Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Traços da memória
mostram São Caetano

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Exposição conta a partir de hoje com 25 desenhos
de Jayme da Costa Patrão no Parque Chico Mendes


Caroline Garcia
Do Diário do Grande ABC

14/01/2014 | 07:00


Como homenagem aos dez anos de morte do desenhista Jayme da Costa Patrão, nome atuante na cultura de São Caetano até 2004, o artista ganha, a partir de hoje, exposição com 25 desenhos, instalados no Parque Chico Mendes.

A mostra Traços da Memória: Desenhos de Jayme da Costa Patrão apresenta uma seleção de charges e ilustrações publicadas entre a década de 1940 até o fim dos anos 1990. “Foi um período fértil e de muita autonomia como chargista. Ele fez diversas publicações no jornal criticando os problemas de São Caetano”, diz Sonia Maria Franco Xavier, presidente da Fundação Pró-Memória.

Para isso, o desenhista criou o personagem Zé Caetano. “Ele era um rico-pobre. Rico da cintura para cima, esnobe e demonstrando opulência, que representava os sonhos da cidade e o poder econômico. E pobre da cintura para baixo, com calça amarrada com corda e chinelos, que mostrava como o município vivia, a falta de encanamento, calçadas e praças.”

As reproduções dos desenhos, ilustrações e charges estão ampliadas em painéis em tamanho A3. Abaixo de cada imagem haverá também um comentário explicativo para situar o visitante da mostra. “É uma exposição bem leve que combina com o espaço. Dá para ir ao parque, se divertir e aprender um pouquinho sobre a história de São Caetano”, conta Sonia.

As imagens originais estão no centro de documentação da Fundação Pró-Memória, doadas pelo próprio Jayme da Costa Patrão, e disponíveis para consulta. A mostra fica no Salão Expositivo do Parque Chico Mendes até dia 16 de março. A entrada é gratuita.

Traços da Memória. De hoje a 16 de março. No Parque Chico Mendes – Av. Fernando Simonsen, 566, bairro Cerâmica, São Caetano. Grátis.

 

Das fábricas de porcelana às ilustrações

Jayme da Costa Patrão nasceu em 1917, no Pari, em São Paulo, e se mudou para São Caetano, em 1924. Começou sua trajetória artística na fábrica Louças Adelinas, que funcionou na cidade até 1952, como desenhista de louças. Em 1950, abriu sua própria empresa de decoração de louças, a Cerâmica Artística Da Costa, também em São Caetano.

Em meio a isso, em 1947, Patrão passou a ser também chargista do semanário O Município, quando cria o personagem Zé Caetano. Pouco tempo depois, o desenhista se transfere para o Jornal de São Caetano e passa a acumular o cargo de articulista.

“Depois de passar por cursos simples de desenhos, sempre com muita habilidade, ele começou a escrever contos sobre São Caetano e transformou-se também em ilustrador da revista Raízes", diz Sonia.

Homenageado ainda pela cidade, o artista ganhou uma rua em seu nome, no bairro Santo Antônio. Patrão morreu em fevereiro de 2004, aos 86 anos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Traços da memória
mostram São Caetano

Exposição conta a partir de hoje com 25 desenhos
de Jayme da Costa Patrão no Parque Chico Mendes

Caroline Garcia
Do Diário do Grande ABC

14/01/2014 | 07:00


Como homenagem aos dez anos de morte do desenhista Jayme da Costa Patrão, nome atuante na cultura de São Caetano até 2004, o artista ganha, a partir de hoje, exposição com 25 desenhos, instalados no Parque Chico Mendes.

A mostra Traços da Memória: Desenhos de Jayme da Costa Patrão apresenta uma seleção de charges e ilustrações publicadas entre a década de 1940 até o fim dos anos 1990. “Foi um período fértil e de muita autonomia como chargista. Ele fez diversas publicações no jornal criticando os problemas de São Caetano”, diz Sonia Maria Franco Xavier, presidente da Fundação Pró-Memória.

Para isso, o desenhista criou o personagem Zé Caetano. “Ele era um rico-pobre. Rico da cintura para cima, esnobe e demonstrando opulência, que representava os sonhos da cidade e o poder econômico. E pobre da cintura para baixo, com calça amarrada com corda e chinelos, que mostrava como o município vivia, a falta de encanamento, calçadas e praças.”

As reproduções dos desenhos, ilustrações e charges estão ampliadas em painéis em tamanho A3. Abaixo de cada imagem haverá também um comentário explicativo para situar o visitante da mostra. “É uma exposição bem leve que combina com o espaço. Dá para ir ao parque, se divertir e aprender um pouquinho sobre a história de São Caetano”, conta Sonia.

As imagens originais estão no centro de documentação da Fundação Pró-Memória, doadas pelo próprio Jayme da Costa Patrão, e disponíveis para consulta. A mostra fica no Salão Expositivo do Parque Chico Mendes até dia 16 de março. A entrada é gratuita.

Traços da Memória. De hoje a 16 de março. No Parque Chico Mendes – Av. Fernando Simonsen, 566, bairro Cerâmica, São Caetano. Grátis.

 

Das fábricas de porcelana às ilustrações

Jayme da Costa Patrão nasceu em 1917, no Pari, em São Paulo, e se mudou para São Caetano, em 1924. Começou sua trajetória artística na fábrica Louças Adelinas, que funcionou na cidade até 1952, como desenhista de louças. Em 1950, abriu sua própria empresa de decoração de louças, a Cerâmica Artística Da Costa, também em São Caetano.

Em meio a isso, em 1947, Patrão passou a ser também chargista do semanário O Município, quando cria o personagem Zé Caetano. Pouco tempo depois, o desenhista se transfere para o Jornal de São Caetano e passa a acumular o cargo de articulista.

“Depois de passar por cursos simples de desenhos, sempre com muita habilidade, ele começou a escrever contos sobre São Caetano e transformou-se também em ilustrador da revista Raízes", diz Sonia.

Homenageado ainda pela cidade, o artista ganhou uma rua em seu nome, no bairro Santo Antônio. Patrão morreu em fevereiro de 2004, aos 86 anos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;