russo Vladim Timtchenko, membro do Estado-maior, reconheceu que os separatistas defendem ferozmente a capital, transformada em ``fortaleza'', segundo declaraçoes a Itar-Tass.

Os combates em Grozny ``já custaram a vida de muitos soldados'', comentou o oficial das forças do Interior. ``Sofremos muitas perdas porque era a etapa mais complicada e a mais importante da operaçao (na Chechênia). Mas, depois da tomada de Grozny, poderemos falar praticamente de uma vitória'', acrescentou.

Resultado dos combates e dos bombardeios contra Grozny, somente 59 civis saíram da cidade nas últimas 24 horas, segundo o ministério russo de Situaçoes de Emergência. Entre 10 mil e 40 mil civis ainda estao na capital assediada, segundo fontes divergentes.

No plano econômico, uma delegaçao da assembléia parlamentar do Conselho da Europa dirigida por Lord Russell Johnston continuou sua visita pelo Cáucaso Norte e previa viajar a Inguchétia, república fronteiriça com a Chechênia que acolhe quase a totalidade dos 200 mil refugiados chechenos.

Enquanto Moscou é criticada pelos ocidentais e as organizaçoes de defesa dos direitos humanos, o Kremlin informou que o presidente interino Vladimir Putin pediu que seja comprovado o respeito aos direitos dos refugiados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Combates em Grozny continuam

Do Diário do Grande ABC

19/01/2000 | 11:14


Intensos combates continuavam nesta quarta-feira em Grozny, capital chechena, violentamente bombardeada pelos russos, que na véspera conseguiram entrar no centro da cidade. ``Nao há dúvida de que Grozny será tomada nos próximos dias'', declarou o oficial das tropas do Interior, Evgueni Maksimovitch.

Unidades das tropas do Interior conseguiram chegar ao centro da capital assediada. Os chechenos, no entanto, desmentiram essa informaçao.

Violentos enfrentamentos aconteceram em vários bairros da cidade, segundo fontes russas e chechenas, especialmente Staropromyslovski (Nordeste), Staraya Sunja (Noroeste) e Jankala (Leste).

As forças federais também combatiam pelo controle da praça Minutka e importantes ataques de artilharia e aviaçao foram registrados no centro da cidade, onde os separatistas oferecem forte resistência.

O general russo Vladim Timtchenko, membro do Estado-maior, reconheceu que os separatistas defendem ferozmente a capital, transformada em ``fortaleza'', segundo declaraçoes a Itar-Tass.

Os combates em Grozny ``já custaram a vida de muitos soldados'', comentou o oficial das forças do Interior. ``Sofremos muitas perdas porque era a etapa mais complicada e a mais importante da operaçao (na Chechênia). Mas, depois da tomada de Grozny, poderemos falar praticamente de uma vitória'', acrescentou.

Resultado dos combates e dos bombardeios contra Grozny, somente 59 civis saíram da cidade nas últimas 24 horas, segundo o ministério russo de Situaçoes de Emergência. Entre 10 mil e 40 mil civis ainda estao na capital assediada, segundo fontes divergentes.

No plano econômico, uma delegaçao da assembléia parlamentar do Conselho da Europa dirigida por Lord Russell Johnston continuou sua visita pelo Cáucaso Norte e previa viajar a Inguchétia, república fronteiriça com a Chechênia que acolhe quase a totalidade dos 200 mil refugiados chechenos.

Enquanto Moscou é criticada pelos ocidentais e as organizaçoes de defesa dos direitos humanos, o Kremlin informou que o presidente interino Vladimir Putin pediu que seja comprovado o respeito aos direitos dos refugiados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;